A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

28/03/2013 08:53

Obras de usina de triagem param e catadores voltam a trabalhar no lixão

Nyelder Rodrigues e Helton Verão
Área destinada para reciclagem está abandonada (Vanderlei Aparecido)Área destinada para reciclagem está abandonada (Vanderlei Aparecido)

Um ambiente vazio, com obras inacabadas e suspensas e catadores de materiais recicláveis sem trabalho. Esta é a realidade da UTR (Usina de Tratamento de Resíduos), que deveria ser concluída para dar mais dignidada às famílias que trabalham no lixão, às margens do macro anel rodoviário, entre as saídas de Sidrolândia e São Paulo.

Veja Mais
Moradores reclamam de lixão e prefeito promete novo aterro
Prefeitura rejeita TAC sobre lixão e MPT vai mover ação civil pública

A paralisação das obras obrigou os catadores a retomar ao trabalho no lixão. Cerca de 300 famílias dos bairros Dom Antônio Barbosa, Parque do Sol, Lageado e Cidade de Deus, dependem da coleta de papeis, latas e garrafas pets no aterro sanitário para sobreviver. 

Um dos poucos que continua na Usina em construção é Diego Namandu, de 21 anos. Ele conta que nem mesmo cinco catadores vão até a UTR para trabalhar com a seleção do lixo ali. Até quem tinha feito acordo com a Prefeitura para fazer a separação na usina já voltou para o lixão. 

“Aqui ta deserto, não tem movimentação nenhuma. O lucro aqui é baixo, e volta e meia vou no lixão também”, explicou Diego, que é catador há um ano.

 

Defensoria já tem conhecimento da suspensão do trabalho na UTR (Vanderlei Aparecido)Defensoria já tem conhecimento da suspensão do trabalho na UTR (Vanderlei Aparecido)
Catador conta que o rendimento é maior no lixão (Vanderlei Aparecido)Catador conta que o rendimento é maior no lixão (Vanderlei Aparecido)

Já o catador José Francisco da Silva, de 40 anos e que trabalha com recicláveis há um, optou ficar apenas no lixão e não migrar para a UTR. “Não compensa trabalhar na UTR. Nem experimentei. Muita gente desistiu e já ta no lixão de volta”, comentou.

Conforme o catador João Nilson, de 40 anos e trabalhando há seis no lixão, ali há mais materiais para serem coletados. Ele consegue faturar entre R$ 70 e R$ 80 por dia. O abandono da UTR também é acompanhado por Rosilene de Castro, de 41 anos, que mora em frente ao local.

Ela reclama do corte de água. Hoje, os moradores são obrigados a utilizar baldes para buscar em outros locais. O problema ocorre há oito dias. Rosilene revela que alguns estão usando a água de um córrego que passa nas proximidades. A moradora conta que um reservatório de água foi prometido à comunidade, mas nada foi feito.

Prefeitura - O secretário municipal de Infraestrutura, Semy Ferraz, informou, por meio da assessoria de imprensa, que a administração anterior inaugurou o local sem condições de funcionalidade.

Ele disse que a continuidade das obras da Usina de Tratamento de Resíduos depende da análise do prefeito Alcides Bernal quanto o prosseguimento do contrato com a empresa vencedora da licitação do lixo na Capital, o Consórcio Solurb.

Caso o contrato com a Solurb seja mantido, será exigido que uma usina com as condições adequadas seja construída. Se a Prefeitura optar pelo rompimento do contrato, será aberta nova licitação. Neste caso, será incluída uma cláusula especificando as normas para a construção da UTR.

A Prefeitura não se manifestou, até a publicação desta matéria, sobre a suspensão no fornecimento de água no local. 




O Sr. Eduardo Cruz está desinformado. A usina foi licitada em 2006 e em Dezembro, no afogadilho, o ex-prefeito librou o contrato e a ordem de serviço para a concessionária com apenas 20 % da obra da usina pronta e sem a menor condição de receber os catadores, seis anos após o início da construção. O ministério Público pra variar nada faz e as pessoas continuam, como a vinte anos atrás, sem o menos apoio e em condições desumanas, só são lembrados em época de campanha. É lamentável.
 
Roberson Ferraz em 28/03/2013 16:07:06
Me faltam palavras para expressar o desleixo dos poderes publicos para com os mais carentes de nossa sociedade! A usina oferece melhores condicoes para essas familias, um trabalho, assim que possivel, digno. Aqui na Alemanha a decadas o lixo é reciclado e os trabalhadores sao muito bem pagos pois o poder publico entendeu que o lixo é uma fonte quase inesgotavel de materia prima. A usina no Volkspark em Hamburgo, veja http://www.flickr.com/photos/21532948@N04/4659134879/ produz energia para aquecer todo o bairo chamado Stellingen, o estadio de futebol, a arena de shows, tem uma mini usina de producao de gas, (na foto aparece no canto de baixo, lado direito) que produz biogas de lixo biologico, produtos vencidos de supermercados e atacadistas. O Nelson Trad Filho estava no caminho certo e agora...
 
Eduardo Cruz em 28/03/2013 12:54:12
Isso é um absurdo. Uns 45% do lixo é reciclavel. Sem fazer uma tentativa séria de ativar uma usina de triagem, TODO vai para o aterro sanitário. Que assim, vai ficar cheio mais cedo do que projetado, o que vai forçar a construção antecipada de outro aterro. O que vai gerar mais despesas para o cidadão. Se é para ter aterro sanitário (e é pata ter isso, para preservar a agua subterraneo, que muitos bebem, e para evitar doenças espalhadas por bichos fuçando lixo no lixão) então é para ter também um trabalho serio para evitar que material reciclavel acaba ocupando o espaço precioso do aterro.
Se prefeitura e Solurb não se importam, que o ministerio publico vai atras com agilidade! Isso era para ser resolvido ANTES do aterro sanitário começar a funcionar!
 
Marcos da Silva em 28/03/2013 10:02:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions