A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

17/07/2014 17:33

Justiça manda paralisar atividades de curtume por irregularidades ambientais

Marta Ferreira
Justiça determinou paralisação de curtume em Três Lagoas. (Foto: Divulgação)Justiça determinou paralisação de curtume em Três Lagoas. (Foto: Divulgação)

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul determinou esta semana a paralisação das atividades do curtume Três Lagoas, localizado no município de mesmo nome, na região leste do Estado. A decisão, unânime, é da 3ª Câmara Cível, que acatou recurso de apelação e reexame necessário interposto pelo Imasul (Instituto do Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso do Sul) contra liminar concedida em primeiro grau que suspendeu um decreto do órgão determinando que a empresa parasse as atividades, por irregularidades ambientais.

Veja Mais
Fim de semana em MS terá tempo instável com possibilidade de chuva
Quatro cidades de MS estão entre as 100 que mais desmatam florestas

Segundo o Imasul alegou, desde que a liminar foi deferida, em 2009, a empresa não regularizou as questões ambientais que sustentaram sua paralisação. Pelo contrário, diz o Instituto, houve aumento dos passivos ambientais, como a construção de lagoas não impermeabilizadas, depósitos de resíduos a céu aberto, entre outros.
Conforme o TJ, o curtume afirmou ainda que o parecer técnico aponta inúmeras irregularidades, inclusive já existentes na época da determinação da paralisação. Para o Imasul, isso evidencia o descaso da empresa com as questões ambientais e que esta se utilizou do Poder Judiciário para burlar a legislação, mas não procurou em momento algum se adequar à legislação ambiental.

Apontou ainda que a empresa impetrante está se utilizando de sua importância para os seus empregados e para o município para fazer fortuna, eximindo-se de suas obrigações legais, obrigações estas que são cumpridas por outras empresas do setor e que a coloca em situação privilegiada, inclusive de concorrência desleal.

O relator do processo em segundo grau, desembargador Eduardo Machado Rocha, aponta em seu voto que, de acordo com a Constituição Federal, todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida garantida e que cabe ao Poder Público defendê-lo e preservá-lo. Ainda de acordo com o magistrado, todo empreendimento potencialmente causador de degradação deve aplicar as medidas necessárias para minimizar os impactos negativos da atividade ao meio ambiente e aos seus empregados.

O voto cita, ainda, que a Constituição Federal, no Art. 170, sobre os princípios gerais da atividade econômica, determinado que os empreendimentos do país devam buscar obter progresso econômico sem poluir o meio ambiente para as presentes e futuras gerações.

Diante disto, o relator diz, mesmo obtendo a liminar mantendo o empreendimento aberto, o curtume não se prontificou a corrigir as falhas apontadas pelo órgão ambiental. A situação foi constatada por uma Força Tarefa realizada em 2012 pelo Ministério Público Federal do Trabalho e Ministério Público Estadual, pela Delegacia do Trabalho, pelo Corpo de Bombeiros e IMASUL, sendo a apelada novamente notificada e multada.

De acordo com o TJ, em consideração à relevância da empresa como empregadora, o desembargador Eduardo Machado Rocha explica que ficou esclarecido em relatório elaborado pela fiscal ambiental do ImasulL que o risco em questão não é somente para o meio ambiente, mas também para os empregados que permanecem em contato direto com materiais e locais insalubres e esclarece que a geração de empregos não pode se sobrepor ao direito à vida e à saúde dos próprios trabalhadores, nem justificar atividade nociva ao meio ambiente.

O desembargador alegou que a atitude da empresa fere princípio da isonomia. Isso porque, segundo ele, ao deixar de investir na sua adequação, ela consegue reduzir os custos da produção e assim vender seus produtos com preço inferior às demais empresas do mesmo setor que cumprem rigorosamente as regras ambientais.
“Portanto, diante de todas as Notificações e Autos de Infrações expedidos pelo órgão ambiental, restou demonstrada a infringência às normas ambientais, sobretudo em razão da presunção de legitimidade e legalidade dos atos do Poder Público”, concluiu o relator em seu voto.

O curtume pode recorrer da decisão, que foi publicada no Diário Oficial nesta quarta-feira (16). A reportagem fez contato com a empresa, onde a informação prestada por telefone é de que o funcionamento está normal, e que só nesta sexta-feira alguém da direção poderá ser encontrado para falar do assunto.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions