A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

08/01/2013 10:13

No Parque dos Poderes, revirar lixo vira hábito dos quatis

Carlos Martins
Quatis são atraídos pelos sacos de lixo colocados em cima das leixeiras (Foto: Rodrigo Pazinato)Quatis são atraídos pelos sacos de lixo colocados em cima das leixeiras (Foto: Rodrigo Pazinato)

Um bando de quatis foi flagrado pela reportagem mexendo nos contêineres que armazenam o lixo próximos a prédios de secretarias estaduais no Parque dos Poderes, cena que já ficou comum na região. Eles habitam a Reserva do Parque Estadual do Prosa, de 135 hectares. Os sacos são colocados nas lixeiras, mas como elas ficam superlotadas, muitas vezes eles são jogados em cima das tampas, o que facilita o acesso dos animais.

Veja Mais
Tempestade e fortes ventos devem atingir MS nesta quarta, alerta instituto
Durante a chuva de terça-feira, 69 mil raios atingiram Mato Grosso do Sul

A busca de comida no lixo é uma prática antiga dos quadris. Há alguns meses a reportagem do Campo Grande News fez fotos de um grupo de quatis se “banqueteando” com restos de comida tirados de sacos de lixo. À época, a assessoria de imprensa do Governo do Estado informou que provavelmente os sacos foram colocados em cima da lixeira porque os funcionários já estariam passando para recolher o material, mas que a determinação é de que os conteineres devem ficar fechados. As fotos feitas mais recentemente mostram que o problema continua.

De acordo com biólogos, alguns problemas podem ser apontados nesta prática de buscar e ingerir alimentos provenientes do lixo. Primeiro, o risco de os animais ficarem doentes, já que podem consumir restos de comida estragados. E também, o alimento pode desequilibrar a dieta do quati, deixando-os gordos, e, de certa forma, “preguiçosos”, inibindo o instinto natural de caça e sobrevivência. Em segundo lugar, o animal está deixando de pegar frutas na floresta e, consequentemente, não espalhará as sementes, responsáveis pela renovação da mata. Outro problema apontado é que a oferta de comida pode favorecer a reprodução, e o aumento da população pode provocar um desequilíbrio.

Conforme o gerente de Unidades de Conservação, Leonardo Tostes Palma, há cerca de dois anos as secretarias foram notificados por ofício para que tivessem cuidado para que os compartimentos não ficassem abertos e que os sacos não fossem deixados em cima das tampas. Na mesma época os responsáveis pelos prédios onde ficam localizadas uma creche, o MS Previ, entre outros órgãos, próximo à rotatória da Via Park (subida para o Parque dos Poderes), foram notificados porque o lixo era colocado em dois pequenos compartimentos, sem tampas. Ali, o problema foi resolvido. “Os dois pequenos lixões foram substituídos por dois contêineres grandes”, disse Leonardo.

Os animais rasgam os sacos em busca de comida (Foto: Rodrigo Pazinato)Os animais rasgam os sacos em busca de comida (Foto: Rodrigo Pazinato)

Secretarias orientadas - O prefeito do Parque dos Poderes, José Carlos Mira, disse que todas as secretarias localizadas no Parque dos Poderes estão orientadas a tomar cuidado e colocar os sacos de maneira adequada nos lixões. Embora os sacos despertem a curiosidade e sejam rasgados pelos quatis em busca de alimento, Mira diz que nos sacos não existem restos de alimentos porque, segundo ele, o pessoal que trabalha no Parque dos Poderes não faz as refeições no local.

“O problema maior era onde estão localizadas as creches, que fazem comida, mas isso já foi resolvido. No local foram colocados dois lixões grandes: um da creche e o outro da empresa que faz a coleta.”, disse ele, confirmando a informação do gerente de Unidades de Conservação, Leonardo Tostes Palma. Mira disse, também, que muitas vezes os sacos são manuseados por catadores de lixo em busca de material reciclável e depois não são colocados de maneira adequada. “Continuamos fiscalizando com as equipes do meio ambiente. Mas os quatis são terríveis, eles entram pelas janelas em busca de comida”, contou.

O quati é descrito pela literatura da fauna silvestre como um mamífero aparentado do guaxinim, possuindo, entretanto, um nariz mais comprido e um corpo mais alongado. Ele vive em bandos de oito a dez, é praticamente onívoro e se alimenta de minhocas, insetos e frutas. Sua dieta também inclui ovos, legumes e lagartos. Dorme no alto das árvores enrolado como uma bola e não desce antes do dia clarear.




Claro que eles vão mexer nos lixos, a mata que existe é pouca e ainda a construção civil vai destruindo aos poucos o que tem...
Trabalho aqui no Parque e almoçamos sim aqui na secretaria de marmitex, o que acumula lixo.
Aproveitando o espaço, gostaria de solicitar ao prefeito do parque, quebra molas nos trechos onde não tem foto sensor, na reta da TVE e na curva após a governadoria, pois os carros não respeitam a travessia dos quatis, morrendo muitos atropelados.
 
Juliana Taveira em 09/01/2013 08:12:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions