A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

08/09/2015 06:34

Longe do Centro, casas que investem na culinária árabe tem almoço e jantar

Lucas Arruda
Cantinho charmoso no Jardim dos Estados tem esfirras e almoço aos sábados (Foto: Gerson Walber)Cantinho charmoso no Jardim dos Estados tem esfirras e almoço aos sábados (Foto: Gerson Walber)

Esfirras, quibe cru, pão sírio, arroz marroquino e outros pratos da cozinha árabe são sabor de Campo Grande. Mas o que antes era concentrado no Centro da cidade, agora se espalha pelos bairros.

Veja Mais
Batata de frigideira recheada é carro-chefe de truck que percorre feiras
Ex-gerente de fast food vende Nakedtone, além de pizza que é jantar e sobremesa

Um dos pontos tradicionais que resolveu esticar os braços agora está também no Jardim dos Estados. A Bibi Esfihas, aberta há três meses surgiu da Confeitaria Árabe. Lá no Tiradentes, a Albariah é novidade, foi aberta em 2013, por um empresários de sangue italiano. O bacana é que há opções também de almoço e jantar.

 

Bibiane agora é dona de novo restaurante da família (Foto: Gerson Walber)Bibiane agora é dona de novo restaurante da família (Foto: Gerson Walber)

Filha dos libaneses, donos da Confeitaria Árabe, Bibiane Ibrahim viu a oportunidade de abrir um novo negócio quando a mãe saiu da casa em que morava no Jardim dos Estados e começou a alugar algumas salas.

Em maio, ela inaugurou a Bibi Esfihas, que agora trabalha com um diferencial em relação à Confeitaria: a esfirra com a farinha integral, que custa R$ 5. O sucesso vem, principalmente, entre quem não quer engordar. “Muitas nutricionistas vem aqui comprar para incluir na dieta das clientes, mas todo mundo que experimenta gosta”, garante. As esfirras com farinha branca custam R$ 1,50, também valor que é chamariz entre outras lanchonetes e padaria da região da Rua Euclides da Cunha.

No cardápio, também não faltam as pastas e doces tradicionais árabes.

O nome do lugar é o apelido da proprietária, que deveria se chamar Viviane. “Minha mãe colocou meu nome de Viviane quando nasci, mas meu pai tinha um sotaque muito forte e na hora de me registrar ele pronunciou Bibiane. Eu adoro, acho muito mais carinhoso. Eu também chamo todo mundo de bebê, aí decidi colocar esse nome logo, que remete aos dois”, conta.

Do preparo dos pratos, ela faz questão de participar, já que a paixão pela culinária árabe nasceu quando ela ainda era criança. “Quando criança minha diversão era brincar de cozinha. Com oito anos já sabia fazer o café sírio, que minha mãe ensinou”, recorda. Agora o que ela mais gosta de fazer na esfirraria é o quibe cru.

Apesar de pouco tempo com o estabelecimento, o sucesso já ultrapassou o Jardim dos Estados. Como faz entrega quase todo dia, uma fornada com pelo menos 50 esfirras sai para trabalhadores de uma empresa próxima ao Aeroporto Internacional. “Quem vem do Parque dos Poderes também para por aqui direto”, comemora.

No Albariah, o sanduíche Da Casa é o carro chefe (Foto: Fernando Antunes)No Albariah, o sanduíche Da Casa é o carro chefe (Foto: Fernando Antunes)
Fábio é descendente de italianos, mas prefere a culinária árabe por ser mais saudável (Foto: Fernando Antunes)Fábio é descendente de italianos, mas prefere a culinária árabe por ser mais saudável (Foto: Fernando Antunes)

Lá no Tiradentes o carro chefe da Albariah Cozinha Árabe é o sanduíche Da Casa, que custa R$ 18,00. Criado pelo proprietário, Fábio Verde Selva, é feito com pão folha, tomate, mussarela, labne (coalhada seca), orégano e rosbife de filé mignon.

Além das esfirras e quibes, a casa tem várias opções. O Mini Chamburas é pastel árabe assado recheado com carne moída. A Torre de Kibe Cru é como uma torta com salada, carne moída e coalhada.

Também estão à venda opções de esfirras doces, de goiabada, brigadeiro, beijinho ou doce de leite.

Apesar de ser descendente de italianos, ele prefere a culinária árabe por ser mais saudável e pela variedade. “A culinária italiana se resume a massas e brusqueta”, explica.

Fábio decidiu abrir o estabelecimento depois de ir a São Paulo e ver inúmeros restaurantes árabes fazendo sucesso por lá. O bairro foi escolhido por ser o local onde mora há muito tempo.

“Vi a oportunidade quando colocaram pra alugar aqui, a rua é bem movimentada e quase todo mundo que mora na região passa por aqui”, comenta.

Os dois lugares apostam nas refeições para conseguirem ainda mais clientes. No Bibi, o almoço árabe é servido somente aos sábados, com arroz marroquino, salada típica, entre outros pratos árabes, como o charuto de uva com costelinha bovina e alho. “Tem gente que leva até marmita para casa”, afirma Bibiane. O quilo sai por R$ 49,90.

No Albariah, o jantar é servido diariamente e no sábado eles também abrem para almoço. O prato é à la carte e o valor depende do pedido, mas varia de R$ 12,00 a R$ 20,00. Há algumas opções bem leves, como a salada Fatouche, com alface, salsinha, cebolinha, pepino, tomate, agrião, hortelã, cebola e torradas de pão sírio.

A Bibi Esfihas fica na rua Manoel Inácio de Souza, 534, Jardim dos Estados. Informações pelo telefone 3014-0999.

A Albariah Cozinha Árabe funciona na rua Marquês de Lavradio, 294, Tiradentes. Informações pelo telefone 3341-3530.

No almoço da Bibi Esfihas, tem charuto de uva com costelinha bovina e alho.No almoço da Bibi Esfihas, tem charuto de uva com costelinha bovina e alho.
O beirute de rosbife do Albariah,O beirute de rosbife do Albariah,



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.