A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

15/02/2016 06:34

Virou moda abrir 'pub', mas será que Campo Grande tem algum digno do nome?

Paula Maciulevicius
Por dentro da Room 01 Pub. (Foto: Arquivo/Gerson Walber)Por dentro da Room 01 Pub. (Foto: Arquivo/Gerson Walber)

Já dizem memes por aí: "Em Campo Grande, só falta loja de colchão ou rede de farmácia virar pub". O conceito é usado a torto e à direita por donos de casas noturnas e bares na cidade. É uma onda de pubs que de uns anos para cá só mostra o quanto, de pub mesmo, a gente não tem nenhum. 

Veja Mais
Com Carnaval e eletrônico, veja o que tem de bom no fim de semana
Tem de ter coragem para encarar um "The Voice" no Centro de Campo Grande

Coronas, Valley, Jimmi, Jack, Vegas, Room 01 são as principais que tem "pub" agregado ao nome. Na origem, a palavra deriva do formal inglês "publichouse" e surgiu de estabelecimentos privados, ou seja, casa de pessoas que recebiam convidados para se alimentarem ou beberem. A ideia nasceu mais como uma "hospedaria" para viajantes. O que explica a aparência acolhedora que os espaços que levam este nome precisam ter.

Seguindo por esta linha de raciocínio, só o Barô, bar recém aberto no Jardim São Bento, carrega essa tradição inglesa. Os donos abriram a própria sala de casa para receber. E justamente o único da legião de bares que não carrega o nome pub é o que mais se aproxima de ser um. 

Barô é o que mais se aproxima por serBarô é o que mais se aproxima por ser
Exemplos de pubs legítimos Exemplos de pubs legítimos
Com móveis que se assemelham à sala de casa. Com móveis que se assemelham à sala de casa.

DJ e produtor, André Garde tem vivência de anos na Inglaterra e compartilha do mesmo pensamento, que Campo Grande aderiu a moda só no nome mesmo. Quer uma prova disso? A principal característica de um pub é universal: "Nos pubs ingleses você paga e pega a bebida no balcão do bar. Pode até ter garçom, mas só para levar o prato até a mesa depois de já pago. Não existe ficha ou comanda", descreve.

A experiência de André, de oito meses como chef de cozinha em um pub, o fez entender que, para os ingleses, o lugar precisa ser uma saída "completa". "Sem ter que ficar pulando de restaurante para bar", explica. Se baseando no pub onde ele trabalhou, a casa era fechada com ambientes para sentar e comer, além de um espaço para dançar e uma sala de jogos, com dardos, item que não pode faltar nos bares ingleses.

"Pub tem que ter comida, além de bebida e música. Mas a minoria tem isso aqui. No meu conceito, é um lugar de entretenimento completo. Onde você pode comer, não apenas um petisco, beber uma variedade considerável de bebidas e cervejas principalmente e se divertir, assistindo a um jogo ou dançando", descreve.

A arquitetura também chama atenção: todos têm muita madeira, piso de carpete, sofás de couro e sugerem uma sala de casa mesmo, bem confortável, segundo observação do DJ. E quem são os clientes? Na maioria, os moradores da própria região.

Decoração mexicana do pub temático, Coronas. (Foto: Arquivo/Alcides Neto)Decoração mexicana do pub temático, Coronas. (Foto: Arquivo/Alcides Neto)
Um dos poucos que também tentou ser pub, o Jimmi tem balcão para cliente se sentar. Um dos poucos que também tentou ser pub, o Jimmi tem balcão para cliente se sentar.

Dono de um pub, do Jimmi, Júlio Fraide, de 29 anos, conta que dentro da casa ele e os sócios tentaram trazer o máximo das características. O balcão que representaria uma delas já fazia parte da estrutura do negócio antes de virar pub.

"Como já tinha um pouco, pela questão do balcão, a gente inseriu a temática que lembrasse. Mas apesar de ter um pouco de pub, é um pouco distante mesmo", justifica.

O que ele conta como característica é o fato de ser um bar menor e mais aconchegante. "O cliente pode, se estiver sozinho, sentar no balcão e ser atendido no próprio bar, mas o que mais a gente tem mesmo é a temática do rock'n roll", explica Júlio.

O palco toca o estilo e por não ser alto, fica mais próximo do público que também pode interagir. "É que às vezes se faz um grande investimento numa coisa que seria a identidade de um pub, mas não se tem retorno, porque em Campo Grande, ser do rock é ser contra a maré. Aqui só se ouve sertanejo", pondera o dono.

No Jimmi, palco é baixo para músicos ficarem mais perto dos clientes. (Foto: Arquivo/Fernando Antunes)No Jimmi, palco é baixo para músicos ficarem mais perto dos clientes. (Foto: Arquivo/Fernando Antunes)



imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.