A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

23/01/2013 07:30

Mosquito da dengue vira monstrinho moderno quando crianças aprendem com arte

Elverson Cardozo
Artista mostra mosquito transmissor da dengue na tela do computador. (Foto: Luciano Muta)Artista mostra mosquito transmissor da dengue na tela do computador. (Foto: Luciano Muta)

Procurando a melhor maneira de chamar a atenção dos pequenos, de olho no registro fotográfico e empenhada em provar que as crianças aprendem, sim, as lições que vem em forma de arte, Ana Ruas não teve dúvidas. Deu alguns passos pelo ateliê, parou ao lado da mesa repleta de “tarecos”, pegou um carrinho e perguntou, em alto e bom som: “O que acontece se a gente deixar esse brinquedo do lado de fora da casa?”

Veja Mais
Parque das Nações terá Jota Quest de graça, além de Curimba e Bella Xu
Morre ator e comediante Guilherme Karan aos 58 anos

- Pode acumular água, respondeu, sem pestanejar, um dos garotos que havia se juntado à roda.

Satisfeita, ela continuou. Manteve a ênfase e não perdeu o tom. Desta vez, segurava um pequeno vaso de planta, daqueles que a gente coloca em cima da mesa.

- E se eu colocar água nas folhas da planta?

No auge dos seus 7 anos, Maria Fernanda arriscou: “Acumula água”. Estava certa.

A artista, enfática, sorrindo como que satisfeita pela resposta e pelo resultado do esforço, continuou. Deixou a plantinha de lado, escolheu uma lata fechada de tinta azul - a mesma cor que parece dominar o ambiente - e proferiu a nova sentença, apontando para a parte superior do objeto.

- Está seguro por mais que esteja tampada?

Valentina diz, sem medo de errar, que o mosquito da dengue chupa o sangue da gente. (Foto: Luciano Muta)Valentina diz, sem medo de errar, que o mosquito da dengue "chupa o sangue da gente". (Foto: Luciano Muta)

- Não, porque pode acumular água aí em cima, explicou Mariana Silva Vanderlei, também de 7 anos.

A turminha se deu por satisfeita. A artista não. Ana caminhou para o computador instalado ao lado da mesa, abriu um vídeo em macro que mostrava em detalhes um “monstrinho” não muito simpático, e indagou:

- O que este mosquitinho faz?

- Chupa o sangue da gente.

Exagerou, sem medo de errar, a pequena Valentina, de 6 anos.

- Nossa! O “cabinho” dele começa a ficar cheio de sangue.

Disse, visivelmente impressionado, Pedro Esteves Gonçalves, de 8 anos.

Ateliê recebeu objetos e ilustrações para facilitar o entendimento das crianças. (Foto: Luciano Muta)Ateliê recebeu objetos e ilustrações para facilitar o entendimento das crianças. (Foto: Luciano Muta)

A exibição chega ao fim, mas o menino continua a explicação à reportagem: “Ele pica e deixa um vermelhinho que faz mal e dá dengue. Se picar duas vezes é a hemorrágica”.

A discussão, com tanta perturbação do repórter, se prolonga e chega à sala ao lado. Gustavo Ruas Brandi, de 9 anos, filho de artista, se junta ao time e enfatiza:

- Só sei que o mosquito da dengue traz a dengue. É por isso que se chama mosquito da dengue.

- Não. Ele chama Aedes Aegypti, corrigiu Pedro.

Termina conversa.

Oficina – Durante dois dias consecutivos, o ateliê Ana Ruas, localizado no bairro Taymã Park, em Campo Grande, recebeu cerca de 20 crianças, com idades de 5 a 10 anos, para a oficina “Educando o olhar”. O tema, desta vez, foram os insetos.

Como a cidade vive uma epidemia de dengue, a artista plástica, que dá nome ao ateliê, resolveu inserir o mosquito transmissor na lista de insetos a serem desenhados e pintados pelas crianças.

Martina Cestari e o desenho do Aedes Aegypti. (Foto: Luciano Muta)Martina Cestari e o desenho do Aedes Aegypti. (Foto: Luciano Muta)
Pedro, de 8 anos, está impressionado com a ação do mosquito. (Foto: Luciano Muta)Pedro, de 8 anos, está impressionado com a ação do mosquito. (Foto: Luciano Muta)

O espaço recebeu livros de biologia ilustrados, revistas especializadas e até larvas do Aedes Aegypti. Tudo para a criançada e brincar e aprender.

No grupo das mais novinhas, Martina Cestari, de 5 anos, exibia com orgulho o cartaz que havia feito. Explicou onde estavam as patinhas no desenho quase incompreensível, que ela segurava de cabeça para baixo.

Da doença, a menina não sabe muita coisa, é verdade, mas já aprendeu que o mosquito transmissor não é tão simpático como imaginava. “Achei que era um passarinho”, revelou.

Fotógrafa, Lilian Mara Barbosa Barros, de 32 anos, chegou ao final para registrar o desempenho da filha, Sara Barbosa Barros, de 6 anos, uma das que desenhou um mosquito gigante, no principal painel do ateliê.

Questionada sobre a ação do “inimigo” que acabara de desenhar, ela respondeu: “Se ele me picar eu vou ficar doente. Só isso que eu sei”. Para a idade, é mais do que o necessário. É, talvez, o suficiente.




Obrigada à toda a equipe do Campo Grande News!
 
Ana Ruas em 23/01/2013 10:22:23
Eles sabem que existe um mosquito perigoso bem perto da gente! Fomos notícia no Jornal Nacional pela falta de conciência de gente grande! As crianças são notícia por entenderem que existem um minúculo mosquito monstrengo que pode nos picar e que por isso, ficamos DOENTES . Sabem também o que devemos fazer para que ele não entre na nossa casa!! Crianças não precisam saber mais do que isso! Quem precisa saber da dor, da morte, dos danos,dos detalhes, somos nós, adultos! Será que o mosquito só aparece no bairro vizinho!!!Tem tela de proteção de um bairro para o outro? Amanheci catando lixo na rua do meu Bairro que praticamente não tem notificações do mosquito!!!Basta um adulto fazer a coisa errada, jogar uma lata na rua, para a água ficar parada por lá!! DENUNCIE!!!
 
Ana Ruas em 23/01/2013 10:21:08
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.