A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

18/08/2014 13:39

Onças-pintadas assustam cidade e armadilhas continuam pelo 13º dia

Viviane Oliveira
Uma das aparições da onça-pintada que foi flagrada pela câmera instalada pelo Comitê. (Foto: reprodução/Facebook)Uma das aparições da onça-pintada que foi flagrada pela câmera instalada pelo Comitê. (Foto: reprodução/Facebook)

A tentativa de capturar as onças-pintadas que estão sendo avistadas pela população em áreas urbanas de Corumbá, distante 419 quilômetros de Campo Grande, entrou nesta segunda-feira no 13º dia. De junho para cá pelo menos sete felinos já foram flagrados rondando, sempre no período noturno, várias regiões do município.

Veja Mais
Pescadores gravam onça abocanhando peixe no Pantanal
Onças fogem da cheia no Pantanal e viram fenômeno urbano em Corumbá

Segundo o presidente do Comitê de Incêndio Florestais de Animais Silvestres, o major do Corpo de Bombeiros Fábio Catarineli, as onças estão buscando refúgio na cidade devido à cheia do Pantanal.

A primeira aparição de um felino, segundo o major, foi no Forte Junqueira, no Centro. Nesse local, duas armadilhas foram montadas, com aproximadamente 50 centímetros de distância uma da outra, para tentar capturar o bicho e levá-lo para um lugar seguro em seu habitat. Foram colocadas câmeras nas armadilhas para registrar se o animal esteve por ali.

Também foi instalada uma armadilha na região da avenida Rio Branco, onde o animal já foi visto e até filmado por um motorista que passava pelo local. “No total são três armadilhas com iscas e câmeras fotográficas para saber se o animal está na região e tentar capturá-lo”, destaca o major.

Neste fim de semana o Corpo de Bombeiros foi acionado três vezes por moradores que avistaram o felino na região da Cacimba da Saúde, no bairro Cervejaria e duas em Ladário. “Os avistamentos são sempre no período noturno e em horários diferentes”, explica Fábio.

Samah passeava de barco, quando avistou a onça atravessando o rio. (Foto: reprodução/Facebook)Samah passeava de barco, quando avistou a onça atravessando o rio. (Foto: reprodução/Facebook)

Por dia, pelo menos 15 pessoas, entre bombeiros, pesquisadores, Polícia Militar Ambiental, funcionários da Embrapa, estão envolvidos na operação. “Todo dia é feita a manutenção da armadilha, como a troca das iscas que são carcaças de animais e a captura de imagens para saber se a onça pintada esteve no local”, explica.

No começo de junho foi feita a captura de uma onça com dois filhotes, que estavam em um quintal em meio a uma vila de casas. A mãe morreu após ser sedada e cair no rio Paraguai. Os dois filhotes foram encaminhados para o Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), na Capital.

A tendência é que com a redução da cheia, os animais voltem a atravessar o rio e deixem as áreas mais ligadas a cidade, enquanto isso, o Comitê tenta capturar as onças e removê-las para lugar seguro, pois depois da cheia vem a questão das queimadas.

Selfie no Pantanal - Enquanto as autoridades tentam capturar os bichos que estão rondando a cidade, no meio do Pantanal, encontrar uma onça pintada é alegria de moradora. A empresária Samah Ziad fez uma selfie com uma onça-pintada ao fundo cruzando o rio Paraguai, próximo a Baía do Tuiuiú, em Corumbá.

Ela passeava de barco quando fez o registro do animal em seu habitat natural no início da tarde de ontem (17). “A sensação é única, me sinto privilegiada de ver um animal tão lindo de perto”, resume.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions