A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

07/05/2015 06:34

Yoga não contempla todos os bolsos, mas existem alternativas em conta na cidade

Elverson Cardozo
Aulão de Yoga no Parque das Nações Indígenas. (Foto: Fernando Antunes)Aulão de Yoga no Parque das Nações Indígenas. (Foto: Fernando Antunes)

Em tempos de estresse e vida corrida, muito se fala sobre os benefícios do Yoga. A prática que promete, entre outras coisas, auto-educação, conhecimento e realização, além da disciplina da mente, dos sentidos e do próprio corpo, é cada vez mais difundida. Desperta, com certeza, o interesse de muita gente, mas acaba afastando outras pelo valor das aulas.

Veja Mais
Para fazer o mundo sorrir, grupo sai às ruas doando bons sentimentos
Clínica realiza palestras para sanar dúvidas sobre infertilidade conjugal

Em Campo Grande, iniciativas como Yoga no Parque das Nações Indígenas, que proporciona um aulão gratuito e aberto ao público, é uma forma bacana e louvável de difundir e popularizar o sistema. O único problema é que esse tipo de experiência ocorre uma vez a cada dois meses, porque depende da disponibilidade dos professores.

Até o mês passado, existia uma segunda alternativa, paga, mas bem em conta: o projeto “Yoga lá em casa”, comandado pelo professor Raphael Lugo Sanches. Todos os domingos, na varanda da própria residência, no Taveirópolis, ele reunia um grupo para os exercícios. Cobrava apenas R$ 15,00, mais R$ 5,00 (opcional) do café da manhã. Os encontros estavam indo bem, mas foram suspensos.

“Tivemos alguns impasses em dar continuidade ao projeto devido à inviabilidade de ocupar o espaço com atividades que caracterizem comércio, por se tratar de uma casa alugada tão somente para fins residenciais. Estamos procurando um novo local para continuarmos com a propagação do Yoga através dessas ações”, justificou Raphael, no Facebook.

A saída agora, para quem deseja mesmo praticar, é correr atrás dos espaços que trabalham com isso em Campo Grande. A dica é pesquisar bem, já que os valores são variados e as modalidades também. O Lado B levantou os preços de 4 estabelecimentos.

Cerca de 100 pessoas participaram da ação no Parque neste final de semana. (Foto: Fernando Antunes)Cerca de 100 pessoas participaram da ação no Parque neste final de semana. (Foto: Fernando Antunes)

O Shanti Yoga Studio, que fica no bairro Vila Gomes, trabalha com três modalidades. O Tantra Yoga, focado nas esferas física, psíquica e emocional, tem por meta, diz o texto de divulgação no site da empresa, “eliminar tudo aquilo que inibe a expressão do potencial ilimitado da mente humana”.

Essa pratica permite, anunciam, desenvolver a capacidade de controle das próprias ações, explorar ao máximo a força mental e, assim, aprimorar o ser para uma vida com mais felicidade, saúde e paz. São oferecidas duas aulas por semana, de 1h15 de duração cada, em grupo de no máximo 10 pessoas, por R$ 148,00 ao mês.

O Hhata Yoga tem o mesmo valor, duração e também é ofertado duas vezes por semana. O objetivo do método é o "despertar da energia potencial" através do esforço físico. A modalidade que, afirmam, surgiu na Índia entre os séculos IX e XVI, proporciona, dizem, “o fortalecimento físico, o despertar da consciência respiratória e a purificação do corpo através dos asanas (posturas), pranayamas (técnicas respiratórias) e satkarmas (exercícios de purificação)”.

A terceira é o Ashtanga Yoga, descrita como uma “prática sistematizada em uma sequência de posturas pré-determinadas”. O praticante se move seguindo o ritmo da própria respiração. “Isso promove força, flexibilidade e a consciência da respiração, ajudando […] a manter equanimidade e equilíbrio durante o dia-a-dia. Também estimula o sistema imunológico e expande o coração, promovendo uma sensação de bem-estar”, diz trecho do texto de divulgação. No Shanti Yoga a mensalidade para duas aulas na semana sai a R$ 172,00. O espaço oferece, ainda, Yoga para gestantes e, também, para crianças.

No bairro São Francisco, a proprietária do Yoga Mandiram, Angela Pereira Moreira Margno, oferece o Hatha Yoga, duas vezes por semana, em grupo de 5 ou 10 pessoas, ao custo de R$ 182,00 por mês. “É a base de todas as demais modalidades. A partir dele vieram as outras variações. É o tradicional mesmo”, explica.

Mas dá para pagar menos: R$ 89,00, em um pacote de três aulas que podem ser feitas no decorrer de um mês. É possível, inclusive, não desembolsar nada ou quase nada. Isso mesmo. Todas as quintas-feiras, ao meio dia, Angela oferece uma aula com contribuição espontânea, dentro do projeto “Yoga da Paz”. O participante pode deixar um valor ou, se preferir, doar algum alimento seco. A arrecadação, diz, é destinada a instituições de caridade. “É uma aula mais suave”, avisa.

Marise Santos, 56, professora do espaço Amrita, no bairro Giocondo Orsi, não oferece essa possibilidade, mas tem um sistema diferente, o Yoga Sivananda. São duas ou três aulas por semana, com mensalidade de R$ 185,00. “È uma metologia criada por um médico indiano chamado Sivananda. Ele foi considerado um homem santo na Índia. É autor de mais de 300 livros. Os principais sobre meditação são dele”, afirma, e explica o diferencial:

Yoga na Casa de Ensaio. (Foto: Divulgação)Yoga na Casa de Ensaio. (Foto: Divulgação)

“Nossas aulas envolvem exercícios de respiração. Temos a parte de cantos de mantras e focamos muito na gestão do relaxamento entre as posturas. A prática do Sivananda não chega a ser muito forte, mas também não é muito suave. Fica no intermediário”.

A verdade é que, na prática, todos tem a mesma origem. “Nós, ocidentais, somos extremamente criativos. Sempre que você olha na internet, tem uma modalidade de Yoga nova. Vão criando outras formas de apresentar a prática, mas todas surgem do clássico”, declara, ao comentar que a mudança está no nome e, principalmente, na metodologia aplicada. Todos, porém, oferecem benefícios que trabalham o equilíbrio do corpo e mente.

Se a intenção é começar pelo clássico, vale conhecer o método oferecido pela Casa de Ensaio, organização social sem fins lucrativos do bairro Amambai. A entidade, que atende 120 crianças em situação de vulnerabilidade social, cobra R$ 100,00 mensais por duas aulas na semana, às terças e as quintas-feiras, das 9h às 10h

A taxa de matrícula custa R$ 25,00 e é paga apenas no primeiro mês. Metade do valor da mensalidade é revertido para a instituição.

Serviço

Casa de Ensaio - Rua Visconde de Taunay, 203, esquina com a Avenida Afonso Pena - Bairro Amambai. Contato: (67) 3384-4843.
Shanti Yoga Studio - Rua Sergipe,1393 - Vila Gomes. Contato: (67) 3027-5904/ 8190-0285/ 9157-1595/ 9937-5904
Yoga Mandiram - Rua Amazonas, 612 - Bairro São Francisco. Contato: (67) 9297-1108
Amrita - Rua Clúadia, 310 – Bairro Giocondo Orsi. Contato: (67) 3351-8151.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.