A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

09/09/2016 17:11

Campo Grande tem 20 mil poços de água e MPE vai apurar falta de controle

Anny Malagolini

O Ministério Público Estadual abriu Inquérito Civil para apurar a atuação do Imasul (Instituto de meio-ambiente de Mato Grosso do Sul), na concessão de outorga de uso de recurso hídrico, ou seja, captação de água subterrânea sem devida licença ambiental. Só na Capital, a estimava é de que existam mais de 23 mil poços perfurados, entre artesianos, semi artesianos e de boca.

Veja Mais
Temporal com chuva de 30 milímetros e vento forte alaga ruas de Dourados
Corpo de bombeiros trabalha em alerta para chuva e novos estragos

De acordo com o Ministério Público, o problema seria que o Imasul tem descumprido três requisitos que autorizam a outorga para a captação de água pela falta de monitoramento, como: o princípio da prevenção, por não haver rede de monitoramento das águas subterrâneas; por não haver sido instituída a cobrança respectiva e obediência ao Ministério da Saúde, que veda o uso de solução alternativa (como poços) para fornecimento de água para consumo humano onde houver disponibilidade de rede pública de abastecimento de água.

O Ministério da Saúde preconiza que, a concessão de recursos hídricos, como poços artesianos, só é permitido quando não houver a disponibilidade de rede pública de abastecimento de água para consumo humano. Além disso, conforme informou o MPE, o empreendimento e atividade de perfuração de poços profundos, estação de tratamento de água e esgoto exigem prévio licenciamento ambiental.

Ainda de acordo com a ação, o Plano Estadual de Recursos Hídricos, especificamente com relação às águas subterrâneas, aponta as principais fontes de poluição dos aquíferos são fontes difusas, dentre elas: agrotóxicos na agricultura; esgotamento sanitário inadequado; inadequação da destinação do lixo doméstico e do resíduo de saúde; inadequação ambiental da atividade de posto de combustível; perfuração de poços e a ausência de monitoramento de águas subterrâneas.

A justiça concedeu o prazo de dez dias, a contar do último dia 6, para que a Semade (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico) e o Imasul apresentem as cópias de todas as outorgas de uso de recurso hídrico expedidas para captação de água subterrânea no Estado de Mato Grosso do Sul.

 

 




bom pelo já acompanhei de poços acredito que o MPE deveria investigar a empresa de saneamento que possui mais de 150 poços na capital e procurar saber se a mesma cumpri com a norma ambiental vigente!
 
lucio em 09/09/2016 18:43:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions