A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

26/10/2016 09:52

Caravana já fez 52 mil operações e nova etapa levará melhorias a hospitais

Reinaldo Azambuja acompanhou um dos procedimentos cirúrgicos no São Julião

Mayara Bueno e Aline dos Santos
Governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), acompanhou uma cirurgia de varizes, nesta quarta-feira (26). (Foto: Fernando Antunes)Governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), acompanhou uma cirurgia de varizes, nesta quarta-feira (26). (Foto: Fernando Antunes)
Governador do Estado divulgou dados sobre a Caravana da Saúde. (Foto: Fernando Antunes)Governador do Estado divulgou dados sobre a Caravana da Saúde. (Foto: Fernando Antunes)

O governo de Mato Grosso do Sul investiu, até agora, R$ 76 milhões na Caravana da Saúde, realizou 52 mil procedimentos e prevê a reestruturação dos serviços públicos do setor até 2018. Os dados foram divulgados pelo governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), que nesta quarta-feira (26) acompanhou um procedimento cirúrgico pós-caravana no Hospital São Julião, em Campo Grande.

Veja Mais
Nova etapa da Caravana da Saúde terá atendimento específico para mulheres
Caravana da saúde vai atender 300 pacientes em cirurgias ortopédicas

Nesta manhã, ocorreu justamente a fase posterior à caravana. “São procedimentos cirúrgicos gerais, vasculares”, pontuou. O governo fechou parcerias com os hospitais São Julião, Santa Marina e Pênfigo, para realização destes procedimentos. Ao todo, serão 3 mil atendimentos na nova etapa do programa estadual.

Segundo Reinaldo, até agora, o programa fez 52 mil cirurgias e ainda há a previsão de mais 30 mil, referente a pacientes que estão na fila de espera. “Quando assumi, havia um cadastro que apontava 37 mil pessoas esperando. Mas, acho que é falho, porque só a caravana operou 52 mil até agora”.

Depois desta fase, o objetivo é reestruturar a saúde na Capital, além de Dourados, Ponta Porã, Corumbá, Três Lagoas, Coxim e Paranaíba. “Até o fim de 2018, vamos entregar a estrutura montada”.

O secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, já havia confirmado os planos para a etapa 2 da Caravana da Saúde, que iniciará ano que vem com investimentos nos hospitais e estruturas já existentes.

Ainda não há detalhes fechados e intenção é começar a nova fase no ano que vem. A ideia é manter os serviços itinerantes, mas, principalmente estruturar os hospitais e instituições de saúde de MS. 

Secretário de Saúde, Nelson Tavares. (Foto: Fernando Antunes)Secretário de Saúde, Nelson Tavares. (Foto: Fernando Antunes)
Juliene Sousa comemorou cirurgia, prevista para esta manhã. (Foto: Fernando Antunes)Juliene Sousa comemorou cirurgia, prevista para esta manhã. (Foto: Fernando Antunes)

São Julião – Somente no São Julião, onde Azambuja esteve esta manhã, foi fechado um pacote de 990 cirurgias, segundo o coordenador de regulação do Estado, Ed Carlos Burgatti. Do total, 390 são procedimentos para varizes, 360 de vesícula, 90 hérnia de disco, 105 vesícula por vídeo e 45 de tireoide.

Até agora, já foram realizados 823, ao custo total de R$ 1,9 milhão. “A maioria dos atendimentos é de demanda judicializada”. Aqueles pacientes que entraram na Justiça para obter a cirurgia.

Nas próximas semanas, a instituição começará 2.219 mil cirurgias oftalmológicas. Além do procedimento de catarata, atenderá problemas na retina e glaucoma, que não foram oferecidos na Caravana, de acordo com a assessoria de comunicação da pasta de Saúde.

Reinaldo acompanhou a cirurgia de varizes de uma das pacientes, esta manhã. Depois, visitou a área de oftalmologia e centro de cuidados de quem sofreu AVC (Acidente Vascular Cerebral). Pelos convênios, os três hospitais realizarão 3 mil cirurgias. O Santa Marina vai atender procedimentos de ortopedia.

Nelson Tavares havia dito que, se fosse pagar pelas demandas sem contratos, pagaria R$ 150 mil por cada uma, enquanto que, com a parceria com os hospitais, empenhará R$ 14,5 mil.

Juliene de Sousa, 42 anos, se surpreendeu ao receber a ligação na segunda-feira, avisando-a de que deveria comparecer ao hospital. “Pensei, que maravilha”. Ela aguarda há mais de dois anos pelo procedimento contra varizes. “Incomoda muito porque incha e dá muito mal estar”.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions