A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

22/09/2014 20:57

Projeto recupera microbacias do Taquari, apesar de não acabar com degradação

Liana Feitosa

Atualmente, a Bacia do Alto Taquari sobre com considerável estágio de degradação dos recursos natural na região. Para amenizar a situação, a Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) desenvolve ações de recuperação em sete microbacias por meio de recursos repassados pela ANA (Agência Nacional das Águas).

Veja Mais
Apesar de nativa e do apelo afetivo, guavira está sumindo do Cerrado
Abraço coletivo alerta para importância da preservação de árvores

Sete cidades do norte de Mato Grosso do Sul são beneficiados com as técnicas que oferecem conservação do solo e da água, adequação de estradas rurais, além de buscarem a recuperação de de APPs (Áreas de Preservação Permanente). As ações também buscam a recuperação e estabilização de voçorocas, que são barrancos formados por erosões decorrentes da falta de vegetação.

Imagem indica como estava área antes do projeto de recuperação. (Foto: Divulgação)Imagem indica como estava área antes do projeto de recuperação. (Foto: Divulgação)
Projeto deve ser concluído em dezembro. (Foto: Divulgação)Projeto deve ser concluído em dezembro. (Foto: Divulgação)

Entre as ações está o terraceamento de 8.600 hectares, que é a construção de rampas de nível nos terrenos para controlar a erosão. A implantação de 172 km de cercas para isolar APPs também está sendo feita, assim como a adequação de quase sete quilômetros de estradas rurais e a recuperação de 28 voçorocas por meio da construção de estruturas parecidas com terraços embutidos no entorno das voçorocas.

Segundo a Agraer, até o final do ano pretende-se restabeler as microbacias do córrego Torrinhas, em Coxim; do córrego Pinguela, em Alcinópolis e do córrego Lobo em Pedro Gomes. Na cidade de Rio Verde de MT está sendo recuperado o córrego Rio Verde, já em São Gabriel do Oeste as obras beneficiam o córrego Manso e, em Camapuã, o córrego Barroso. O Rio Bonito, em Figueirão, também recebe as melhorias ambientais.

De acordo com o coordenador técnico regional da Agraer, Oscar Serrou Camy Junior, os trabalhos encontram-se adiantados em sua execução e o objetivo é concluir até dezembro deste ano.

Para a agência, o projeto não resolve o problema ambiental de toda a bacia, mas apresenta técnicas que são alternativas viáveis para amenizar a situação e, se forem desenvolvidas de maneira planejada, podem oferecer parâmetros para processos mais aprofundados de recuperação.

Para Oscar, a situação só pode ser completamente revertida se for feito investimento pesado de recursos, além de buscar a integração e articulação institucional envolvendo os municípios da região. "Somando a isso um projeto factível que envolva os proprietários com contrapartidas obrigatórias que os envolva como parte imprescindível do processo", conclui.

Imagem indica área antes de implantação de projeto de recuperação, em 2011. (Foto: Divulgação)Imagem indica área antes de implantação de projeto de recuperação, em 2011. (Foto: Divulgação)
Atualmente, área tem vegetação recuperada graças ao projeto. (Foto: Divulgação)Atualmente, área tem vegetação recuperada graças ao projeto. (Foto: Divulgação)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions