A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

20/09/2012 11:30

Tem gente bem nova começando no Chamamé de Mato Grosso do Sul

Ângela Kempfer e Anny Malagolini
Rafael tem 15 anos. Entre os 10 filhos de Elinho do bandoneon , o “rapa do tacho” foi o que tomou mais gosto pelo ritmo.Rafael tem 15 anos. Entre os 10 filhos de Elinho do bandoneon , o “rapa do tacho” foi o que tomou mais gosto pelo ritmo.

Elinho do Bandoneón tem no sobrenome o instrumento que fez dele um dos principais representantes do Chamamé em Mato Grosso do Sul. Aprendeu primeiro o acordeom, mas aos 36 anos, quando decidiu tocar bandoneon, foi direto à fonte, em Corrientes, província da Argentina, onde nasceu o estilo musical.

Veja Mais
Procura-se um padrinho que ajude na guinada de um cantor sertanejo
Antiga casa noturna virou 2 na Afonso Pena e reabre com lounge e pub sertanejo

“O que eu gosto no Chamamé é a sua pureza. É música refinada como uma poesia. Mas é para um público específico, para quem aprecia música clássica”, avalia.

Nas paredes do Centro Cultural do Chamamé, em Campo Grande, Elinho tem o nome escrito em tijolos que lembram dos artistas que estabeleceram a música como identidade sul-mato-grossense.

Ele é um dos “caras” das antigas, o começo para uma garotada que muito nova já leva o Chamamé como arte em Mato Grosso do Sul.

O filho caçula, Rafael, tem 15 anos. Entre os 10 filhos de Elinho, o “rapa do tacho” foi o que tomou mais gosto pelo ritmo e hoje toca ao lado do pai, feliz da vida.

“Aos 10 anos demos ao Rafael um violão, e então uns amigos argentinos de Corrientes vieram nos visitar e o menino tomou gosto pela música”, conta o pai orgulhoso.

Na “família chamamezeira” criada em torno do Centro Cultural, o agrônomo Jânio Fagundes Borges, 53 anos, é chamado de historiador, tamanho o interesse pelo assunto.

“Frequento aqui desde que começou, e acho essa iniciativa muito válida. Antes não tínhamos muita opção de onde ir, só na Colônia Paraguaia que tinha programação só as vezes”.

Elinho do Bandoneon, em dia de festa no Centro Cultural do Chamamé.Elinho do Bandoneon, em dia de festa no Centro Cultural do Chamamé.

Para ele, “o Chamamé esteve engavetado , mas houve um resgate. E isso aconteceu por que no fundo as pessoas gostam”.

E a devoção começa cedo. Aos 9 anos, Roberto Rech toca sanfona desde os 5 e hoje é uma das apostas do Chamamé em Mato Grosso do Sul. Filho de gaúcho, o menino não é fraco e já subiu ao palco duas vezes com a dupla Maria Cecília e Rodolfo.

“Meus amigos acham estranho eu gostar e tocar Chamamé, mas eu não me importo, acho a música bonita”, justifica.

Mais do que ler, bom mesmo é ouvir. A garotada deve acompanhar os pais chamamezeiros a Rio de Brilhante, uma oportunidade para quem gosta do som.

Dos dias 21 a 23 de setembro, o município terá o maior encontro no Estado de chamamezeiros, na chácara Boa Vista, saída para Maracaju. A entrada é franca.




Senhor Alcindo Camargo
O Centro Cultural não faz distinção de músicos. O Canto A3 comparaece já se apresentou muitas vezes no Centro Cultural do Cultural do Chamamé que está aberto para todos os músicos que queiram lá se apresentar, a única restrição é esta: que a música tocada seja chamamé, polcas e guarânias. Não há corporativismo. Acho leviano as pessoas ficarem falando sem conhecer do assunto.
 
Claudimeire Nogueira em 21/09/2012 07:46:36
Parabéns Amantes do Chamamé! É isso aí o CHAMAMÉ tem que passar de geração por geração. Não pode parar. Vá em frente RAFAEL, se seus amigos acham estranhos você gostar e tocar , com o tempo eles passarão a admirar e gostar, pois o o ritimo do chamamé acaba contagiando e conquistando aqueles que ouve. Sendo assim, tenho certeza que seus amigos já foram conquistados e contagiados. SUCESSOOOOO.
 
Norma Sueli Dubian do Nascimento em 20/09/2012 12:12:51
Divulgue o II Festival do Chamame a ser realizado em Rio Brilhante, nos dias 21, 22 e 23 de setembro. Chamamezeiros nacionais e internacionais estarão participando.
 
Maria Teresa Silva em 20/09/2012 07:35:06
E o Marcelo Loureiro com seu impecável violão? Tem se destacado também o Canto A3 com instrumentos e vozes maravilhosos conforme conferi dias atrás na TV Morena, sõa jovens também. Nunca os vi sendo mencionado pelo Museu o que acho um absurdo sem tamanho. Francamente, isso pega muito mal e cria a ideia de corporativismo. Mesmo assim parabéns ao jovem Rafael e a iniciativa do Campo Grande Nwes.
 
Alcindo Camargo em 20/09/2012 06:06:39
Sou de Ponta Porã apesar de estar longe a 54 anos no meu carro não falta um CD
de chamamé fico contente quando vejo jovens não deixar morrer a raiz de nossas
tradições va em frente Rafael e Roberto

 
Edson de Barros em 20/09/2012 04:58:57
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.