A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

06/03/2015 06:12

"Ossada" fica famosa e prato criado por clientes agora é nome de restaurante

Aline Araújo
Ossada, com arroz e mandioca. (Fotos: Alcides Neto)Ossada, com arroz e mandioca. (Fotos: Alcides Neto)

A sobaria é escondidinha, fica na rua Duarte Pacheco, na Vila Sobrinho. Com uma cerca viva em volta, a varanda passava despercebida, não fossem as mesas e o movimento. Sem letreiro na fachada, o nome oficial é Tomodatichi, mas os fregueses conhecem mesmo como “Ossada”.

Veja Mais
Ex-gerente de fast food vende Nakedtone, além de pizza que é jantar e sobremesa
Com ingrediente mais importante, chef reúne alunos com down para ensinar ceviche

O ambiente é tranquilo: uma varanda rústica com pilares de madeira, mas muito agradável. A sobaria é o patrimônio de uma família japonesa, os Oshiro. Cresceu um pouco, mas continuou com o clima familiar e colecionando clientes que a acompanham desde o dia da inauguração, quando o lugar só tinha dez mesas.

Ossada fica famosa e prato criado por clientes agora é nome de restaurante

Por conta de um prato que começou na base da brincadeira, e virou parte do cardápio, o restaurante ficou famoso na região. A “Ossada” atraiu até o senador Ramez Tebet, já falecido, e o ator Ney Latorraca, em uma das vindas a Campo Grande, contam os donos e as fotografias.

Os ossos usados para fazer o caldo do sobá sempre acabavam no lixo depois de cozidos. Até que um dia isso mudou graças a alguns estudantes, que jogavam bola com Glauber Oshiro, filho dos donos, na época com 18 anos. Tudo começou quando os garotos perguntaram para o dono, Antônio Oshiro: “Tio, se a gente pagar a mandioca, o senhor não doa esses ossos para a gente?”.

Sem entender muito, a resposta foi positiva. Na época, a família nem imaginava o sucesso que o “prato” de ossos iria fazer.

No começo, era exclusividade da turma do futebol. Mas com o tempo os outros clientes foram vendo e querendo. Antes, era servido como uma cortesia da casa, mas os pedidos aumentaram e ele entrou no cardápio.

O prato tem ossos do pescoço da vaca, carne com pouca gordura e bem temperada. Acompanha mandioca cozida e vinagrete. Tem dia que dá até briga, contam os donos, por acabar cedo, já que o restaurante utiliza apenas os ossos do caldo do sobá. Acabou? Não tem choro, só no outro dia.

Yakisoba é outro prato muito pedido na casa.Yakisoba é outro prato muito pedido na casa.

Preço - A porção grande, que serve até três pessoas, custa R$ 22,00 e a pequena, custa R$ 17,00. O prato, que até onde o Lado B tem conhecimento não é servido em nenhum outro lugar da cidade, ganhou fama e deu visibilidade para a sobaria de bairro.

Elina Oshiro de 60 anos e Neide Shimabocuro são as responsáveis pela cozinha, desde que o restaurante abriu, há 25 anos.

A honestidade com o cliente é outro ponto que faz da casa um lugar respeitado. “A primeira vez que eu vim aqui, foi com uma amiga e a gente nunca tinha comido Yakisoba, nós pedimos dois. Eles explicaram que era grande e um dava para nós duas. Só depois chamei o meu marido para vir. A gente nunca deixou de frequentar, as crianças vêm desde pequenas”, relata Gilzeli Motti, de 47 anos, cliente a mais de 24 anos.

A sobaria faz parte da memória afetiva de Denise Higa, de 32 anos. Ela era vizinha, e tinha seis anos quando ia direto do balé para o restaurante. “Eu sempre venho, desde criança, fui uma das primeiras cliente e sempre que posso trago um amigo para conhecer”, comenta a policial militar.




otima materia, sempre vou la e levo meus parentes quando chegam a capital, so nao gostei da publicação no site, pois agora vai encher mais do que ja é , e as vezes pode perder a qualidade que sempre teve. Fora isso sucesso aos donos , e que nunca percam a qualidade que tem.
 
Gustavo em 06/03/2015 11:19:04
O prato é servido também na sobaria do Tamashiro, na esquina da Av.das Bandeiras com Rua Tatuí, no Jardim América, próximo à via Morena. Lá o prato recebe o nome de puxeiro e assim como no restaurante citado na matéria acontece o mesmo, acabou acabou sem choro nem vela só no outro dia.
 
Luciano em 06/03/2015 08:21:35
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.