A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

27/08/2015 12:11

Governo estuda força-tarefa e linha de crédito para preservar Rio Taquari

Caroline Maldonado
Pesquisadores da Embrapa Pantanal falaram da situação da bacia em reunião com secretários (Foto: Divulgação/Semade)Pesquisadores da Embrapa Pantanal falaram da situação da bacia em reunião com secretários (Foto: Divulgação/Semade)

O assoreamento do Rio Taquari é alvo de um plano do Governo do Estado que envolve várias secretarias, entidades representativas do agronegócio e pretende oferecer linhas de financiamento e crédito para produtores que trabalharem na produção sustentável para conter a degradação da bacia.

Veja Mais
MPE recomenda reparo urgente de ponte sobre Rio Taquari Mirim que ameaça cair
Projeto recupera microbacias do Taquari, apesar de não acabar com degradação

Os primeiros passos do programa foram discutidos em reunião, na terça-feira (25), entre pesquisadores da Embrapa Pantanal, representantes do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Sepaf (Secretaria de Produção e Agricultura Familiar), Secretaria de Agricultura, Pecuária e Meio Ambiente de São Gabriel do Oeste, Cointa (Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia do Rio Taquari), de Coxim e da Semade (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico).

A ideia é elaborar um conjunto de ações a curto, médio e longo prazo para apontar soluções para o problema do assoreamento, segundo o titular da Semade, Jaime Elias Verruck. Para funcionar, no entanto, o Programa de Desenvolvimento Sustentável da Bacia do Taquari terá que contar com apoio de todas essas instituições e empenho dos pecuaristas da região.

“Sem a participação dos sindicatos rurais, não vamos conseguir resolver a situação da região. Os produtores precisam assimilar e investir em modos de produção mais rentáveis e que contribuem efetivamente na solução. E nós, no governo, temos de apresentar estratégias, linhas de financiamento e crédito para isso”, comentou Jaime.

O secretário disse que vai buscar parcerias e modelos junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), MPF (Ministério Público Federal) e outros órgãos.

Durante a reunião, o diretor de Licenciamento do Imasul, Ricardo Eboli lembrou que é importante, sobretudo, que os produtores realizem o CAR (Cadastro Ambiental Rural) até 5 de maio de 2016. “Nós acreditamos que assim que finalizarmos o CAR, por meio das imagens que devem ser informadas no cadastro, o Imasul terá um importante instrumento para nos auxiliar a mapear as áreas prioritárias”, disse.

Bacia – O Rio Taquari é afluente do Rio Paraguai, cujas nascentes estão na Serra do Caiapó, próximo a cidade de Alto Taquari, em Mato Grosso. A bacia é classificada em três partes. São elas, Alto Taquari, que vai das nascentes até a cidade de Coxim, confluência com o rio Coxim; Médio Taquari, da cidade de Coxim, numa extensão de 335 km, até Porto Rolon e o Baixo Taquari, que vai de Porto Rolon, numa extensão de 100 km, até a foz no rio Paraguai, próximo ao Porto da Manga.

Sete microbacias do Taquari foram alvo de projeto da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), desenvolvido em 2014, por meio de recursos repassados pela ANA (Agência Nacional das Águas). As técnicas amenizaram a situação, mas não resolveram a degradação em toda a bacia.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions