A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

12/04/2013 21:13

Juiz dá prazo de 72 horas para Solurb explicar construção de usina

Francisco Júnior

O juiz da Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Amaury da Silva Kuklinski, não concedeu liminar para suspender o despejo de lixo no novo aterro sanitário, o Dom Antônio Barbosa II, em Campo Grande. Ele determinou à empresa CG Solurb para se manifestar, em 72 horas, sobre a  não conclusão da obra da UTR (Unidade de Triagem de Resíduos).

Veja Mais
Agentes penitenciários sofrem com mau cheiro causado por novo aterro
MPE pede fechamento imediato de novo aterro sanitário e volta do lixão

O promotor de Justiça do Meio Ambiente, Eduardo Franco Cândia, pediu, na ação civil pública, liminar para a desativação do novo aterro sanitário até a conclusão da usina.

Ele argumentou que sem a usina de reciclagem, o tempo de vida útil do aterro, que era de cinco anos, será muito menor. De acordo com o promotor, 10% das 761 toneladas de lixo despejadas diariamente no local poderiam ser comercializadas devido ao valor dos produtos recicláveis ou reutilizáveis.

O prazo para a empresa se manifestar termina na próxima semana. O juiz pede para a concessionária preste informações sobre o cumprimento do Contrato n. 104, de 2 de março de 2011, que tinha por objeto a execução das obras para implantação da usina de triagem no aterro sanitário de Campo Grande.

A liberação do aterro sanitário foi marcada por polêmicas desde o início. O MPE cita na ação que os catadores foram alijados do processo. Ação da Defensoria Pública garantiu que eles recolham o material no antigo lixão.
Além do MPE, a Polícia Federal instaurou inquérito para apurar denúncias de irregularidade na construção do novo aterro.

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions