A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

06/11/2014 12:18

Usina é multada em R$ 369 mil por queima de cana e área de preservação

Caroline Maldonado
Incêndio alcançou área de preservação permanente (Foto: Divulgação/PMA)Incêndio alcançou área de preservação permanente (Foto: Divulgação/PMA)

Uma usina no distrito de Ipezal, em Angélica, a 263 quilômetros de Campo Grande, foi multada em R$ 369 mil por provocar incêndio não autorizado de cana e mata ciliar de um curso d’água. A PMA (Polícia Militar Ambiental) não divulgou ou nome da empresa, mas de acordo com informações apuradas pelo Campo Grande News se trata da usina Adecoagro.

Veja Mais
Durante a chuva de terça-feira, 69 mil raios atingiram Mato Grosso do Sul
Quarta-feira com máxima de 34ºC e possibilidade de chuvas à tarde em MS

Segundo a PMA, policiais de Dourados, a 233 quilômetros da Capital, receberam denúncias nesta quinta-feira (5), de que no dia 13 de outubro deste ano, teria ocorrido incêndio em uma área plantada de cana-de-açúcar que atingiu ainda a reserva.

Os policiais foram ontem ao local e perceberam duas áreas de queima da cana efetuada pela empresa em áreas de duas propriedades rurais. Conforme a PMA, uma grande área queimada de 254 hectares foi localizada em uma propriedade rural, às margens da MS-274.

O incêndio atingiu uma área de mata nativa protegida, denominada APP (Área de Preservação Permanente), destruindo 40 hectares. Em outra fazenda próxima, localizada ao lado da rodovia MS-141, no quilômetro 9, já no município de Ivinhema (MS), a filial da empresa, localizada naquela cidade queimou mais de mais 74 hectares de cana-de açúcar, segundo a PMA.

Como a empresa proprietária da cana não tinha autorização para nenhum dos incêndios, foi autuada administrativamente e multada. A multa foi de R$ 1 mil por cada hectare de cana incendiado e R$ 5 mil por hectare das áreas de preservação permanente. Os responsáveis pelo incêndio responderão ainda por crime ambiental e, se condenados, poderão pegar pena de um a três anos de detenção.

O Campo Grande News entrou em contato, por telefone, com a Adecoagro. A empresa informou que apenas a assessoria de imprensa poderia dar esclarecimentos sobre o assunto, mas os funcionários do setor estavam em horário de almoço. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions