A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

19/12/2012 12:10

Só um consórcio apresenta proposta para inspeção veicular na Capital

Luciana Brazil
Consórcio deverá fazer durante 20 anos a inspeção veicular no município. (Foto:Minamar Júnior/Arquivo)Consórcio deverá fazer durante 20 anos a inspeção veicular no município. (Foto:Minamar Júnior/Arquivo)

O consórcio Inspecionar, composto por três empresas, foi o único a apresentar na manhã desta quarta-feira (19) propostas de preços e a documentação exigida pela licitação da prefeitura de Campo Grande que contratará, na modalidade concessão, a inspeção ambiental veicular no município.

Veja Mais
Propostas para implantação da inspeção veicular serão abertas hoje
Inspeção veicular tem debate acalorado na Assembleia Legislativa

Se for confirmado, na análise de documentos e propostas, o consórcio fará durante 20 anos a fiscalização ambiental nos automóveis da cidade. O resultado da concorrência será publicado amanhã (20) no Diogrande (Diário Oficial do Município).

O valor mínimo de outorga, que será pago à prefeitura, é de R$10 milhões, Para os motoristas, o valor da inspeção será de R$ 67 pagos anualmente, ao fazer o licenciamento.

A empresa sul-mato-grossense Ivex Inspeção Veicular Ltda, Otimiza Sistemas Ltda, de Belo Horizonte e a empresa Cotran Controle de Transportes do Rio de Janeiro, integrantes do consórcio, serão as novas responsáveis pela inspeção ambiental de emissões de gases e de ruído emitidos por veículos em Campo Grande.

O serviço prevê lucro para empresa de R$ 503 milhões no período de 20 anos, ou seja, R$ 25 milhões por ano.

O processo de licitação para a inspeção veicular chegou a render audiências públicas e mandados de segurança para anular o edital da concorrência. Algumas discussões giraram em torno da mudança no critério de seleção da nova concessionária. Antes, o certame era de técnica e preço, modificado apenas para preço.

Outra questão, supostamente ilegal, era o prazo de 30 dias entre o lançamento do edital e abertura das propostas, que estaria contrario a Lei Federal de licitações.

A empresa paulista Ice Cartões Especiais Ltda, ingressou com mandado de segurança para anular o edital, porém a justiça negou o pedido. O juiz da 6° Vara de Fazenda Pública, Fernando Paes de Campos, julgou improcedente.

O juiz alegou que o prazo para a legação das propostas pode ser feita 30 dias após a abertura da licitação.

O deputado Estadual Paulo Corrêa (PR) convocou uma audiência pública para questionar a motivação da licitação, já que o Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) determina que a inspeção seja feita em municípios com frota maior que três milhões de veículos.

Campo Grande tem 429 mil automóveis, são 510 veículos para cada mil habitantes.

À época, o deputado argumentou também a mudança de objeto do edital.

O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Cristaldo, justificou a mudança e afirmou que a alteração foi feita para facilitar, já que as técnicas utilizadas e os equipamentos, que antes continham no edital, são muito parecidas.

O deputado Paulo se posicionou "totalmente" contra a criação do plano de inspeção veicular e mais ainda contra a taxa que deverá ser cobrada.

A taxa para o serviço de inspeção, que já havia sido estipulado por um decreto do prefeito Nelson Trad Filho (PMDB), foi um dos pontos críticos também salientados pelo deputado durante a audiência pública. "Por que já foi definida uma taxa, se ainda não foi feita a concorrência?", questionou Corrêa. Segundo ele, o imposto está "disfarçado de inspeção veicular.




Isso e ridiculo, palhaçada desses nossos governantes todos corruptos, tão achando o que que dinheiro nasce em arvore, alem de pagarmos um salario de marajá pra esses malandros, temos que pagar mais impostos.
 
Helvis saavedra em 20/12/2012 08:43:28
Mais uma taxa para enriquecer quem está no poder. safadesa generalizada. É cota, impostos, taxas, bandidagem, etc, a classe média não para de sofrer. O que ganha o povo com mais essa porcaria? Ridículo!
 
Gustavo Ribeiro em 20/12/2012 08:20:17
Isso é mais um mecanismo de tirar dinheiro do povo!!!Uma cidade como Campo Grande onde temos orgulho de dizer que é a Cidade mais arborizada do país, não necessita disto por enquanto não sofremos com poluição como São Paulo capital,onde ali sim se faz necessária pois tem um frota de carros pesada para a cidade. Deputados não deixe que eles roubem dinheiro do povo.
 
André Luiz em 20/12/2012 08:14:32
Mais um imposto,mostrar serviço para a populaçao campograndense que é bom nada.
 
moacir torres em 20/12/2012 02:38:12
Isso é uma palhaçada...
Com certeza tem gente mordendo por fora pra nao de alguma forma vetar isso..
Não é possivel..
Campograndenses.. temos que fazer um movimento contra tudo isso..
ou entao temos que chamar um "Adam Lanza" para resolver essa situação..
 
Luiz Alvaro em 19/12/2012 23:06:50
Quem inventou estacionamento nas ruas sem guarda, pode tudo. Um dia Deus cobrará.
 
luiz alves em 19/12/2012 22:16:08
Esse prefeito é mesmo um brincante juntamente com alguns vereadores que se dizendo "preocupados" com a população congelaram o IPTU, e olha só o que inventaram. O povo só vai para rua quando se trata de jogo de futebol e carnaval. Enquanto isso os nossos políticos "trabalham por nós".
 
Alicio Lima em 19/12/2012 19:31:51
Sou contra este abuso! Mais uma taxa para o povo pagar e os nossos representantes cadê?

Parabéns ao Deputado Paulo Corrêa por tentar impedir mais esta taxa.
 
RONILÇO GUERREIRO em 19/12/2012 18:47:51
Brasileiro é igual manequim de alfaiate, é o ferro entrando e ele achando graça... Lamentável o povo assistir a tudo isso sem NADA fazer!!!
 
Valter Camargo em 19/12/2012 15:56:18
Não consigo acreditar que isto esteja ocorrendo. Será que nosso vereadores nada farão para barrar esta licitação?
 
Marcos Batista em 19/12/2012 15:43:45
Que piada!
 
Leandro Passos em 19/12/2012 13:48:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions