A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

23/05/2013 19:15

Justiça Federal dá 90 dias para início da recuperação do Taquari

Aline dos Santos
Rio Taquari agoniza com assoreamento. (Foto: MPF)Rio Taquari agoniza com assoreamento. (Foto: MPF)

A Justiça Federal concedeu liminar estipulando prazo de 90 dias para início das ações de recuperação Taquari, suspendendo a emissão de licenças ambientais e novas autorizações para os "arrombados', que consistem em abertura de canais no leito.

Veja Mais
Desde 2001, 8 projetos tentaram por fim à tragédia ambiental do Taquari
MP pede bloqueio de publicidade dos governos até recuperação do Taquari

Na ação, o MPF (Ministério Público Federal) e o MPE (Ministério Público Estadual) solicitaram o bloqueio de verbas publicitárias do governo do Estado e da União. Mas o juiz da 1ª Vara Federal de Coxim, Gilberto Mendes Sobrinho, afirma  que a medida só será válida em caso de demora no início da recuperação do Taquari.

Desde 2001, já foram pelo menos oito iniciativas do poder público para recuperar a bacia do Rio Taquari, que ocupa área de 79 mil km² e agoniza com o assoreamento. Milhões de dólares e de reais foram investidos mas, na prática, nada foi resolvido.

Segundo o Ministério Público, o rio encontra-se em adiantado processo de degradação ambiental, o que compromete o ecossistema, atividades econômicas e sobrevivência de 4 mil famílias pantaneiras. Entre 1977/1982 e 1995/1997, o aporte médio de sedimentos para o Pantanal teve aumento de 77,2%, de 20,22 mil toneladas/dia para 35,83 toneladas/dia. Como consequência, houve um grande aumento nos níveis de assoreamento do rio.

A ação civil pública é contra a União, o governo de Mato Grosso do Sul, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul).

Na decisão, o magistrado determina a proibição de concessão de licenças ambientais (prévia, de instalação e de operação) relativamente a empreendimentos econômicos de natureza agrícola, pecuária e imobiliária no rio Taquari, no trecho a partir da divisa com Mato Grosso até a confluência com o rio Coxim.

Também fica proibida a concessão ou renovação de toda e qualquer autorização para intervenção em “arrombados” que tenham sido deferidas com base na Resolução SEMAC/MS 27/2008, a partir da confluência com o rio Coxim até o encontro com o rio Paraguai.

Os pecuaristas abrem os “arrombados” na época de estiagem para conseguir água para o gado e fecham com dragas, sacos de areia, galhos e troncos de árvores para proteger os pastos das inundações. Já os pescadores profissionais promovem suas aberturas para facilitar a captura de peixes.

Tentados - Em 90 dias, deve ser apresentado cronograma de ações efetivas, com indicação detalhada e precisa do que será feito, além de datas precisas de cada fase de execução. O projeto deve contemplar medidas como a recomposição da cobertura vegetal, de reservas legais e área de preservação permanente; contenção e estabilização de voçorocas; recuperação de pastagens degradadas; e adequação de estradas vicinais.

As ações realizadas deverão ser divulgadas mensalmente na imprensa. “Evitando-se que os requeridos sintam-se tentados a prever o início da execução para daqui a 10, 20 ou 50 anos”, afirma o juiz.

Em caso de descumprimento, o superintendente do Ibama e diretor do Imasul serão multados em R$ 5 mil. Além de multa diária de R$ 500 para a maior autoridade do Estado. No caso, o governador André Puccinelli (PMDB). A PMA (Polícia Militar Ambiental) deve encaminhar à Justiça relatório das infrações ambientais praticadas no rio Taquari nos últimos cinco anos.




Desde 1979 ouço essa lenda de recuperar o rio taquari!!!
 
José Severo em 24/05/2013 18:02:56
Concordo com o comentário de Leonardo. Conheço o rio taquari desde a sua nascente até o rio paraguai, as matas ciliar foram destruídas em grande parte. Desde o ano de 1979 ouço esta lenda de recuperar o rio taquari. Além das curvas de niveis tem que recuperar as matas ciliar, senão será jogar dinheiro no ralo. Será um trabalho de longo tempo.
 
josé Severo em 24/05/2013 17:59:20
Vou ficar de olho!! Que a recuperação seja iniciada e que os responsáveis comecem as ações, dinheiro já foi investido há anos e ate o mento não foi feito nada!! Vamos ver agora!
 
vanessa maia em 24/05/2013 09:00:43
Ufffaaaa.... Até que enfim.
 
Celso de Souza Martins em 24/05/2013 07:50:16
Boa noite. Se a decisão do Sr. Juiz, for a descrita acima, consiste em um grande equivoco, se não vejamos. As áreas margeando o curso d'agua, são áreas de menor importância quando se trata de preservação de recurso hídrico. A verdadeira aplicação da tecnologia, consiste em fazer terraço ou curvas de níveis, nas regiões amontante (acima) que compõem a microbacia. Com a adoção desta técnica teremos os níveis de sedimentos muito reduzido. Proibir empreendimentos por proibir (se for o caso), trata-se de um ato de ignorância. Hoje, o manejo dos arrombados, é uma questão de sobrevivência na região.
Considero importante a vontade de corrigir o que esta errado, mas com particularidade para cada situação.
Att,
Leonardo, Eng. Agrônomo, Pós Graduando em Pericia, Auditoria e Gestão Ambiental.
 
Leonardo Oliveira em 23/05/2013 20:53:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions