A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

20/03/2015 11:54

Audiência pública reúne 400 pessoas para discutir preservação de mananciais

Liana Feitosa
(Foto: Assessoria/ Câmara)(Foto: Assessoria/ Câmara)

Audiência pública discutiu preservação, políticas públicas e utilização de mananciais e águas de Campo Grande na tarde desta quinta-feira (19), na Câmara Municipal da Capital. O debate reuniu cerca de 400 pessoas entre alunos de escolas da rede pública de ensino, estudantes de faculdades como Engenharias e Arquitetura, além de comerciantes, sindicalistas e representantes da classe científica, como professores e pesquisadores.

Veja Mais
Em 7 dias, choveu 56% do esperado para o mês em município do interior
Quinta-feira de tempo instável, com chuvas durante todo o dia e máxima de 37ºC

Segundo o vereador Eduardo Romero (PTdoB), presidente da Comissão Permanente de Meio Ambiente da Câmara, a iniciativa revelou alto nível de participação. "A audiência reuniu o extrato da sociedade. E é a sociedade que usa, consome e paga pela água, por isso, a audiência foi extremamente positiva", analisa.

Participantes - Na ocasião, foi criado um grupo de discussão que, a partir de agora, vai atuar em conjunto no acompanhamento dos temas relativos ao uso e preservação da água. Segundo o vereador, fazem parte representantes do Ministério Público, da Associação Comercial de Campo Grande, órgãos estaduais e federais como Imasul (Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul), Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Planurb (Instituto Municipal De Planejamento Urbano) e OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil).

Além desses, ainda fazem parte da comissão representantes da Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande), Águas Guariroba, Conselho Municipal de Meio Ambiente, Fórum Estadual de Meio Ambiente e Câmara de Vereadores.

Objetivos - "Esse grupo foi formado ontem, mas sempre acompanhará temas como o plano de drenagem da cidade, o planejamento da revisão da lei de uso e ocupação do solo, entender como funciona o contrato do serviço de água da cidade, analisar as responsabilidades de cada, enfim, esse grupo vai estar antenado a essas agendas", explica Romero.

"Eles já atuam no segmento de águas, mas essa será uma união de as forças para que o assunto recebe a atenção que precisa", completa o vereador.

O que temos - Segundo a concessionária responsável pelo abastecimento da Capital, a Águas Guariroba, Campo Grande capta, atualmente, águas superficiais e subterrâneas. As superficiais correspondem a 55% do que é consumido na cidade, explorando 39% da bacia do Guariroba e 16% da bacia do Lageado. O restante do que é utilizado é retirado de poços, responsáveis por 45% do total da água que abastece o município. São 150 poços em operação.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions