A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

24/11/2016 13:40

Na Capital, ex-ministros debatem sobre gestão e economia no agronegócio

Renata Volpe Haddad
A 7º edição do MS Agro realizada hoje (24) reuniu 200 pessoas. (Foto: Famasul/ Divulgação)A 7º edição do MS Agro realizada hoje (24) reuniu 200 pessoas. (Foto: Famasul/ Divulgação)

Debate de temas atuais sobre o cenário econômico e político brasileiro, e assuntos sobre eficiência na gestão das empresas rurais, reuniu mais de 200 pessoas durante a 7º edição do MS Agro realizado nesta quinta-feira (24) na sede da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS). Dois ex-ministros estiveram presentes palestrando sobre os temas. 

Veja Mais
Ex-ministros vem a MS palestrar sobre gestão no agronegócio
MS Agro discute sobre a educação e crise, da sala de aula ao campo

O ex-ministro do Trabalho, Planejamento e professor da Fundação Don Cabral, Paulo de Tarso Almeida Paiva, palestrou sobre "Navegar em tempos de tormentas e incertezas é preciso" e fez uma comparação entre economia nacional com a de uma empresa privada.

“A análise de Swot avalia as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças de uma instituição e procuramos adequar a realidade do Brasil. Apesar de um crescimento anual modesto de 2,6% no PIB nacional, nos últimos 16 anos, contamos com componentes positivos para a retomada do crescimento econômico como a estabilidade institucional, equilíbrio macroeconômico e ganho de produtividade”, detalha.

Já o ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, apresentou números que demonstram a evolução da economia brasileira na última década e reforçou o papel fundamental da região Centro-Oeste que possibilitou ao Mato Grosso do Sul a consolidação na produção de grãos e o destaque na exportação das matérias-primas mais vendidas no cenário global.

“Nos últimos 10 anos, os produtores sul-mato-grossenses conquistaram um crescimento de 130% na produção de grãos, contribuindo para que o país se destacasse como potência agrícola inequívoca e fosse responsável pela 3ª revolução agrícola: a agricultura tropical de alta eficiência”.

O presidente da Famasul, Maurício Saito, falou durante o MS Agro falou sobre a necessidade de investir na eficiência da gestão das empresas rurais. (Foto: Famasul/ Divulgação)O presidente da Famasul, Maurício Saito, falou durante o MS Agro falou sobre a necessidade de investir na eficiência da gestão das empresas rurais. (Foto: Famasul/ Divulgação)

Na avaliação do presidente da Famasul, Maurício Saito, o evento foi idealizado com intuito de possibilitar o debate de uma das maiores demandas do setor. “Um dos assuntos mais elencados nas pautas do agronegócio é a necessidade de investir na eficiência da gestão das empresas rurais e por isso, entendemos que é necessário aliar a correta aplicação das tecnologias produtivas com o gerenciamento da atividade pecuária”, ressalta.

A gestora do departamento econômico da federação, Adriana Mascarenhas, lembra que o MS Agro tem, entre outras finalidades, o objetivo de que os dirigentes possam se atualizar das novidades discutidas pelo setor no cenário nacional. “A cada edição procuramos escolher conteúdos que estejam em destaque na economia e política, pois, ambos são os principais influenciadores na cadeia produtiva do agronegócio. Por isso, optamos este ano por debater a gestão que é uma das principais ferramentas para desenvolvimento de um bom negócio”.

Já o secretário da Sepaf (Secretaria de Estado de Produção e Agricultura Familiar), Fernando Lamas, destaca que Mato Grosso do Sul se sobressai no cenário nacional em razão dos altos índices produtivos. “A produção de carne e soja cresce em volume e qualidade anualmente, em razão da tecnificação na atividade. No entanto, o governo também está atento ao público de 70 mil produtores familiares que tem contribuído para a produção de alimentos e necessita de apoio para produzir mais e com qualidade”, pontua.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions