A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

08/06/2014 15:03

Ela vive há 37 anos no entorno de lagoa, que ajuda a preservar

Viviane Oliveira
Petronilha sai cedo de casa e a primeira volta é sempre no entorno do lago. (Foto: Marcos Ermínio) Petronilha sai cedo de casa e a primeira volta é sempre no entorno do lago. (Foto: Marcos Ermínio)
Petronilha conta que já tirou vários sacos cheios de lixo do local. (Foto: Marcos Ermínio) Petronilha conta que já tirou vários sacos cheios de lixo do local. (Foto: Marcos Ermínio)

Há 37 anos, quando Petronilha Pereira da Silva se mudou para o Jardim Itatiaia, em Campo Grande, não havia rua ou vizinhos e o local era tomado por mato e por uma escuridão imensa quando caía a noite. Na esquina da casa dela havia apenas um grande lago, hoje conhecido por Lagoa Itatiaia, de onde tirava água para molhar as plantas, lavar roupas e cuidar dos porcos e galinhas que criava no quintal. Aos 60 anos, Petronilha viu o bairro crescer e as pessoas chegarem, não usa mais água do lago para as tarefas domésticas. Hoje, a moradora cuida da lagoa catando o lixo que diariamente as pessoas deixam no local. O espaço transformou em símbolo de uma região que já foi conhecida pelo descaso com o meio ambiente e agora é um cartão postal da cidade.

Veja Mais
Vizinhos de reserva na Capital dizem que animais estão desaparecendo
Fim de semana em MS terá tempo instável com possibilidade de chuva

Viúva, a mulher conhecida por trabalhar com reciclagem criou seis filhos em volta da lagoa. Agora, como uma espécie de retribuição, Petronilha não deixa lixo estragar o brilho e a beleza natural do lugar. “Já cheguei a tirar sacos daqui de garrafas pets, latas de cerveja e refrigerantes. O dia que mais tem sujeira é na segunda-feira por causa do fim semana”, lamenta.

A rotina da senhora, que hoje mora sozinha, começa bem cedo. Com um carrinho de mão e muito conhecida na região, a mulher já tem os lugares certos, em casas e comércios, onde pega o material reciclável. Mas antes, ela passa na lagoa catando tudo o que vê pela frente. “É sagrado, eu tenho que passar por aqui primeiro. Tem dia que encontro até embalagem de marmitex jogado nas margens do lago”, diz.

Sorridente, a senhora conta que criou os filhos em volta da lagoa. (Foto: Marcos Ermínio) Sorridente, a senhora conta que criou os filhos em volta da lagoa. (Foto: Marcos Ermínio)

Petronilha relembra que quando chegou ao bairro, região do Tiradentes, a lagoa era mais cheia e com o tempo foi diminuindo. Por outro lado, ela diz que a urbanização também trouxe a valorização do lugar e a maioria dos vizinhos tenta cuidar e manter o espaço limpo. “É um privilégio morar em volta do lago”, destaca.

As histórias da moradora envolvendo a lagoa são muitas. “Eu tinha uma criação de galinhas e porcos, que viviam soltos por aqui. Depois, com o passar do tempo, tive que ir desfazendo aos poucos dos bichos, porque começou a chegar morador”, relembra. Tem histórias tristes, também, de gente que estava pescando, caiu no lago e acabou morrendo afogado.

Quem mora, caminha e faz atividades físicas na academia ao ar livre, que fica no espaço, tem o privilégio de conviver diariamente com a natureza. A lagoa serve de pouso para aves como garças, marrecos e pássaros pretos. Em épocas de chuva, a água do lago aumenta deixando o lugar ainda mais bonito.

No Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado quinta-feira (5), a Prefeitura fez o plantio de 80 mudas de árvores nativas, no entorno da lagoa. “Hoje envolta do lago está até limpo, mas tem dia que aqui está coberto de sujeira”, lamenta.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions