A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

22/09/2015 11:50

Secretário e deputados não chegam a acordo sobre aumento de ICMS em MS

Viviane Oliveira e Leonardo Rocha
Reunião entre o secretário Márcio Monteiro e deputados estaduais foi nesta manhã na Assembleia Legislativa. (Foto: Victor Chileno)Reunião entre o secretário Márcio Monteiro e deputados estaduais foi nesta manhã na Assembleia Legislativa. (Foto: Victor Chileno)

Para que seja votado em regime de urgência, o secretário estadual de Fazenda, Márcio Monteiro, se reuniu nesta manhã (22) com deputados estaduais na Assembleia Legislativa para apresentar quatro projetos, dos quais apenas três teve consenso. A pauta referente ao aumento de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) dos produtos supérfluos, além do ITCD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação) e IPVA, que aumenta de 15 anos para 20 anos a taxa de isenção, foi adiada. Os demais projetos deverão ir à votação em plenário ainda nesta semana. 

Veja Mais
Aumento de ICMS é para conter déficit de R$ 700 mi em 2016, diz Reinaldo
Dia das Crianças vai movimentar R$ 146 milhões com R$ 119 por presente

O primeiro projeto autorregula e permite que o contribuinte consulte pela internet se tem débitos com o Estado. O segundo aprovado é referente a regulamentação da cobrança de ICMS na importação de produtos, que não teve mudança de alíquota.

O terceiro é para regulamentar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) referente ao E-commerce, produtos vendidos pela internet, que a partir do ano que vem todo o ICMS que for arrecado com produtos vendidos pelo comércio eletrônico, será dividido entre o estado onde é produzido e o de destino.

A proposta torna gradual a alteração nas alíquotas, atribuindo aos estados de destino 100% da diferença de alíquotas a partir de 2019. Até lá, vale a seguinte regra de transição: 40% para o destino e 60% para a origem (2016); 60% para o destino e 40% para a origem (2017) e 80% para o destino e 20% para a origem (2018). “Para o ano que vem já existe uma previsão de ganho de R$ 50 milhões. Já em 2019, a previsão é de ganho de R$ 150 milhões”, destaca Márcio Monteiro.

Não teve consenso o último projeto, que altera o valor do ICMS para os produtos supérfluos, como bebidas, fumos, cosméticos, além do ITCD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação) e IPVA, que aumenta de 15 anos para 20 anos a taxa de isenção. “Não teve consenso em relação ao IPVA e o ITCD. Nós vamos discutir melhor o projeto. O márcio Monteiro se comprometeu de fazer um estudo, reformular a proposta e mandar sugestão de calculo para os deputados”, explica o presidente da Assembleia, o deputado Junior Mochi (PMDB).

Endividamento das famílias cresce e atinge 58,2%, mostra pesquisa
O endividamento das famílias brasileiras aumentou 0,2 ponto percentual de agosto para setembro deste ano, atingindo 58,2%. Apesar do ligeiro crescime...
Taxa de juros do cheque especial bate novo recorde: 321,1% ao ano
A taxa de juros do cheque especial subiu em agosto. De acordo com informações do Banco Central (BC), divulgados hoje (28), em Brasília, a taxa do che...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions