A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

07/11/2012 09:16

PMA começa a fiscalizar amanhã estoque de pescado

Paula Maciulevicius
Durante período de proibição de pesca, PMA vai contar com efetivo de 360 militares fiscalizando. (Foto: Divulgação/PMA)Durante período de proibição de pesca, PMA vai contar com efetivo de 360 militares fiscalizando. (Foto: Divulgação/PMA)

A PMA (Polícia Militar Ambiental) começa as fiscalizações de estoque de pescado já na manhã desta quinta-feira. Peixarias, postos de venda, restaurantes e hotéis estão na mira dos policiais que vão conferir se a quantidade declarada bate com o pescado armazenado nos estabelecimentos.

Veja Mais
Em 7 dias, choveu 56% do esperado para o mês em município do interior
Quinta-feira de tempo instável, com chuvas durante todo o dia e máxima de 37ºC

O prazo para declaração se encerrou nessa terça-feira (06) um dia depois do início da proibição da pesca pela Piracema.

Segundo a PMA, o controle de estoque dos estabelecimentos que comercializam pescado será feito de maneira mais efetiva, para evitar tanto peixarias que possam adquiram pescado irregular, quanto a captura nos rios.

A partir de amanhã qualquer estabelecimento que conserve pescados será monitorado constantemente por policiais militares ambientais que vão dar baixa nos estoques em Campo Grande e pelos municípios do interior do Estado.

A legislação prevê penas administrativas para quem não declarar o estoque, inclusive a apreensão de todo produto. As penalidades vão desde multa de R$ 700 a R$ 100 mil para quem for pego pescando em período ou local de pesca proibida ou deixar de apresentar a declaração de estoque.

Piracema - A pesca nos rios que cortam Mato Grosso do Sul estão proibidas desde a última segunda-feira (05) e segue até o dia 28 de fevereiro, para a piracema, período de reprodução dos peixes.

Além da proibição, fica estabelecida a cota diária de três quilos ou um exemplar de qualquer peso, respeitados os tamanhos mínimos de captura estabelecidos para cada espécie, apenas para fins de subsistência. A cota estabelecida não se aplica às espécies como Tilápia, Tucunaré e Bagre Africano.

Não entram na proibição a pesca de caráter científico, previamente autorizada pelo Ibama ou pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul); a despesca, o transporte, a comercialização, o beneficiamento, a industrialização e o armazenamento de peixes, com a comprovação de origem, provenientes de aquicultura ou de pesque-pague licenciado junto aos órgãos competentes e registrado no Ministério da Pesca e Aqüicultura, bem como do pescado previamente declarado e a pesca de subsistência, assim considerada, aquela exercida por pescador artesanal ou população ribeirinha com finalidade de consumo doméstico.

A fiscalização neste período vai contar com 360 policiais que vão além de monitorar os estoques, patrulhar as áreas consideradas de risco de maior ocorrência de crimes ambientais.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions