A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

28/02/2015 07:48

Com trouxinhas de panos coloridas, terapia das pindas é massagem para relaxar

Aline Araújo
As pindas são trouxinhas de tecidos com elementos, que amarradas em cima de maneira firme auxiliam na hora de fazer os movimentos da massagem. (Foto: Marcos Ermínio)As pindas são trouxinhas de tecidos com elementos, que amarradas em cima de maneira firme auxiliam na hora de fazer os movimentos da massagem. (Foto: Marcos Ermínio)

Relaxar! Às vezes é preciso dar uma desacelerada e desestressar. Por questão de saúde mesmo, algumas técnicas terapêuticas podem ajudar nessa missão de renovar as energias. A massagem com pindas é uma opção. O procedimento é simples, mas é a interação com a aromoterapia que acalma e chama atenção.

Veja Mais
Clínica realiza palestras para sanar dúvidas sobre infertilidade conjugal
Peregrinos não precisam ir tão longe, nosso "Caminho de Santiago" fica a 60km

Formadas por trouxinhas de tecidos com elementos, as pindas são amarradas em cima de maneira firme e auxiliam na hora de fazer os movimentos da massagem. A técnica surgiu na Índia, depois foi para a China onde eram feitas com arroz. Aqui no Estado, a prática é feita usando sal grosso e ervas.

As pindas são feitas de sal e ervas. (Foto: Marcos Ermínio)As pindas são feitas de sal e ervas. (Foto: Marcos Ermínio)

A terapeuta complementar Eva Escobar, 42 anos, resolveu apostar na técnica de relaxamento. “Eu já tinha feito o curso, junto com o de pedras quentes, mas fiquei com medo de não dar certo em Campo Grande, porque as pessoas achavam muito diferente. Mas resolvi fazer, e deu certo”, comenta.

Com um toque regional, ervas como guaco e cidreira ganharam vez nas pindas, que ficaram com um pouco de cheiro de mato. A combinação foi proposital para proporcionar à sessão um "desligamento" da correria da cidade.

Nas mãos de Eva, as pindas também ganharam cores. “Foi uma maneira que encontrei de deixar a massagem mais alegre, além de poder trabalhar com as cores dos chakras (que representam a energia vital)”, comentou. Originalmente, as cores se resume à amarração em cima.

Nas mãos de Eva, as pindas também ganharam cores. (Foto: Marcos Ermínio)Nas mãos de Eva, as pindas também ganharam cores. (Foto: Marcos Ermínio)

Eva tem a voz suave, conversa com calma e muita paciência e afirma que usa muito a intuição na hora de atender alguém. Tenta saber um pouco de como é a rotina da pessoa e conhecer das necessidades antes de iniciar a massagem.

As ervas para compor a pinda são escolhidas na hora e dependem muito de cada indivíduo. O espaço que fica na Rua 7 de setembro, é um local simples, mas aconchegante com outras terapeutas complementares. Ao entrar na sala de massagem, a gente é recebido por um ambiente com iluminação reduzida, a musica é relaxante e massagem feita bem devagar.

A escolha das ervas é minuciosa e a paixão de Eva pelas plantas vem desde a infância. O pai trabalhava com terapia natural e sempre gostou muito de estudar o poder de cada planta. Eva trouxe isso para a massagem e a profissão de terapeuta complementar.

A massagem pode drenar, modelar e até aliviar dores, mas o principal intuito é relaxar. Deixar sair as sensações ruins e reequilibrar as energias do corpo. O trabalho é diferente para quem experimenta pela primeira vez, mas muito relaxante. Junto com as pindas, a terapeuta utiliza óleos com essências que somam ao aroma das ervas e ajudam a compor a massagem.

Durante os movimentos o sal vai se dissipando e a trouxinha ficando cada vez mais leve. "O sal ajuda a equilibrar as energias, ele ajuda na drenagem e tira a dor", explica.

A técnica que envolve cores, aromas e toque trabalha a massagem dos pés a cabeça. A aplicação da técnica, com duração de cerca de duas horas, custa R$100,00.

Eva faz as pindas na hora, conversando com o cliente decide que cor e aroma usar. (Foto: Marcus Ermínio)Eva faz as pindas na hora, conversando com o cliente decide que cor e aroma usar. (Foto: Marcus Ermínio)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.