A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

13/09/2015 08:46

Com grafite na estampa, marca lança coleção nova para quem curte arte de rua

Naiane Mesquita
Brunno de Paula resolveu passar para as camisetas o grafite que fazia há 13 anos (Foto: Marcos Ermínio)Brunno de Paula resolveu passar para as camisetas o grafite que fazia há 13 anos (Foto: Marcos Ermínio)

As camisetas se tornaram uma extensão da arte para o campo-grandense Brunno de Paula. Com 26 anos, 13 deles dedicados ao grafite, o artista resolveu investir na serigrafia ao lançar a marca V.Log.

Veja Mais
Canal masculino de moda tem tradução em libras para democratizar acesso
Tem gosto pra tudo...Agora, até para combinar gravata de madeira com camisa

Os produtos que vestem tanto homens quanto mulheres são simples, mas cheios de um estilo mais urbano e próximo da cultura de rua.

No sábado, Brunno realizou uma festa de lançamento de novas camisetas da marca, que ainda não tem nem um ano de história. “Graças a Deus está indo super bem, tem uma aceitação boa. Pela minha caminhada no grafite eu fico até emocionado porque Campo Grande é uma cidade muito atrasada e poder mostrar que existe uma cena aqui, no Pantanal é ótimo”, afirma.

Moletom tem preço fixo de R$ 150 (Foto: Muriel Xavier)Moletom tem preço fixo de R$ 150 (Foto: Muriel Xavier)

O frio e a chuva que caiu na cidade no sábado atrapalhou um pouco o evento, mas Brunno acredita que é uma vitória poder reunir quem gosta e incentiva a arte de rua.

“Fiquei muito tempo trabalhando com grafite e agora eu tive a oportunidade de trabalhar com serigrafia. Pessoal que vem aqui tem uma base cultural ótima, tem um cara de São Paulo que particiou do CQC, que tem uma visão mais acadêmica da pixação. A marca é uma proposta nova no mercado e essa proposta de forma alguma se aproxima do vandalismo”, explica.

O cara de São Paulo é o documentarista e artista Cripta Djavan, 31 anos. De passagem por Campo Grande, ele diz que o propósito é criar uma cena nacional da arte. “Nós conseguimos nos articular em rede nacional, unindo os trabalhos de pixação mesmo, não grafite. Apresenta o piche como arte, que é até mais conceitual que o grafite, considerada uma arte contemporânea”, explica. Para ele, a pixação se difere do grafite ao não ter incorporado a forma. “É só a escrita mesmo”, pontua.

As camisetas são entregues para todo o Brasil e tem um preço fixo de R$ 60,00, enquanto o moletom custa R$ 150,00. Informações pelo telefone (67) 8207-7756 ou no perfil da marca no Facebook.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.