A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

03/02/2015 15:16

“Pai” de 2 netos morreu em tragédia causada por falta de limpeza em via

Flávia Lima
Daniel teve morte instantânea após derrapar em pedregulhos espalhados na pista da avenida. (Foto:Arquivo Campo Grande News/Filipe Prado) Daniel teve morte instantânea após derrapar em pedregulhos espalhados na pista da avenida. (Foto:Arquivo Campo Grande News/Filipe Prado)

Prestativo e trabalhador. É dessa forma que a família define o aposentado Daniel Sebastião da Gama, 55 anos, que morreu na manhã de ontem (2) após derrapar com sua moto na avenida Interlagos, no Bairro Vilas Boas, na Capital. De acordo com sua esposa, a dona-de-casa Edileuza Maria de Queiroz, ele ia buscar uma extensão elétrica para realizar um serviço de jardinagem quando perdeu o controle da moto ao passar sobre uma camada de pedregulhos que estava espalhada em uma das pistas da avenida.

Veja Mais
Moto derrapa em pedras, bate no meio fio e poste e mata condutor
Adolescente que colidiu em caminhão estava com moto irregular

Com a derrapagem, ele bateu a moto no meio-fio e se chocou contra um poste. Daniel teve morte instantânea. Ainda muito abalada com o acidente, Edileuza e os filhos acreditam que a prefeitura tem uma parcela de culpa pela morte do aposentado, já que, segundo eles, o trecho da avenida onde Daniel se acidentou sempre tem entulhos e pedras acumulados devido às enxurradas que ocorrem no bairro nos dias de chuva.

“O que falta ali é limpeza. Quando é para cobrar o IPTU é rápido, depois fogem da responsabilidade”, reclama Edileuza. A maior preocupação da dona-de-casa é quanto ao sustento da família, já que essa função era de responsabilidade de Daniel, que fazia bicos de jardinagem com o cunhado para reforçar o orçamento de pouco mais de um salário mínimo, fruto de uma aposentadoria por invalidez.

Daniel era motorista e em 2006 sofreu um acidente com o caminhão que dirigia entre Rio Verde e Coxim e chegou a ficar mais de um ano sem andar. “Foi um sofrimento. Os médicos disseram que ele talvez ficasse na cadeira de rodas, mas ele teve uma grande ajuda da empresa que trabalhava e conseguiu se recuperar depois de muita fisioterapia e tratamento”, recorda.

Apesar da pouca renda, Daniel ajudava os filhos Daniele, Alan, Rodrigo e Tiago que, apesar de adultos contavam sempre com o pai para socorrer no sustento da casa. “Ele não deixava faltar nada para eles, ajudava em tudo”, ressalta.

Mas a grande paixão do aposentado eram os dois netinhos, Vitória, de 5 anos e Yago, de 3, que moravam com ele e Edileuza. A esposa conta que ele assumiu a criação e o sustento das crianças desde o nascimento, tanto que levantava às 4 horas da manhã, mesmo quando não tinha nenhum serviço, apenas para ajudar a cuidar dos netos.

Sonho interrompido - “Era ele quem levava para a creche, dava comida e vestia. Não sei como vai ser agora porque a Vitória está passando mal desde ontem”, diz Edileuza. Para a filha Daniele, o pai era o verdadeiro porto seguro. “Ele queria que eu passasse a guarda da Vitória para ele porque se preocupava com o futuro deles. Dizia que se ele morresse pelo menos as crianças teriam algum dinheiro”, afirma.

O caráter generoso de Daniel também era reconhecido no bairro, onde morava desde 1992, quando chegou de Fátima do Sul. A vizinha, Aparecida Ferreira lembra que certa vez ele pegou o carro e foi com ela até Maracaju buscar uma amiga que passava por problemas pessoais e trazer para Campo Grande. “Já era tarde quando recebi o telefonema e ele e a Edileuza não me deixaram ir sozinha. Fez questão de dirigir”, conta.

Sem deixar a humildade de lado e sempre prestativo, Edileuza conta que o maior sonho de Daniel era comprar uma chácara para envelhecer rodeado pelos netos. “Agora isso tudo acabou. Só resta educar as crianças para serem como ele. Era isso que ele desejava, que fossem honestos e trabalhadores”, ressalta.

A família diz que pretende buscar algum tipo de indenização do poder público. “Sempre tem acidentes ali. Nenhum dinheiro vai trazer ele de volta, mas os responsáveis precisam entender que outro pai de família pode perder a vida ali”, destaca Edileuza.

Ponto macabro - No mês passado, outro motociclista morreu na avenida Interlagos no mesmo local e nas mesmas circunstâncias de Daniel. Leonel de Almeida Barbosa, 33, perdeu o controle da moto, bateu no meio-fio e em seguida no poste. Ele também morreu na hora.




A culpa foi da moto, e de quem vendeu a gasolina pra ele. Dele não foi.
 
Chan em 10/02/2015 10:32:10
Agora é acionar um advogado e ir pra cima da prefeitura....
 
Max em 04/02/2015 09:33:21
Rua cheia de terra e pedras, sem sinalização horizontal (pintura de faixas), com calçada estreita e em péssimo estado: essa é uma típica rua de Campo Grande! O completo descaso e incompetência da prefeitura, somada ao relaxo dos moradores, deixa a cidade feia e perigosa.
 
Luiz Pereira em 03/02/2015 16:08:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions