A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

04/08/2014 14:34

Secretaria pede à Agetran para sinalizar área onde vivem macacos

Viviane Oliveira
Macaco, que vive ema área particular, no prologamento na Victor Meireles, no Jardim Itamaracá (Foto: Marcos Ermínio)Macaco, que vive ema área particular, no prologamento na Victor Meireles, no Jardim Itamaracá (Foto: Marcos Ermínio)

A Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) vai fazer estudo para saber se o espaço onde vivem dezenas de macacos-pregos e saguis, localizada no prolongamento da Vitor Meireles, no Jardim Itamaracá, é de interesse ambiental, pois o local é uma área particular. Além disso, o órgão vai encaminhar ofício para a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) solicitando providências quanto a sinalização reivindicada pelos moradores da região.

Veja Mais
Depois das capivaras, macacos invadem ruas e dão show em bairro
Previsão é de semana chuvosa em Campo Grande e na maior parte de MS

Por se tratar de um espaço particular, a qualquer momento pode ser realizada uma construção no local. O major da PMA (Polícia Militar Ambiental) Ednilson Queiroz explica que no futuro os animais podem desaparecer dali para procurar fragmentos de floresta em outra região, próxima dali. “O ideal seria que os bichos fosse removidos para uma área de proteção ambiental”, destaca.

No entanto, o major destaca que a ação da Prefeitura não é comum, pois quando começa o processo de urbanização os próprios animais procuram a sobrevivência e se adaptam em outro local com mata. "Porém, o espaço perde uma área de reprodução", lamenta Queiroz.

Na saída para Três Lagoas, atrás do Damha I, uma passarela foi feita para os primatas andarem de um lado para o outro da mata, para não correrem o risco de serem atropelados. (Fotos: Marcos Ermínio) Na saída para Três Lagoas, atrás do Damha I, uma passarela foi feita para os primatas andarem de um lado para o outro da mata, para não correrem o risco de serem atropelados. (Fotos: Marcos Ermínio)

Em Campo Grande, basta dar uma volta na cidade para ver a quantidade de animais silvestres que se acostumaram a dividir espaço com o homem. Na região do Lago do Amor, por exemplo, as capivaras até param o trânsito para atravessar, tranquilamente, a rua com a família.

Na saída para Três Lagoas, atrás do residencial Damha I, uma passarela foi feita para os primatas andarem de um lado para o outro da mata, sem correr o risco de ser atropelamento. 

Os macacos, que são extremamente inteligentes e ativos, dão show de simpatia, no entanto, o processo de urbanização preocupa, principalmente para quem gosta de conviver com a natureza. “O ideal seria a fazer aqui, também uma passarela”, sugere a dona de casa, Lurdes Nicola, 52 anos, que mora na região do Itamaracá.




Na rua Dr. Miguel Vieira Ferreira, no Jardim das Acácias, temos situação grave também: travessia frequente de quatis e alta velocidade em uma curva. Ali também não há calçamento e as pessoas, inclusive crianças que voltam de escolas, caminham na rua. A Agetran poderia analisar a situação.
 
Fabio Pellegrini em 04/08/2014 18:07:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions