A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

01/04/2015 12:32

Vigilância Sanitária fecha Feira do Pescado por falta de licença

Caroline Maldonado
Feira teve 600 quilos de peixe apreendidos (Foto: Marcelo Calazans)Feira teve 600 quilos de peixe apreendidos (Foto: Marcelo Calazans)

A Feira do Pescado, iniciada ontem (31), no estacionamento da Feira Central de Campo Grande, foi fechada pela Vigilância Sanitária na manhã de hoje (1º). O motivo, segundo um dos organizadores, foi a falta de licença, que foi solicitada, mas não saiu a tempo do início da comercialização. Foram apreendidos, cerca de 600 quilos de peixe.

Veja Mais
Com preço igual ao de mercado, Feira do Pescado começa com grande procura
Feira do Pescado da UFMS e Festa do Peixe começam na terça-feira

Mesmo sem a licença, eles resolveram fazer a feira para não perder a tradição da data, na Semana Santa. Segundo um dos promotores do evento, o superintendente federal adjunto da Pesca e Aquicultura, Celso Benites, os produtos não oferecem risco à saúde e passaram por controle de qualidade. “O que aconteceu é que pedimos a licença, mas não saiu a tempo”, explicou.

A denúncia que levou ao fechamento da feira, foi feita na Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra as Relações de Consumo). Os organizadores desconfiam que a atitude partiu de grandes peixarias, incomodadas com a concorrência da feira, que estava na 13ª edição, a partir de parceria entre UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), MPA (Ministério da Pesca e Aquicultura) e Afecetur (Associação da Feira Central e Turismo de Campo Grande).

“Isso é pressão política das grandes peixarias de Campo Grande, porque esse projeto incomoda, já que tem peixe de alto padrão a preços razoáveis. Então eles pocuram picuinhas e procuram a vigilância sanitária”, argumentou Celso.

De acordo com o superintendente, os consumidores que adquiriram as postas e filés de peixe ontem podem ficar tranquilos quando a procedência dos produtos. “Os peixes não oferecem risco nenhum ao consumidor. São de alta qualidade, atingiram dois ou três quilos em dez meses”, afirmou.

Conforme Celso, hoje a feira chegou a abrir, mas não vendeu nada, pois foi fechada logo no início. Agora, a organização tenta conseguir de volta o produto, que está em câmara fria da vigilância, para reaproveitar na produção de ração animal para a universidade.

O Campo Grande News tentou contado, via telefone, com a Decon para saber o motivo da interdição, mas as ligações não foram atendidas no horário do almoço.




Pela exorbitância dos preços por aí, melhor comer sardinhas em lata. "Malandro é o gato que come peixe sem ir à praia"!
 
Hugo Alves em 01/04/2015 17:48:13
Pra variar, como todo bom brasileiro, devem ter pedido a licença ontem....
 
Max em 01/04/2015 16:41:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions