A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

28/10/2016 23:52

Último bloco de debate tem tapa-buraco, Coffee Break e ex-prefeitos

Aline dos Santos
Marquinhos diz que não terá parente na administração. (Foto: Alcides Neto)Marquinhos diz que não terá parente na administração. (Foto: Alcides Neto)
Rose questionou Marquinhos sobre por que ele esconde o irmão e ex-prefeito Nelsinho. (Foto: Alcides Neto)Rose questionou Marquinhos sobre por que ele esconde o irmão e ex-prefeito Nelsinho. (Foto: Alcides Neto)

Com tema livre, o terceiro bloco do debate entre os candidatos a prefeito teve questões sobre grupos políticos, cobrança de imposto, tapa-buraco e operação Coffee Break.

Veja Mais
Operadoras prestam contas à Assembleia sobre investimentos em MS
Acordo garante reeleição de Mochi e Zé Teixeira na Assembleia Legislativa

A rodada de perguntas foi aberta por Rose Modesto (PSDB). Ela questionou porque Marquinhos Trad (PSD) esconde o irmão Nelsinho, que foi prefeito da cidade, e seu grupo de apoiadores. “O Nelsinho é o Nelsinho. Tem que falar com o Marquinhos Trad. Quem chamou o[Gilmar] Olarte de amigo não fui eu. Na minha administração não vai ter parente”, diz o candidato. Olarte renunciou à prefeitura de Campo Grande.

Na sua vez de perguntar, Marquinhos quis saber de Rose quando vai acabar a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) antecipado, um tema relativo ao governo do Estado. Rose, que é vice-governadora, sugeriu que o candidato, atual deputado estadual, marcasse audiência com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). 

A candidata questionou o concorrente sobre o serviço de tapa-buraco e apontou que o setor tem máfia há 15 anos, herdada dos antigos prefeitos. Marquinhos prometeu restringir a participação de empresas investigadas em licitações e na Coffee Break. Sobre asfalto, a tucana lembrou que o governo faz recapeamento na avenida Euler de Azevedo.

Na última pergunta, Marquinhos afirmou que Rose teve o sigilo bancário quebrado durante a operação. A candidata rebateu. “Em setembro de 2015, coloquei à disposição meu sigilo bancário e fiscal. Quem não deve, não teme. Fui dar meu depoimento de forma voluntária e nada foi encontrado, por isso não fui denunciada, não cometi nenhum crime”, diz.

Nas considerações finais, os candidatos agradeceram a Deus, familiares e apoiadores. “São propostas possíveis,ouvimos as ruas, entramos nas casas, temos equipe técnica preparada. Vamos administra a  cidade com responsabilidade, de forma séria e transparente”, afirma Marquinhos.

Rose pediu que os eleitores votem no domingo. “Entendo essa falta de esperança, pode ter certeza. Se me der uma oportunidade, vou resgatar a confiança, credibilidade. Não é só uma eleição, mas a nossa vida”, diz a candidata.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions