A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

30/01/2013 12:30

Ministério Público investiga destino de chorume do aterro sanitário

Aline dos Santos
Gestão do lixo virou alvo de quatro investigações do MPE. (Foto: Luciano Muta)Gestão do lixo virou alvo de quatro investigações do MPE. (Foto: Luciano Muta)

O MPE (Ministério Público Estadual) vai investigar a destinação do chorume gerado pelo aterro sanitário Dom Antônio Barbosa II, em Campo Grande. Conforme o inquérito civil, será apurada a viabilidade ambiental de recebimento do chorume pela ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) Los Angeles e a eficiência do tratamento. A Prefeitura e a empresa Águas Guariroba deverão prestar informações.

Veja Mais
Descarte de lixo no aterro levará à nova ação contra contrato de coleta
MPE abre terceiro inquérito para investigar aterro e lixão

O chorume é o líquido poluente originário do processo de decomposição de resíduos orgânicos. O procedimento está sob a responsabilidade do promotor Eduardo Franco Cândia, da 26ª Promotoria de Justiça.

Neste ano, o MPE já abriu quatro investigações sobre o lixão e o aterro sanitário. O primeiro é sobre o processo licitatório vencido pela CG Solurb, que vai receber R$ 1,3 bilhão da Prefeitura para fazer a gestão dos resíduos sólidos por 25 anos.

Outro procedimento averigua a destinação final do lixo no aterro. E, por fim, o Ministério Público apura a adequação do licenciamento ambiental do aterro sanitário e a redução da espessura da manta impermeabilizante.

O aterro foi ativado em novembro do ano passado. A Justiça Federal chegou a suspender as obras, mas liberou o funcionamento após pedido de reconsideração da Prefeitura. Como a usina de triagem, que faz a separação dos materiais, funciona de forma improvisada, o aterro recebe todo o lixo, comprometendo a sua capacidade.




A questão levantada pelo Sr. Antonio possui um agravante: todos sabemos que o chorume contem uma altíssima carga de metais pesados que está indo agora, com esse desespero em se resover essa situação, para a ETE e agora com possibilidade desses contaminantes estarem sendo despejados num córrego que corta várias propriedades rurais, produtadoras de alimentos que consumimos. Isso tem que ser apurado de imediato sob risco de contaminação de milhares de pessoas que não tem nada a ver com possíveis maracutaias.
 
Roberson Ferraz em 30/01/2013 17:01:18
O Ministério Publico deve investigar também é o destino do lodo gerado na ETE Los Angeles. Toda estação de tratamento de esgoto gera lodo que deve ser removido, tratado e dado destino ambientalmente correto. No entanto a ETE Los Angeles até agora, 5 anos de operação, não gerou 1 grama de lodo sequer. Para onde está indo esse lodo gerado. Pelo que foi possível observar no Rio Anhandui a jusante do lançamento da ETE Los Angeles era possível ver bancos de lodos em alguns pontos. Tudo leva a crer que o lodo gerado está sendo propositadamente deixado de ser descartado e sendo diluído no Rio Anhandui.
 
Antonio Carlos Silva Sampaio em 30/01/2013 14:58:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions