A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

21/08/2015 06:23

Restaurante só para 8 pessoas aposta em livro e poesia para alegrar marmita

Paula Maciulevicius
Poesia vem grudadinha no marmitex. Esta era de Cora Coralina. (Foto: Marcos Ermínio)Poesia vem grudadinha no marmitex. Esta era de Cora Coralina. (Foto: Marcos Ermínio)

São duas mesinhas de madeira e um total de oito cadeiras, nas quais revezam os clientes na hora do almoço. Aberto há pouco mais de um mês, no bairro Jardim Paulista, em Campo Grande, o pequeno restaurante não tem decoração sofisticada, mas consegue imprimir na simplicidade de uma A4 colorida o desejo da dona: de transmitir o gosto que tem pela leitura por aí. 

Veja Mais
Batata de frigideira recheada é carro-chefe de truck que percorre feiras
Ex-gerente de fast food vende Nakedtone, além de pizza que é jantar e sobremesa

"O pessoal às vezes está estressado, cansado, acho que uma poesia pode melhorar a vida e eu gosto de ler", acredita a micro-empresária Keila Regina de Miranda, de 49 anos. Ela que sempre foi da parte administrativa das empresas agora investiu na cozinha e junto das panelas, consegue pesquisar frases para deixá-las a mão de quem visitar o restaurante ou então imprimi-las e enviar junto da comida. 

Empresária prega em cada marmitex uma folhinha com poesia. (Foto: Vanessa Tamires)Empresária prega em cada marmitex uma folhinha com poesia. (Foto: Vanessa Tamires)

No pequeno restaurante, chamado Pitada Gourmet, a demanda maior mesmo é pela entrega. O marmitex varia entre R$ 10 e R$ 12,00, dependendo da quantidade e o cardápio é variado.

Nessa quarta-feira, por exemplo, era frango xadrez, bife acebolado e batata rústica, além da salada. Em laranja, o cartãozinho grudado na embalagem trazia Cora Coralina.

"Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar, porque descobri no caminho incerto da vida que o mais importante é o decidir."

O efeito, para quem recebe, segundo a dona, pode ser variado. Entre gratidão e surpresa, até quem joga fora sem nem perceber. "Alguns nem olham, outros elogiam e até agradecem" e é no WhatsApp que Keila vai procurar o recado de uma das clientes: "Me identifiquei muito com essa frase".

O conteúdo, atribuído a Pablo Picasso, trazia o seguinte trecho: "O que já fiz não me interessa. Só penso no que ainda não fiz".

Parte dos livros que Keila trouxe de casa para osw clientes. (Foto: Vanessa Tamires)Parte dos livros que Keila trouxe de casa para osw clientes. (Foto: Vanessa Tamires)
Poesia anda até na carteira de cliente. (Foto: Arquivo Pessoal)Poesia anda até na carteira de cliente. (Foto: Arquivo Pessoal)

Keila argumenta também que por estar em frente à uma escola, pensou que a leitura pudesse se tornar atrativo. "É um diferencial e posso estimular as pessoas a lerem. O que eu gasto com isso? É simples, só a impressão", diz.

Se a escolha for por comer ali, o prato feito vem à mesa e logo ao lado, duas poltronas brancas convidam quem quiser folhear algumas das obras.

Tem Manoel de Barros, Clarice Lispector, Nelson Rodrigues, Paulo Leminski, Carlos Drummond de Andrade e a série "Eu me chamo Antônio".

O restaurante abre de segunda a sexta, das 10h às 18h. O almoço vai até 14h e quando a tarde chega é a vez de entrarem em cena os pães caseiros e o bolo de pote. O restaurante fica na Rua Herbert Moses, 15.

*Esta reportagem foi sugerida pelo jornalista André Maganha, que inclusive anda com uma poesia da marmita de Keila na carteira. Sugira pautas você também e curta a gente no Facebook: Lado B.

Poltrona é convite para quem quiser sentar e ler. (Foto: Vanessa Tamires)Poltrona é convite para quem quiser sentar e ler. (Foto: Vanessa Tamires)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.