A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

30/11/2012 12:45

PMA investiga mortandade de peixes em córrego na região da Gameleira

Mariana Lopes
Além do produto poluente, o córrego está bastante sujo (Foto: Reprodução SBT MS)Além do produto poluente, o córrego está bastante sujo (Foto: Reprodução SBT MS)

Diante da denúncia de que peixes estavam morrendo no córrego Anahnduí, próximo à região da Gameleira, em Campo Grande, a Polícia Militar Ambiental investiga a causa da mortandade e, na manhã desta sexta-feira (30), realizou a segunda vistoria no local para tentar encontrar o provável ponto de lançamento do produto que poluiu a água.

Veja Mais
Domingo será de calor e chuvas com trovoadas em todo o MS, alerta instituto
Temporal com chuva de 30 milímetros e vento forte alaga ruas de Dourados

De acordo com a PMA, curimbatás de quase três quilos foram encontrados boiando no córrego, e a mortandade teria sido provocada por um lançamento pontual de algum produto poluente. A principal suspeita da Polícia é de que sejam resíduos de fossa que foram despejados por alguma empresa do ramo.

Foi recolhida amostra da água do córrego que será entregue à Imassul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) para a análise dos poluentes. O caso também será encaminhado à Decat (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Ambientais e Proteção ao Turista).

Contudo, de acordo com o assessor de comunicação da PMA, Major Ednilson Queiroz, mesmo com a coleta da água, o exame pode ser prejudicado por causa da demora na análise do conteúdo. “Quanto mais tempo leva para analisar, menores são os resquícios que ficam”, explica o major.

curimbatás foram encontrados boiando no córrego Anhanduí(Foto: Reprodução SBT MS)curimbatás foram encontrados boiando no córrego Anhanduí(Foto: Reprodução SBT MS)
PMA recolheu amostra da água para encaminhar à Imasul (Foto: Reprodução SBT MS)PMA recolheu amostra da água para encaminhar à Imasul (Foto: Reprodução SBT MS)

O risco de mais mortandade no córrego é praticamente zero, segundo o major. “Ainda não localizamos a fonte de lançamento, mas dá para afirmar que foi pontual, pois se fosse algo constante ainda estaria morrendo peixe, e não é o caso, ou seja, não poluiu o córrego todo”, afirma Queiroz.

Na região onde os peixes foram encontrados boiando também há muita sujeira, como garrafas pet e outros dejetos. A PMA recebe denúncias de crimes ambientais pelo telefone (67) 3357-1500.




O que indigna é que nas cidades não existe uma punição severa quanto nas áreas rurais,
nas cidades, pode se jogar esgoto nos córregos e lixo para todo o lado..
 
Junior Pereira em 03/12/2012 08:54:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions