A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

15/07/2013 17:43

Capivara machucada perambula na UFMS e não é socorrida por ninguém

Mariana Lopes
Capivara sofre sem receber atendimento na UFMS (Cleber Gellio)Capivara sofre sem receber atendimento na UFMS (Cleber Gellio)

Desde a última sexta-feira (12), uma capivara, que está com ferimentos no rosto, perambula pelos corredores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e não é socorrida por ninguém. O descaso com o animal chamou a atenção dos acadêmicos.

Veja Mais
Residencial garante que choque em capivaras tem baixa voltagem
Filhote de capivara é encontrado morto atropelado no Parque das Nações Indígenas

Na tarde de hoje, a reportagem do Campo Grande News encontrou a capivara amuada em um canto, atrás de uma obra, próxima ao corredor central da universidade. Os alunos dizem que ela fica andando, mas em passos lentos e não sai da região da obra.

Um grupo de estudantes afirma que ligou na PMA (Polícia Militar Ambiental) para pedir que fosse buscar o animal, mas não teve retorno. Os alunos denunciam, ainda, que ver capivaras machucadas andando nos corredores da instituição tem se tornado cada vez mais frequente.

Há pouco menos de dois meses, a acadêmica de Física Heloíse Calça, 22 anos, encontrou uma capivara com um ferimento no olho direito. “Parecia um tumor, estava horrível, e foi a mesma história, liguei na PMA, tentei até contato com os alunos do curso de Veterinária, para ver se havia algum projeto na UFMS para ajudar as capivaras, já que elas fazem parte da universidade, mas não tive nenhum retorno”, diz Heloíse.

A UFMS tem o Hospital de Medicina Veterinária e uma reserva ambiental. As capivaras são as principais atrações de turistas e moradores da Capital que vão ao campus ou passear no Lago do Amor.

Mais recentemente, a acadêmica de Letras Lislley Raquel Damazio, 19 anos, se deparou com outra capivara que estava com uma parte da barriga em carne viva. Novamente a história se repetiu. Os alunos fizeram a denúncia, procuraram ajuda e não tiveram. “São animais silvestres, não tem como a gente mesmo cuidar”, ressalta a estudante.

Os acadêmicos acreditam que os animais se ferem na grade que cerca a reserva da UFMS. As duas últimas capivaras que foram encontradas feridas estavam próximo ao Restaurante Universitário. Segundo os alunos, elas não foram mais vistas.

De acordo com a assessoria de imprensa da PMA, este tipo de ocorrência não é de responsabilidade da polícia ambiental, pois não configura crime ou infração. Para a PMA, a fiscalização deveria ser feita pela própria universidade, já os animais de lá fazem parte reserva particular do patrimônio natural. Ou ainda pela Semadur, que é responsável pela questão ambiental no perímetro urbano.

A reportagem tentou contato com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, mas não teve retorno nem da assessoria de imprensa.




Só para informar o pessoal que ta reclamando porque os alunos de veterinária de lá não cuidam das capivaras, não é porque fazem veterinária que estão aptos a tratar qualquer animal, depende do ambiente e do tipo de cuidado que é necessário para tanto. Como a capivara é um animal silvestre, o tratamento dela provavelmente é diferente do tratamento de um cachorro, portanto, é bem provável que seja necessária alguma qualificação específica, que provavelmente não é adquirida pelo curso de graduação. Além disso, como já disse, a capivara é um animal silvestre, portanto, causar ferimentos ou até matar uma seria crime ambiental, logo, obviamente ninguém vai simplesmente "passar um remédinho" na capivara, correndo o risco de piorar a situação e ser responsabilizado criminalmente.
 
Rui Daniel Schildt do Amaral em 16/07/2013 15:10:09
Acho engraçado todos fazerem criticas e mais criticas ao invés de resolverem o problema,se no entorno de toda a UFMS é comum todos conviverem com essas Capivaras,machucadas ou não ali é um habitat delas,nós que invadimos,se estão machucadas foram elas mesmas que possivelmente se machucaram pois elas brigam e muito entre si por marcação de território,principalmente os machos como o da foto,ao longo da extensão da área vimos grades arrancadas,com pontas,buracos nas telas tudo isso contribui pra que elas se ferem,de quem é a responsabilidade em manter as telas em torno da UFMS?
Antes de criticarem,vocês não tem idéia do trabalho que dá cuidar desse tipo de bicho,muito vulnerável e delicado.
 
Renato Amorim em 16/07/2013 13:45:38
Marcel Ozuna, que saiba vida não é só do ser humano,. Animais também são vidas, muitas vezes, melhores que muitos seres humanos.
Temos que respeitar todo tipo de vida, principalmente os mais frágeis. Que tipo de gente você é? cada um é livre para gostar e zelar do que bem entender, mas ao comentar temos que ter bom senso também.
O BOM SER HUMANO, se preocupa com vidas independente se é Planta, animal ou uma pessoa. O humano pela metade, preocupa-se malu e porcamente com ele mesmo.
 
Juan Charlymoon em 16/07/2013 13:08:28
Cade os curso de Veterinária e Biologia da UFMS nessas horas? PMA, cabe ressaltar que omissão é crime!!!
 
Luiz Fernando de Britto Moreira da Costa em 16/07/2013 11:24:11
Tadinha dessas capivaras, porque os universitários de veterinária não podem ao menos fazer curativos nelas? já estão estudando para essa mesma finalidade...
critica a situação....
 
Carla Estfani em 16/07/2013 10:40:59
Convém dar as devidas soluções, e na devida urgência a cada caso. A considerar a racionalização dos recursos públicos, recrutar, formar e recompensar melhor os profissionais da saúde ora disponíveis, em vez de propor "apagamento de incêndios" (como o tal do "socorro cubano").
Quanto às capivaras - objeto deste artigo - é de se estranhar que professores e acadêmicos tenham brigado tanto para não deixar a avenida marginal do Bandeira cortar o câmpus por "amor às espécies nativas" mas (ao menos até onde se sabe de público) não tenham imaginação para propor, senão um projeto de iniciação científica, ao menos um projeto de extensão para estudar e tratar os impactos sofridos pela fauna "nativa" do câmpus.
Com a palavra, as partes implicadas.
 
Marcel Ozuna em 16/07/2013 10:15:53
A Polícia Militar Ambiental foi contemplada como integrante do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), em virtude do estabelecido no Art. 6º da lei federal:

"Art. 6º - Os órgãos e entidades da União, DOS ESTADOS,... responsáveis pela proteção e melhoria da qualidade ambiental, constituirão o Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA."

E, pelo menos na minha escola, proteção e melhoria da qualidade ambiental reflete, inclusive, em ações de resgate e encaminhamento de animais para os locais destinados à sua reabilitação... Ou seja, s.m.j., essa desculpa de que não é crime não cola, até mesmo porque o Poder de Policia conferido à PMA não é somente repressivo....
 
Leandro Abrão em 16/07/2013 10:12:04
Acabo de ler outra matéria no mesmo site, sobre um homem doente que quase morreu por erros seguidos de funcionários supostamente ruins (médicos) mas por sorte outro servidor, sensato (também médico), decidiu dar o correto tratamento ao paciente.
Claro que, perto do que fizeram com esse homem, é bem menos importante nos preocuparmos com as capivaras estropiadas. E tentar socorrê-las individualmente é burrice (elas costumam reagir aos que não são da mesma espécie).
Essa matéria é um bom termômetro do "estado da questão": se, de propósito e por corrupção movida a amor-próprio, carreirismo - ou mesmo se por imperícia - certos servidores públicos fazem seres humanos morrerem de câncer e à míngua, o que dirá então quando as vítimas são animais não domesticados?
 
Marcel Ozuna em 16/07/2013 10:06:31
Na Federal tem veterinária e se não me engano tem zootecnia, eles podiam se responsabilizar pelos animais que praticamente pertencem ao campus e cuidar deles né?
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 16/07/2013 09:33:47
O pior é que vejo direto no face alguns posts de alunos da veterinária da UFMS pedindo pra que as pessoas adotem cães e gatos, mas cuidar de uma capivara machucada ninguém quer né!
 
Kaio Gleizer em 16/07/2013 08:59:18
vergonhoso para a Polícia Ambiental isso. Onde está o dinheiro do Governo na proteção dos animais? ou só as empreiteiras amigas vão sempre ganhar dinheiro desse governo?
 
antonio carlos garcia em 16/07/2013 08:48:56
QUERIDOS ACADÊMICOS, conhecem um material chamado TARRAFA.... ???? entonces...... no resto é antibiótico e curativos.
 
Suzi da Costa em 16/07/2013 08:45:02
isso é desculpa da PMA, se fosse um coronel que tivesse ligado garanto que teriam ido socorrer o animal e o levado para o cras ! Estao de parabens
 
rodrigo silva em 16/07/2013 08:40:37
Não existe um curso de Medicina Veterinária na UFMS?!!!
 
Luciana Teles em 16/07/2013 08:38:37
Jesussssssssssssssssss apague a luz. Será que li direito a Policia Ambiental não se responsabilizar por estes casos com animais no campus da UFMS pelo fato de ser uma área de reserva particular do patrimônio natural. ????........Realmente nem tudo que se escuta ou lê na banco da faculdade se vê na prática. Três casos de descaso com estes animais e vai saber quantos mais e não tem um órgão nesta cidade que se responsabiliza. ?!!??.. E ai quem vai lá resolver, por que quem tem que resolve sabemos. Mas quem vai???

 
Rose Mendonça em 16/07/2013 08:37:16
SEMADUR, sem comentários, minhas experiências com o mesmo foi a pior possível.
Se essa capivara, fosse um dos piores marginais(latrocida, estuprador, assassino frio), teria aparecido inúmeras ajudas, inclusive o Direito dos Manos. Mas, infelizmente é uma animal indefeso e não VOTA.
O CRAS, faz um trabalho belíssimo com animais feridos, o que faltou por parte da UFMS, foi bom senso, sensibilidade para com o bicho, em providenciar um transporte(APENAS), para levar a coitadinha até os bons profissionais do CRAS. A UFMS, parece preocupada apenas com as ROUBALHEIRAS...e outras maracutais lá existente.
Parabéns!!! Mariana pela matéria e aos acadêmicos pela sensibilidade e iniciativa em levar a público esse caso tão grave de DESCASO, CRIME...
Mariana, acompanhe e o desenrolar da história.
 
Neyde de Oliveira em 16/07/2013 08:27:37
Muito NOBRE, a atitudes dos acadêmicos que fizeram a denúncia e chamaram o Campograndenews, que sempre nos ajuda.
É impressionante o DESCASO com a FAUNA e FLORA nesse estado. Deveria ser referência em atendimento a animais silvestres. Afinal, o Pantanal fica onde mesmo???
Admiro a UFMS, com curso de medicina veterinária tapar os olhos para uma situação dessa. O que está acontecendo é um crime violento, passivo de mídia nacional, aliás INTERNACIONAL, para que todos possam ver como são tratados os pobres animais, uns dos cartões postais do PANTANAL. Os bichos, já perderam quase todo seu espaço para o homem. Mediante tal situação, o mínimo que poderiam fazer para reparar os danos é dar umTRATAMENTO DIGNO.
Esses orgãos, que deveriam prestar atendimento são uma PIADA de mal gosto, esse
 
Neyde de Oliveira em 16/07/2013 08:16:30
Denunciem a PMA oras, eles devem ter uma corregedoria....
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 16/07/2013 08:15:20
Uma Universidade é ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO...Cadê a extensão??? A UFMS, através do curso de medicina-veterinária, tem mais que obrigação (legal e moral) de cuidar, tratar e acompanhar esses animais que vivem no lá...Não são apenas animais, são uma atração para todos...Os alunos e também a própria instituição deveriam se preocupar mais com esses animais.
 
Thiago Martins em 16/07/2013 08:09:00
Já que é de responsabilidade da UFMS, os acadêmicos de veterinária deveriam cuidar do animal, é o mínimo que se espera de futuros veterinários !
 
Ronaldo Muzzi em 16/07/2013 07:53:37
Por que eles, os acadêmicos não a conduzem ao CRAS no parque das nações indígenas?
Ficam esperando e criticando quando poderiam fazer alguma coisa para salvar o animal, já que estão com uma dó!!!!!!!!!
Mas eles só ficam ali num bar atrapalhando o trânsito e estudando....
 
Marcílio Dias em 16/07/2013 07:35:58
CRAS não é Centro de Reabilitação, e o que esses animais precisam ? Eu já estive no CRAS a algum tempo durante um passeio no parque, um funcionário que se dizia veterinário foi muito mal educado comigo, desde então minha impressão é péssima. Lembram que eles foram "enganados" DUAS vezes por um animal irracional (onça) que fugiu. Imaginem ...
 
Jose da Silva em 16/07/2013 07:01:45
Isso é um descaso com um ser vivo. A gente só vê esse jogo de empurra-empurra, e não vê nenhum resultado para salvar o animal, e enquanto isso, o bichinho fica sofrendo.
 
ADENILSON JOSÉ REBEQUE em 15/07/2013 21:27:05
Provavelmente os ferimentos foram provocados por cães. O CCZ fica ao lado, será que poderia mandar uma equipe verificar a situação desses animais?
 
Jorge Pantaneiro em 15/07/2013 20:21:47
Se "alguém" sequer se preocupa com o H.U e os alunos, alguém acha que vai se preocupar com as capivaras. Pode esquecer! Cadê o MPU e as entidades de proteção aos animais?
 
Robert Verissimo Leão em 15/07/2013 20:18:17
O velho jogo de empurra empurra. Ridículo a polícia ambiental dizer que não é responsabilidade deles. Ué, não tomaram conhecimento do caso? do sofrimento do animal? então que ajudem, e depois cobrem atuação de quem de direito para as próximas vezes. Já quanto aos acadêmicos de veterinária estranho não ajudarem, será que estão só preocupados em organizar festas? fica ai uma dúvida.
 
Rafael Santos em 15/07/2013 19:40:19
Cade os alunos de veterinária ou biologia para ajudar estes animais ? e olha que na UFMS o que não falta é protetor dos animais e outras causas... , ou é só no facebook que eles são assim ? ACORDA UNIVERSITÁRIOS
 
joaquim tavora em 15/07/2013 19:36:43
quem vai socorrer uma capivara, não falaram pra vc que esse animal é selvagem e feroz??
 
WILLERSON DOS SANTOS ZAMPIERI em 15/07/2013 19:33:33
Tá, mas e aí ficou por isso mesmo?? pelo amor de Deus alguém faça algo!! a UFMS tem a ala veterinária a polícia ou algum órgão não pode pedir providências?? isso não pode ficar assim!!!
 
Cristina Lopes Ramires de Andrade em 15/07/2013 19:22:14
"Não me indigno, porque a indignação é para os fortes; não me resigno, porque a resignação é para os nobres; não me calo, porque o silêncio é para os grandes. E eu não sou forte, nem nobre, nem grande. Sofro e sonho. Queixo-me porque sou fraco e, porque sou artista, entretenho-me a tecer musicais as minhas queixas e a arranjar meus sonhos conforme me parece melhor a minha ideia de os achar belos.

Só lamento o não ser criança, para que pudesse crer nos meus sonhos." "Eu não sou pessimista, sou triste."
(Fernando Pessoa)
 
Jonas Cavada em 15/07/2013 18:31:22
Não só os alunos mas a reitoria do curso de Veterinária deveria estar mais focada nesses assuntos, alem de material de estudo eles são seres vivos que necessitam da proteção deles que são futuros profissionais. Não querendo tirar a vergonha que é o descaso da PMA com essa situação
 
André Luiz em 15/07/2013 18:24:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions