A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

03/06/2016 08:34

MPF acusa falta de fiscalização e Justiça determina bloqueio de venda de carvão

Caroline Maldonado
Carvoarias são obrigadas a ter florestas próprias para preservar meio ambiente (Foto: Divulgação/MPF-MS)Carvoarias são obrigadas a ter florestas próprias para preservar meio ambiente (Foto: Divulgação/MPF-MS)

A Justiça Federal determinou que sejam bloqueadas as autorizações para venda de carvão vegetal nativo, lenha ou matéria-prima florestal produzidos em Mato Grosso do Sul. A medida é em resposta à solicitação do MPF/MS (Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul) e do MP/MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) e vale também para a produção de Minas Gerais.

Veja Mais
Temporal com chuva de 30 milímetros e vento forte alaga ruas de Dourados
Corpo de bombeiros trabalha em alerta para chuva e novos estragos

Segundo o MPF “constatou-se a omissão do poder público, quer em âmbito regional, quer nacional, no dever de fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental”. O órgão quer que seja cumprido o que é previsto no Código Florestal. As empresas são obrigadas a manter florestas plantadas de reflorestamento próprias para exploração racional sustentável.

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais) terá que bloquear definitivamente a emissão do DOF (Documento de Origem Florestal), que autoriza a comercialização para siderúrgicas, que não tenham o PSS (Plano de Suprimento Sustentável), sob pena de multa diária de R$ 23.350.

Em 60 dias, o Ibama deverá fiscalizar, bimestralmente, 20% das emissões dos documentos de responsabilidade do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e do IEF (Instituto Estadual de Florestas) de Minas Gerais.

O Ministério Público recorreu ao TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) para que a sentença seja válida para todo o território nacional. A ordem para o bloqueio dos DOFs já havia sido expedida em liminar de 2010, que foi suspensa no mesmo ano pelo TRF-3. O Ibama recorreu para reformar completamente a sentença.




Veio em boa hora, mas como não tem fiscalização fica tudo na mesma, ou seja vão acabar com as florestas nativas do estado que hoje tem somente 20% de sua cobertura original.
 
marco em 03/06/2016 09:04:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions