A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

31/08/2016 14:05

Aplicativo quer ajudar a localizar animais atropelados em rodovias

Anny Malagolini
BR-262 é a principal preocupação de ambientalistas (Foto: Marcos Ermínio)BR-262 é a principal preocupação de ambientalistas (Foto: Marcos Ermínio)

Criada em 2014 como forma de socorrer animais silvestres atropelados em rodovias de todo o país, o aplicativo batizado de Urubu mobile, está à procura de novos colaboradores em Mato Grosso do Sul. Apesar do Estado abrigar um dos maiores biomas do país, ainda são poucos usuários do app.

Veja Mais
Sábado começa chuvoso na Capital, e máxima em MS será de 33º C
Fim de semana em MS terá tempo instável com possibilidade de chuva

A plataforma foi idealizada pelo Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CIEE), em 2014, mas com poucos adeptos em Mato Grosso do Sul (cerca de 5% dos usuários), a tecnologia estará a mostra no shopping Norte Sul Plaza até o dia 11 de setembro.

A ideia é simples. Basta baixar o aplicativo e fazer o cadastro. Quando um animal foi encontrado, ferido ou morto, é só fazer o registro fotográfico pelo aplicativo. Automaticamente o local e a data serão identificadas. Caso esteja sem sinal, ainda é possível guardar o registro e enviar quando houver cobertura telefônica. e O sistema possui um GPS, que poderá localizar o local do acidente. Todas as informações são encaminhadas a um banco de dados, que além de servir para estudos ambientais, também poderão ser oferecidos ao governo e as concessionárias de rodovias, para que construam formas de reduzir a mortalidade desses animais.

Segundo o biólogo Alex Bager, da Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais, e um dos idealizadores da plataforma, o sul-mato-grossense tem um diferencial em comparação à outros lugares: O fluxo constante entre cidade para o lazer“As pessoas daqui costumam ter fluxo com outras cidades ,muitos tem fazendas, e chácaras no interior, estão constantemente na estrada. Por isso, expor o aplicativo aqui é uma forma de informar essas pessoas, e mostra que elas podem contribuir com o meio-ambiente e salvar vidas”, explicou.

A situação do Estado, segundo Alex, não é das melhores do país. Ele informou que há 473 registros de animais mortos em Mato Grosso do Sul desde 2014, mas para ele, esse número ainda é ilusório. “Não é nem perto do que morre na verdade, a estimativa fala em 300 cachorros do mato atropelados a cada 100 km em um ano”.

Ainda de acordo com Alex, o alto índice de mortes é provocado pela falta de sinalizações e ações efetivas, pois os mecanismos para frear os acidentes no Estado ainda são escassos, e em regiões pantaneiras, está muito aquém do indicado. Para ele, a BR-262 é a principal preocupação, principalmente entre os trechos entre Campo Grande e Três Lagoas, e da Capital à região Pantaneira.

Para Alex, os mecanismos para frear os acidentes no estado ainda são escassos, e em regiões pantaneiras, está muito aquém do indicado. “De Miranda para Corumbá são 15 redutores de velocidade e só. Não existe praticamente nada, fico impressionado”.

“Daqui a Bonito não há nenhuma sinalização, e justamente num ponto turístico. As pessoas vem querendo ver fauna e a biodiversidade, e a primeira impressão é de que está causando um impacto naquilo que estão buscando”, avaliou.

Recomendações - Para que o registro não cause problemas, o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas recomenda que: Ao avistar um animal atropelado, o veículo reduza a velocidade com cautela, estacione o carro com segurança no acostamento e ligue o pisca alerta e então registre a imagem do animal.

É recomendado também para que seja evitado o contato com a carcaça, pois animais pedem transmitir doenças e parasitas; Se o animal estiver vivo não tente capturá-lo e transportar, certamente o animal estará machucado, com medo e sentindo dor, podendo morder ou atacar se você tentar manusear. Avise a polícia rodoviária e/ou o pessoal da concessionária da rodovia.

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions