A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

06/06/2012 14:19

Pela 1ª vez, Cras abriga cachorro-vinagre, bicho em risco de extinção

Mariana Lopes

O animal será encaminhado ao Criadouro Onça Pintado, em Curitiba, para reintegração ao ambiente natural dele

O cachorro-vinagre tem as patas com membranas interdigitais (Foto: Minamar Júnior)O cachorro-vinagre tem as patas com membranas interdigitais (Foto: Minamar Júnior)

Em 24 anos, pela primeira vez o Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) de Campo Grande abriga um cachorro-vinagre, animal em risco de extinção.

Segundo a bióloga do Cras, Nara Teodoro Pontes, ele foi entregue há dois meses em uma fazenda em Corumbá, por um caminhoneiro que o confundiu com um cachorro doméstico. Após os donos da propriedade perceberem que se tratava de uma espécie de animal silvestre, o entregaram ao Centro de Reabilitação.

O cachorro-vinagre, que recebe esse nome por causa da cor e do odor forte e característico, está com quase quatro meses de vida e prestes a ser encaminhado ao Criadouro Onça Pintada, em Curitiba, para reintegração ao habitat natural. De acordo com Nara, ele é um animal típico do Cerrado.

“Ele ainda está muito dócil, não sobreviveria na mata”, afirma a bióloga. Segundo ela, em casos como este, no qual o animal é encontrado em área que não seja urbana, o correto é deixá-lo no local. Se for próximo a estradas, Nara orienta a tentar colocá-lo próximo à margem para que ele volte à natureza.

O bicho tem 4 meses, segundo os funcionários do Cras, e cresce de 40 a 50 centímetros (Foto: Minamar Júnior)O bicho tem 4 meses, segundo os funcionários do Cras, e cresce de 40 a 50 centímetros (Foto: Minamar Júnior)
A bióloga Nara explica que o cachorro ainda está muito dócil e não sobreviveria na mata (Foto: Minamar Júnior)A bióloga Nara explica que o cachorro ainda está muito dócil e não sobreviveria na mata (Foto: Minamar Júnior)

Por ser o primeiro da espécie a chegar ao Centro de Reabilitação, a bióloga conta que houve dificuldade por não conhecerem os hábitos do animal. “Tivemos que pesquisar muito sobre ele, e ainda estamos descobrindo o bicho”, diz.

Como todo filhote, o jeito meigo e um tanto desengonçado do cachorro-vinagre chamou a atenção dos funcionários do Cras. “Dá até vontade de brincar com ele, mas daí a gente prejudica o animal, porque ele não pode criar laços com humanos”, explica Nara.

A médica veterinária do Cras, Claudia Regina Macedo Coutinho Netto, diz que o canino, quando no habitat natural, tem o perfil agressivo e arredio. “Como ele é filhote, ainda é muito dependente, então cria laços muito fácil, mas geralmente ele vive solitário na mata”, conta.

A espécie, segundo Claudia, pode crescer de 40 a 50 centímetros de altura, e não passa de 60 centímetros de comprimento. A espécie tem patas com membrana interdigitais, que permite que o cachorro seja mais ágil na água. No Cras, ele é alimentado de carne, frutas e leite. Na natureza, a principal presa do cachorro-vinagre são pequenos roedores e aves.




vamos lutar por esse animal raro
 
Joílson da silva em 07/06/2012 11:37:27
Isso e um absurdo e nao concordo de levarem este animal que so ocorre no serrado para curitiba seu lugar e no pantanal aonde provavelmente deve estar seus pais e outro da mesma especie.
 
sebastiao macedo em 07/06/2012 11:30:50
Bom, se é um animal raro e seu habitat é o Cerrado, foi encontrado aqui no MS PORQUE VAI LEVA-LO A CURITIBA ??? não temos profissionais capacitados para cuida dele ?? não seria o ideal reintroduzi-lo no seu HABITAT NATURAL, SENDO O CERRADO, AQUI NO NOSSO ESTADO ?? não quero ser chato nemmmm desconfiado, mas é necessário argumentos mais convincentes...
 
JOÃO FELIPE RODRIGUES em 07/06/2012 11:10:51
Boa matéria e acredito que mereça ser distribuída nacionalmente pelo fato inédito e grande curiosidade que causaria com perguntas, como a do Gilberto Lechuga: “Se é um animal típico do cerrado, qual a razão de ser enviado para Curitiba, que não é cerrado, para poder ser reintegrado a seu habitat?” E a do Walfrido Tomaz: “Este animal ocorre em grande parte do Pantanal, sempre em baixas densidades. Deveria ser reintroduzido em área dentro da Planície onde a espécie tem sido registrada. O que não pode é ser reintroduzido na natureza em outro estado do Brasil, até porque existe uma certa diferenciação genética entre populações do Paraná e do Pantanal”. Essa matéria pode render outra com os esclarecimentos do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras).


 
Ruy Sant'Anna em 07/06/2012 10:32:22
por se tratar de especie rara, esta entao é de grande valia. entao nao tente fazer as pessoas de besta e fakar que vai ser melhro manda para um estado com caracterisca de habitat diferenciada do cerrado existente no MS. aí tem algo mais, aí tem coisa.. quem esta ganhando para mandar esse raroo animal para lá? quem definiu isso? é logico que um porfissional de entedimento minimo vai saber disto!!!!
 
JOYCEMARA CARRERA DA CUNHA em 07/06/2012 10:29:26
... a nao ser que tenha outras motivos omitidos. mas , é fato, que qualquer leigo sabe que, qualquer animal deve permanecer em seu habitat, e logicamente como foi encontrdo no MS, ficará no MS, ou no maximo, em outro local de caractetistica de habitat semelhante ao que foi encotnrado. pergunta-se , onde tem cerrado no Brasil? e ali que tede ficar! Fala aí gente, aí tem!!!! nao é logica essa atitud
 
JOYCEMARA CARRERA DA CUNHA em 07/06/2012 10:26:45
o cachorro vinagre, de fato, esta em extinsao. é caracteristico do cerrado e nao encontrado em qualquer cerrado. Sou contraria a ideia deste animal ser levado para outro estado com carceristcas diferenciadas. Se ele foi encotnrado no MS, caracteristico do cerrado , porque ele irá para no PR, cuja carceritca biologica é diferenciada como clima e vegetação, resumindo - habitat diferente?
 
JOYCEMARA CARRERA DA CUNHA em 07/06/2012 10:23:27
Eu tbm conhece um pouco sobre os animais e do meio ambiente, e confesso tbm não entender o porque do encaminhar esse animal p/ Curitiba, já que o habitar dele é em regiões de cerrado. Será que não tem interesses pessoais ou laços financeiros entre esses órgãos?
 
Evaldo Lino Leite em 07/06/2012 09:22:52
Não sou biologo nem veterinário, mas representante comercial.

Enfim, sou leigo, e quero saber o seguinte:

se é um filhote de cachorro-vinagre, então significa dizer que ele tem pai e mae aqui no pantanal, certo? ou seja, não é o único!

inclusive porque outros da mesma espécie por aqui já foram encontrados.

pergunto: PORQUE LEVAR PARA OUTRO ESTADO? QUEM TEM A PALAVRA FINAL SOBRE ISSO?

 
José Antonio da Silva em 07/06/2012 09:19:05
É amigos, a única coisa que nosso estado consegue cuidar e de bandidos que vem de outros estados, dos nossos animais silvestres não se pode em que ir pra outro lugar!
 
anderson silva em 07/06/2012 08:50:22
se foi achado em mato grosso do sul o por que de encaminha-lo para outro estado temos que soltar ele em sei habitat de origem que e o cerrado e em ms
 
niltlon lopes em 07/06/2012 07:22:18
deveria ser reintroduzido no nosso clima, esse animal é uma mosca branca (raro), ultimo registro que ouvi falar pantanal de mato grosso quase 10 anos atrás . boa sorte vinagre ...
 
luiz carlos migliano em 07/06/2012 05:41:58
Continuando. Devido a isso, a melhor forma de garantir que a espécie perpetue são os programas de reprodução em cativeiro. Não seria prudente simplesmente soltá-lo na natureza.
 
Nara Teodoro Pontes em 07/06/2012 01:50:22
Como foi comentando pela biologa Nara, o animal vai mesmo ser encaminhado ao Criadouro Onça Pintanda em Curitiba/PR porque a orientação que recebemos do CENAP. O cachorro vinagre não será solto na natureza e sim fazer parte de um projeto de reprodução para furura soltura dos filhotes. O comportamento está muito comprometido e inteferido pelas maneira que foi criado antes de chegar CRAS.
 
Elson Borges em 06/06/2012 10:15:59
Talvez tenha destinos mais adequados para este animal tão raro, não?
 
Guilherme Mourão em 06/06/2012 07:06:31
Este animal ocorre em grande parte do Pantanal, sempre em baixas densidades. Deveria ser reintroduzido em área dentro da Planicie onde a espécie tem sido registrada. O que não pode é ser reintroduzido na natureza em outro estado do Brasil, até porque existe uma certa diferenciação genética entre populações do Paraná e do Pantanal.
 
Walfrido Tomas em 06/06/2012 06:08:22
È Gilberto ...boa pergunta.
 
Marcia Tinta em 06/06/2012 05:19:02
tambem fiquei intrigado com o destino do bichinho...
 
darci casara em 06/06/2012 05:18:17
Só uma dúvida.

Se é um animal típico do cerrado, qual a razão de ser enviado para Curitiba, que não é cerrado, para poder ser reintegrado a seu habitat?
 
Gilberto Lechuga em 06/06/2012 04:50:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions