A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

25/04/2016 07:10

No Monte Líbano, "A Casa do Luis" virou café bar charmoso e com opções veganas

Adriano Fernandes
Na Casa do Luis, o cardápio tem variedade de opções veganas, também tem opções sem glúten e com zero lactose. (Foto: Marcos Ermínio) Na "Casa do Luis", o cardápio tem variedade de opções veganas, também tem opções sem glúten e com zero lactose. (Foto: Marcos Ermínio)

Com um cardápio de lanches que tem desde a coxinha de carne de soja ao pastel de shitake, um café bar simpático no Jardim Monte Líbano é a nova alternativa para quem é vegano ou não come glúten.

Veja Mais
Mistura de peruana com oriental, tendência para 2017 é cozinha que une 2 países
Cremosa e saborosa: aprenda a fazer Tilápia à moda da casa

Seu Luis e a família administram o endereço que antes era só um imóvel residencial. (Foto: Marcos Ermínio) Seu Luis e a família administram o endereço que antes era só um imóvel residencial. (Foto: Marcos Ermínio)

Com um nome mais que direto “A Casa do Luis” virou lanchonete de alguns dos pratos mais populares por aqui, mas em versões sem nada de origem animal.

Além dos salgados e lanches, o lugar tem também saladas, sucos e café coado direto nas mesas, hoje colocadas onde antes eram as varandas da casa do senhor Luis Paulo Melo Borine, de 58 anos.

O negócio é recente, foi inaugurado na última quarta-feira, dia 20. Mas a experiência no trabalho com restaurantes ele já tem por mais de 30 anos.

“Eu e meu irmão eramos sócios nos dois restaurantes Paulão em Campo Grande. Depois do fechamento de um deles e de trabalharmos juntos por mais dois anos, eu decidi que estava na hora de voltar a abrir um negócio próprio”, justifica.

A nova incentivadora e que embarcou com o empresário na empreitada foi uma a filha, a gastrônoma Thadata Borine, de 27 anos. Mas na prática, o negócio virou uma empresa familiar. Trabalham juntos, além de Luis, a atual esposa e mais duas filhas.

 

Delicadeza a cada detalhe. (Foto: Marcos Ermínio) Delicadeza a cada detalhe. (Foto: Marcos Ermínio)
A fonte tem até carpas e fica entre as mesas da varanda. (Foto: Marcos Ermínio) A fonte tem até carpas e fica entre as mesas da varanda. (Foto: Marcos Ermínio)

A ideia de continuar investindo no ramo de alimentação, mas agora na linha alternativa, eles chegaram a um consenso juntos. Luiz é vegetariano e a filha também não come nenhum alimento de origem animal.

“E como em Campo Grande a gente sabe que são poucas as opções de lugares que oferecem cardápios nesse padrão, decidimos investir no negócio. Nós mesmos já sentíamos essa dificuldade e como também temos experiência em cozinha, decidimos investir nesse tipo de alimentação”, comenta.

Entre os meses de outubro e dezembro, eles até tentaram encontrar outros pontos na cidade para inaugurar o café. Até chegarem a conclusão de que a própria casa da família poderia virar um comércio.

A reforma que teve inicio em janeiro só ficou pronta nas últimas semanas e teve uma atenção toda especial com a acessibilidade.

Nos fundos foi construída uma rampa de acesso para facilitar a locomoção dos cadeirantes. (Foto: Marcos Ermínio) Nos fundos foi construída uma rampa de acesso para facilitar a locomoção dos cadeirantes. (Foto: Marcos Ermínio)
No ambiente da Sala Retrô o cliente pode escolher o vinil que quiser ouvir. (Foto: Marcos Ermínio) No ambiente da Sala Retrô o cliente pode escolher o vinil que quiser ouvir. (Foto: Marcos Ermínio)

“Fizemos todo o trabalho de nivelamento das calçadas e banheiros, construímos uma rampa nos fundos. Porque eu, por exemplo, tenho muitos amigos cadeirantes, então minha grande preocupação também era na satisfação desse público”, conta.

A cozinha da residência também ganhou ares de estabelecimento de padrão industrial. “A cozinha, foi toda reestruturada e dividida em espaços para o preparo das comidas veganas, os ingredientes sem glúten e os tradicionais”, comenta.

A Casa do Luís ainda tem uma “sala retrô” que é um ambiente onde o cliente, se quiser, pode esperar o lanche lendo um livro ou ouvindo um vinil, dentre as centenas de discos disponíveis ali.

A decoração é rústica, mas caprichada, e chama a atenção pelo ar intimista. Há desde as canecas como vasinhos de planta até uma fonte em um dos espaços, e que tem até carpas.

O cardápio do local tem ao todo 42 opções dentre salgados, mini pizzas, wraps, sanduíches e porções.

Sanduíche rúcula bacon. (Foto: Divulgação)  Sanduíche rúcula bacon. (Foto: Divulgação)
Coxinha vegana com carne de soja. (Foto: Divulgação) Coxinha vegana com carne de soja. (Foto: Divulgação)
Pastel Primavera tem de recheio repolho e cenoura agridoce. (Foto: Divulgação) Pastel Primavera tem de recheio repolho e cenoura agridoce. (Foto: Divulgação)

Todas as massas utilizadas nos pratos é de origem vegana e o que muda são os recheios. O cliente pode escolher entre os sem glúten ou os tradicionais.

O carro-chefe são os pasteis em 12 variedades de recheios e tem alguns com carne. Além dos veganos, o local tem inovações bem legais. Um dos recheios tem maminha, com molho pesto e outro é de carne de panela desfiada com alho. O Pantaneiro tem recheio de linguiça com queijo mussarela.

Entre as opções com ingredientes que não são de origem animal, tem os de proteína de soja, o de tofu e o Primavera, com repolho e cenoura agridoce. Os valores variam de R$ 6,00 até R$ 10,00.

A garagem da casa do Luis virou lounge do café. (Foto: Divulgação) A garagem da casa do Luis virou lounge do café. (Foto: Divulgação)

São oito as opções de sanduíches e os preços vão de R$ 15,00 até R$ 20,00. Entre os wraps os valores vão de R$ 13,00 até R$ 17,00.

Os destaques são o com recheio de tofu, geleia de pimenta, gengibre, tomate e alface. Ou o "Veggie" que tem rúcula, alface, cenoura ralada, tomate, castanha de caju, creme de alho e batata palha.

O local também serve coxinhas veganas de R$ 3,00 e R$ 6,00 e tem 13 opções de mini pizzas, de R$ 16,00 até R$ 24,00.

Há também duas opções de saladas e os molhinhos caseiros veganos e sem glúten, que dão um toque especial para cada pedido.

O tailandês, por exemplo, é feito de amendoim, levemente apimentado, e tem também a geleia de pimenta agridoce. Tem o barbecue, o de alho e o pesto que é uma mistura de manjericão, castanhas e azeite. Tudo para substituir a boa e velha, mas nada diet mistura, maionese-catchup.

Com funcionamento a partir das 15h de segunda-feira até sábado, “A Casa do Luis” também pode ser ponto de encontro para happy hour. Além do cafézinho que é coado direto na mesa do cliente, lá ainda tem sucos, bebidas e porções, desde a batata frita até cebola em conserva.

“A Casa do Luis” fica aberta até as 23h e o estabelecimento aceita cartões, com exceção dos que sejam da bandeira Elo. O local fica na Rua Gonçalves Dias, 383 no Jardim Monte Líbano.

Curta a página do Lado B no Facebook.

O local foi inaugurado na última quarta-feira, véspera de feriado. (Foto: Divulgação) O local foi inaugurado na última quarta-feira, véspera de feriado. (Foto: Divulgação)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.