A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

24/05/2016 06:15

Criança tem depressão sim, apesar da resistência dos adultos em aceitar

Naiane Mesquita
Crianças tendem a mudar o comportamento com o surgimento da doença Crianças tendem a mudar o comportamento com o surgimento da doença

“Ninguém acredita que criança tem depressão”, sentencia a neuropsicóloga Kelly Glay Sakehama, 43 anos. Quando os primeiros sintomas aparecem, como queda do rendimento escolar, irritabilidade constante e até a tão falada hiperatividade, os pais ou responsáveis tendem e pensar que o pequeno tem qualquer outro transtorno, menos, a doença dos “adultos”.

Veja Mais
Clínica realiza palestras para sanar dúvidas sobre infertilidade conjugal
Peregrinos não precisam ir tão longe, nosso "Caminho de Santiago" fica a 60km

“Normalmente no ambiente escolar vai ocorrer alguns relatos de dificuldade de atenção, memorização. É o caso da professora que nunca reclamou daquela criança, que é mediana, nem boa, nem péssima, mas que começa a ter um déficit significativo”, afirma Kelly.

Enquanto os adultos tendem a ficar chorosos, a criança caminha para o outro lado, apresentando quadros de irritabilidade. “A criança vai ter dificuldade de atenção, mudança de comportamento, o choro que parece birra. A mudança de comportamento é o mais importante. Se seu filho está mais lento, esquece de anotar a tarefa, pode indicar algo que precisa ser estudado por um profissional”, pontua.

O tema começou a ser analisado mais profundamente por psiquiatras e psicólogos a partir dos anos 90. Agora, a depressão infantil é o foco de cursos voltados para profissionais da área de saúde, como o oferecido pelo médico psquiatra Rodrigo Abdo, no Sapiens – Estudo de Pesquisas Psicossociais. “Eu estudo as patologias relacionadas a criança desde a época da residência médica, em específico o transtorno depressivo. No próprio meio científico até os anos 60 não se acreditava que existia a depressão infantil, dos anos 90 para cá que mudou”, ressalta.

Abdo diz que a depressão normalmente é confundida com o TDHA (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade). “A criança pode não ficar apenas triste, mas sim hiperativa, explosiva, irritada. A história clínica da criança deve ser analisada. Do ponto de vista da literatura, a doença pode aparecer na idada pré-escolar”, aponta.

Kelly atendeu durante anos, um garoto de apenas quatro anos que havia perdido a mãe com poucos dias de vida. O pai precisou trabalhar e ele foi criado a maior parte do tempo pela avó. Foi a madrasta que notou uma mudança no comportamento e procurou ajuda médica. “Foi um processo muito difícil para ele. Perdeu a mãe, ficou sem pai, mas com oito anos de idade ele saiu da depressão. É um menino lindo, maravilhoso. O apoio familiar é essencial para o desenvolvimento da criança na doença e para sair desse processo. Pode ser o melhor psicólogo, mas ele não vai ajudar sem o apoio da família”, ressalta.

Em outro caso que atende, a mãe tem um quadro de depressão, o filho já a viu durante um surto e ele não sabe lidar com essas situações. “A mãe é fantástica, mas ela também estava passando por um momento difícil. Os sinais podem aparecer também em crianças que fazem muito cocô nas calças, tem distúrbios do sono e geralmente quando a escola fala que ele não está bem. Na maioria dos casos, o ambiente favorece a evolução do quadro”, descreve.

Ambos os profissionais acreditam que não há tratamento completo sem a psicoterapia. “Não adianta só o medicamento, ele vai funcionar por um tempo, produzir serotonina, mas é necessário uma mudança comportamental. O filho que sempre escuta que não presta, que não dá para nada, parece com o seu pai, esse tipo de frase, terá dificuldades. É preciso mudar o ambiente externo, saber o que está acontecendo. Normalmente a criança é um radar, ela percebe quando o ambiente não está bom para o desenvolvimento dela”, frisa.

Informações sobre o curso de depressão infantil para profissionais de saúde pelo Facebook ou no telefone (67) 3327-0072. 




Seria uma pena se o descobridor da "doença" TDAH não tivesse desmentido isso em seu leito de morte né.

"Leon Eisenberg, O TDAH é uma Mentira" basta procurarem.
 
Suico em 24/05/2016 12:35:24
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.