A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

09/01/2013 12:41

Sem UTR concluída, catadores querem liberação de entrada no lixão

Medida seria um improviso para garantir a renda de cooperados da UTR e diminuir impacto ambiental de todo o lixo jogado no aterro enquanto UTR não fica totalmente pronta

Paula Vitorino
Aterro foi inaugurado em dezembro. (Foto: Luciano Muta)Aterro foi inaugurado em dezembro. (Foto: Luciano Muta)

Em meio ao trabalho no improviso e vendo 99% do lixo de Campo Grande ser jogado diretamente no aterro, os catadores pedem que um grupo tenha permissão para entrar no local, separar o que pode ser reaproveitado, e levar para a UTR (Unidade de Tratamento de Residuos). Os ex-catadores tinham ameaçado invadir o lixão hoje.

Veja Mais
Em protesto por causa de vaga, catadores ameaçam invadir aterro
Catadores que invadiram área pública querem reunião com Bernal

“Aquilo lá está quase virando uma montanha de lixo novamente. Oferecemos para entrar com 40 homens lá para pegar o reciclável, mas não aceitaram”, diz o ex-catador e hoje funcionário da cooperativa de reciclagem, Fabio de Castro, 27 anos, catador.

A medida seria uma alternativa temporária enquanto a Usina não fica pronta e funciona adequadamente. Como a UTR não está pronta e não existe esteiras, os catadores só tem acesso aos resíduos que são coletados pelos caminhões de coleta seletiva, o que representa 7 a 8 toneladas – cerca de 1% do total de 780 toneladas de lixo produzidas pela Capital.

“É como jogar um monte de coisa na frente da minha casa e não limpar nunca. Se não tiver ninguém para separar, vai acumular muito lixo lá”, diz a ex-catadora e mulher de um funcionário da cooperativa, Vanessa Feira, de 30 anos.

O certo, e previsto no projeto de fechamento do lixão, é que todo o lixo dos caminhões de coleta da cidade fossem depositados primeiro em esteiras, na UTR, onde os catadores fariam a separação do que é reciclável e só depois o restante iria definitivamente para o aterro.

“Daqui um mês não vai nem existir mais esse buraco de tanto lixo que jogam lá dentro. Eles despejam tudo lá, é um volume muito grande, e com os catadores lá dentro reduziria muito o volume de lixo”, diz o comprador de reciclável, Luiz Henrique Furlan Berrocal.

Social e Ambiental – O superintendente da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), Pedro Teruel, diz que a preocupação do depósito quase total no aterro é social e ambiental. “Os trabalhadores ficam sem os materiais para trabalhar e os produtos que poderiam ser reciclados são jogados no aterro”, diz.

A ex-catadora Vanessa Feira defende que os trabalhadores entrem no lixão para separar o material apra garantir a renda dos funcionários. “O material na Usina ainda é pouco e não conseguimos ver o dinheiro ainda. Antes a gente recebia por semana, e agora nada”, diz.

A nova titular eleita pelo prefeito para a Secretaria de Assistência e Cidadania, Thais Helena (PT), disse hoje que fará um cadastro das famílias que tiveram a renda prejudicada será feito e que uma das alternativas será oferecer cursos profissionalizantes para trabalharem em outras áreas.

Ontem Teruel visitou o local e irá elaborar um relatório sobre a visita para encaminhar à Prefeitura e órgãos responsáveis, como Ministério Público e Corregedoria Geral da União.

Ele esclareceu que a Funasa não tem papel de fiscalizar o andamento do serviço, mas que o relatório pode servir de base para os órgãos responsáveis. A Funasa acompanha a situação desde que firmou convênio de R$ 3 milhões com a Prefeitura para serem destinados a 1/3 da construção do aterro e tratamento ambiental do antigo lixão.

O órgão cobrou a administração municipal para que até março apresente a decisão sobre o que fará com o restante de mais de R$ 2 milhões que está em conta e não foi utilizado.

Conclusão do projeto – A Solurb informou que não tem poder para autorizar a entrada dos catadores no aterro porque a licença ambiental proíbe a presença de pessoas no local que não sejam funcionárias da Solurb. Ontem, o prefeito Alcides Bernal (PP) cogitou a possibilidade de permitir a entrada de trabalhadores no local provisoriamente.

A previsão é que a UTR seja concluída em agosto, de acordo com a Prefeitura, que é responsável pelas obras. Em seguida, a Solurb garante que irá equipar a Usina com as esteiras e equipamentos necessários para que separação e destinação final dos resíduos sejam feitas adequadamente.

Já a coleta seletiva na cidade será implantada gradativamente, independente do processo de funcionamento da UTR. Hoje existem três setores da cidade que recebem a coleta. A partir de fevereiro serão quatro.

O encarregado operacional da empresa, Gustavo Pitaluga, ainda afirma que o atraso no funcionamento adequado de todo o sistema não irá diminuir o tempo de vida do aterro, já que ele foi construído para ser utilizado de forma provisória, por 7 anos, prevendo receber o total de 780 toneladas de lixo.

Ainda este ano deve começar a ser construído o aterro permanente, chamado de Ereguaçu, e que terá o tempo de vida de 25 anos.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions