A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

04/05/2014 08:19

Trocar o sertanejo pelo forró é convite de quem quer manter tradição nordestina

Aliny Mary Dias, de Anastácio
Frank Aguiar fechou no sábado a Festa da Farinha. (Fotos: Cleber Gellio)Frank Aguiar fechou no sábado a Festa da Farinha. (Fotos: Cleber Gellio)

Na música, na comida e até na literatura, nordestino que se orgulha de onde veio e quer manter vivas as tradições mesmo vivendo em Mato Grosso do Sul faz de tudo para apresentar o melhor da terra famosa pelas caatingas para os acostumados com as cheias do Pantanal.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

Na 9ª edição da Festa da Farinha em Anastácio, distante 120 quilômetros da Capital, o convite é trocar o sertanejo pelo forró. E tem muita gente que aceita o desafio, mas a adaptação para alguns é lenta.

Nos dois dias da festa que acabou ontem (3), as atrações foram a banda Mastruz com Leite na sexta-feira (2) e Frank Aguiar no sábado. "Foi muito bom tocar nessa cidade. O show foi bastante alegre e o melhor muito saudável com as pessoas se divertindo de verdade. É muito bacana ver que o público da ‘terra’ do sertanejo gostar do nosso trabalho. Até por isso durante a apresentação fizemos um ‘modão’ e foi muito legal", comentou Frank depois do show.

No primeiro dia, 10 mil pessoas se reuniram para dançar ao som do forró, mas teve muita gente que preferiu ouvir as canções e não se arriscar na dança. 

Vera Lúcia Espíndola, 55 anos, mora em Campo Grande, mas viajou 1h30 com seis pessoas da família só para ouvir o forró e conhecer os encantos da tradição nordestina. “Eu nunca tinha visto e estou amando, é muito lindo tudo isso e ter oportunidade de dançar o forró e comer a buchada de bode é bem interessante”, diz.

Ariosto acredita que música é alternativa para manter cultura (Foto: Cleber Gellio)Ariosto acredita que música é alternativa para manter cultura (Foto: Cleber Gellio)

Com a maior concentração de nordestinos em Mato Grosso do Sul, Anastácio é celeiro da cultura dos Estados do nordeste brasileiro e tem a missão de apresentar e manter os costumes. "Para mim é uma satisfação ver mais de 30 mil pessoas num momento em que temos outros importantes eventos, como o Festival de Corumbá, Expogrande em Campo Grande e Festa da Linguiça em Maracajú”, comemora o prefeito Douglas Melo Figueiredo.

O professor Ariosto Francisco dos Santos, de 53 anos, nasceu em Pernambuco, mas veio com a família para Anastácio aos 3 anos. Para ele, usar a música como arma para repassar a cultura aos mais novos é uma das alternativas.

“Aqui só tem sertanejo pra todo lado, é muito bom poder trazer para o sul-mato-grossense o forró. A gente sabe que demora para acostumar, é comum aqui em um show o pessoal só olhar e não dançar o forró, mas isso é da cultura mesmo”, diz.

Além da música, folhetos coloridos com poemas que traduzem a vida do homem nordestino também são usados como artifícios culturais. Um dos primeiros cordelistas de Anastácio, Juvenal dos Santos, 48 anos, explica que a literatura precisa ser apresentada nas escolas para que o cordel nunca se perca no tempo.

Literatura de cordel é tradição no nordeste (Foto: Cleber Gellio)Literatura de cordel é tradição no nordeste (Foto: Cleber Gellio)
Nordestina vê em festa de Anastácio pedacinho de Pernambuco (Foto: Cleber Gellio)Nordestina vê em festa de Anastácio pedacinho de Pernambuco (Foto: Cleber Gellio)

“Tem muito adulto que chega aqui e pergunta quem é esse tal de Cordel. Aí a gente explica e também faz um trabalho nas escolas. Na minha opinião, é assim que a gente consegue trazer mais conhecimento e perpetuar a nossa cultura”.

E a teoria colocada em prática pelos anastacianos agrada quem já viu muita coisa durante a vida. Aos 77 anos, Narcisa Lima Arruda, nascida em Caruaru, no Pernambuco, e moradora de Anastácio, acredita que a reunião da música, comida e animação é a receita certa para compartilhar a cultura nordestina.

“Todos os anos eu vou para Caruaru, mas não troco Anastácio por nada. Com essa festa, nós estamos conseguindo mostrar para todo mundo o que é ser um bom nordestino”, completa.

Festa da Farinha terminou ontem (2) e trouxe atrações do forró (Foto: Cleber Gellio)Festa da Farinha terminou ontem (2) e trouxe atrações do forró (Foto: Cleber Gellio)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.