A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

12/05/2013 08:45

Um dia, a sala de parto se transformou no melhor lugar do mundo

Paula Maciulevicius
Sem nem saber que faria deste, o melhor Dia das Mães de Jaqueline, João Lucas se adiantou em torná-la mãe. (Foto: João Garrigó)Sem nem saber que faria deste, o melhor Dia das Mães de Jaqueline, João Lucas se adiantou em torná-la mãe. (Foto: João Garrigó)

“Eu não sei te explicar, não tem como dizer. Você olha o rosto do seu filho, é seu. Antes era só uma imagem até sair de você”. É entre lágrimas que a mãe Jaqueline das Neves da Silva, 23 anos tenta, em vão, por em palavras a maior e melhor sensação que já viveu. A de entrar paciente e sair mãe. A de estar no melhor lugar do mundo: na sala de parto.

Veja Mais
Parque das Nações terá Jota Quest de graça, além de Curimba e Bella Xu
Morre ator e comediante Guilherme Karan aos 58 anos

João Lucas veio como presente para este domingo. Era para ter nascido dia 23, mas se adiantou. Sem nem saber que faria deste o melhor Dia das Mães da vida de Jaqueline. “Eu estava nervosa, com muito medo, ansiosa e feliz. Tudo ao mesmo tempo”. O antes da entrada foi assim, o depois, ao ouvir o primeiro choro da criança, ela não se conteve. “Eu não pensei em nada. Não consegui pensar em nada, eu só chorava. É uma coisa que só Deus mesmo para botar na gente”.

Ser mãe ou virar mãe envolve etapas. Começa com um atraso, a confirmação de um exame, o crescimento da barriga, sentir mexer, ver na ultrassom até o aviso das contrações, de que a sua vida nunca mais será a mesma.

No hospital, entre a mala com as primeiras roupinhas e os últimos exames médicos, as falas das avós, tias, do próprio pai da criança parecem ficar longe e o corredor que leva do quarto até o centro cirúrgico, se torna enorme. É o último andar de passos como uma pessoa, para que ao primeiro choro ela se torne outra.

Os minutos antes de ter a vida mudada para sempre ao ouvir o choro do bebê são vividos em frente ao centro cirúrgico. Os minutos antes de ter a vida mudada para sempre ao ouvir o choro do bebê são vividos em frente ao centro cirúrgico.

“Eu me vi mãe quando comecei a perceber que a barriga crescia e ele começou a mexer. Mas a gente imagina muito e chega na hora é tudo diferente. É tudo mais”, comenta Jaqueline. A versão ‘plus’ que a realidade de ser mãe apresenta não tem palavra que define. Ser mãe é mesmo o melhor papel do mundo.

“A responsabilidade é muito grande e a gente não nasce sabendo, vai aprendendo no dia-a-dia. Hoje eu só sei que a gente se sente muito dependente dele”, diz Jaqueline.

Os olhos brilham de falar dele. De tocar nele. De rir com ele. Entre tudo o que gente assimila na rotina, não tem melhor imagem do que a de uma mãe nos braços de um filho e um bebê no colo de uma mãe.

E pode acontecer uma, duas, três e por aí vai para quem tem coragem, que a sensação será diferente em todas elas. Será única. Eterna. Pode já ter cruzado a sala de parto uma vez, mas a experiência não acalma.

Tudo de novo. A emoção é mais forte quanto à primeira cesariana para quem é mãe pela segunda vez. Tudo de novo. A emoção é mais forte quanto à primeira cesariana para quem é mãe pela segunda vez.

“É a mesma coisa. Tudo parece que é novo de novo”. A explicação é da assistente administrativa, Dayane Dutra Primo Meiato, 28 anos. Ela falava com naturalidade há poucos minutos antes de entrar para ganhar Geovanna, a segunda menina. Mas os olhos não mentiam. As mãos também não. Os exames médicos que ela levou para o centro cirúrgico tremiam acompanhando o ritmo do nervoso que as mãos expressavam.

“Hoje eu estou mais tranquila. Mas fiquei nervosa pela pressão alta”, disse. A última noite antes de ter a Geovanna só foi dormida a base de remédios, tamanha ansiedade que Dayane vivia.

“Emoção. É isso que a gente sente. Querendo ou não é outra vida que vem e ainda mais saindo da gente. A primeira coisa que eu quero fazer é beijar ela, eu sofri tanto, que eu quero beijar. Estou doida pra ver o rosto”. Pela ultrassonografia, Geovanna é buchechudinha e na imaginação da família, se assemelha à irmã Isabella.

Os minutos que definem uma mulher de uma mãe são passados ali, em frente à porta branca do centro cirúrgico. Ali que quem está a um corte de ser mãe ouve da enfermeira “vai com Deus que eu já volto pra te buscar”. Dali por diante, a sinfonia que toca o coração para sempre vem do choro do recém chegado.

O presente de Jaqueline chegou pesando 3,4 quilos e medindo 48 cm, o da Dayane, 3,5 kg e 49,5 cm. Surpresa, ou planejado, elas viveram no final de semana da sua data especial, a chegada do bebê e de uma nova mãe. Do primeiro choro, dos olhos se abrindo e das mãozinhas se mexendo, elas viveram o que é ser mãe.




SÓ SENDO MÃE PRA SABER COMO É A EMOÇÃO DE TER UM FILHO, A GENTE ENTRA P/ O CENTRO CIRURGICO DESESPERADA PRA PEGAR E DIZER É MEU FILHO, A DOR NO PARTO NORMAL COMO NO MEU CASO FOI IMSUPORTÁVEL, ME COLOCARAM ATE NO BALÃO DE OXIGÊNIO POR ALGUMAS COMPLICAÇÕES Q TIVE, MAS GRAÇAS A DEUS DEU TUDO CERTO, HOJE MEU FILHO TEM 6 ANOS, E PASSARIA POR TUDO NOVAMENTE!!!!!!!!
 
CRIS. ALVES em 13/05/2013 10:10:01
O amor de mãe é único! Quanto mais você divide, mais amor tem pra dar. Tenho dois filhos, e desde que os senti em mim pela primeira vez, percebi que minha vida tinha mudado. E para melhor. Nunca mais vou estar sozinha. Sempre alguém vai me dar um motivo para sorrir e um beijo de boa noite.
Seu dia pode ter sido péssimo, mas basta um sorriso deles pra passar qualquer angústia e dar lugar a aquela sensação gostosa de esperança, que amanhã vai ser melhor que hoje.
Ser mãe é muito mais que dar a luz... Ser mãe é viver isso para o resto da vida e dar graças a Deus pela dádiva concedida.
 
Tuani Mendonça Zolet em 13/05/2013 09:53:53
Matéria perfeita, PARABÉNS !!
 
Jaqueline goulart em 13/05/2013 09:34:12
Que matéria linda e verdadeira. Eu estou gestante de 28 semanas, aguardando ansiosa pela meu quarto filho (mãe de multidão). É uma emoção maior que a outra, inexplicável a benção que Deus nos entrega a cada nascimento. Agradeço todos os dias a Deus pelas heranças que tem confiado em minhas mãos. Que Deus abençoe a todas as mamães de todas as nações. Fiquei muito emocionada ao ler esta matéria, estão de parabéns!
 
Leila de Moura em 13/05/2013 09:08:11
Linda matéria. PARABÉNS!
 
Silmara Zanon em 13/05/2013 07:58:34
Um dia a sala de parto pra mim, foi o pior lugar do mundo, o meu bebe, morreu logo apos o parto e fiquei olhando para ela, imovel e sem chorar.........foi traumatico, houvi tantos bebes chorando e do meu peito saia leite e nao tinha meu bebe pra mamar.....e as maes que saem da maternidade segurando seu bebes, ame-os intensamente.....superei a dor e segui em frente e hoje filhos postiços alegram meu dia das maes!! agradeço a Deus!
 
daniela dias em 13/05/2013 01:22:38
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.