A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

25/07/2014 11:45

Acidente pôs fim a carreira meteórica de engenheiro da MSGás

Leonardo Rocha
Amigos e parentes se despedem de Lúcio Fregonese, que morreu ontem vítima de acidente (Foto: Marcelo Calazans)Amigos e parentes se despedem de Lúcio Fregonese, que morreu ontem vítima de acidente (Foto: Marcelo Calazans)

Familiares, amigos e colegas de trabalho estiveram, na manhã de hoje (25), no velório do presidente da MSGás, Lúcio Murilo Fregonese Barros, 33 anos, que morreu ontem (24), vítima de acidente de carro, na rodovia BR-262, perto da Unei (Unidade Educacional de Internação) Dom Bosco, na saída para Três Lagoas.

Veja Mais
Acidentes matam 11% mais e já são 144 óbitos nas rodovias federais
Ex-diretor da MSGás morto em acidente, já tinha chefiado a Agetran na Capital

O engenheiro civil, natural da cidade de Francisco Beltrão (PR), formou-se na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e desde cedo teve o talento e competência reconhecido, trabalhando em grandes empresas do ramo da construção civil, como DM Construtora e Construtora Aterpa.

O bom currículo o qualificou para assumir a secretaria de Obras de São Gabriel do Oeste, onde ficou até 2010, na gestão do prefeito Sérgio Luiz Marcon (PSDB). No mesmo ano, começou sua atuação como diretor da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito de Campo Grande), onde permaneceu até 2012. Em junho de 2013, assumiu a presidência da Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul, no lugar de Matias Gonsales Soares.

De acordo com o ex diretor-presidente da Agetran, Rudel Trindade Júnior, Fregonese já mostrava destaque desde a faculdade, com atuação e elaboração de projetos. “Ele foi meu aluno da UFMS, sempre foi astuto e talentoso, já com ideias para atuação no mercado de trabalho, uma grande perda profissional”, afirmou.

Rudel lembra que após a faculdade, o engenheiro teve participações por empresas importantes do ramo, até chegar a Agetran, onde fez um excelente trabalho. “Com poucos anos no mercado já era destaque, ajudou na reforma e manutenção dos terminais da Capital, esteve no projeto da implantação de cartão eletrônico nos ônibus, assim como na restruturação do passe do estudante”.

Ele lembrou de sua vitalidade e disposição profissional, trabalhando até fora da hora de expediente. “Sempre temos que pensar na renovação de nomes no Estado, este excelente quadro teve seu futuro rompido”.

A engenheira Rachel Lima Sperb, que estudou com Lúcio Murilo, ressaltou que sempre foi dedicado e apaixonado pela profissão, tanto que logo alcançou cargos importantes. “Um jovem talento, sempre sorridente e leal com os amigos, vai fazer falta”.

Ações – O presidente da MS Gás também se dedicava a outras atividades além da profissão, tanto que já foi presidente do clube Amigos do Jeep de MS, onde além de participar de eventos e trilhas pelo Estado, também desenvolvia projetos sociais. “Sempre estava a frente das ações, como na campanha de agasalho, tanto que participou desta entrega na semana passada”, afirmou o integrante do grupo, o gerente de vendas Otoni Rocha.

Segundo ele, Fregonese era um líder no grupo e se dava bem com todos os integrantes. “Era um sujeito agregador, proativo, que fazia com os eventos e campanhas acontecessem, uma perda irreparável”.

O amigo Vinícius Saraiva, 20, confidenciou que sempre pedia “conselhos” profissionais e pessoais ao engenheiro, que o orientava na hora de tomar decisões. “Conhecia há quatro anos, mas tinha afinidade de irmão, ele viveu intensamente, um sujeito que alegrava a todos”.

Ana Carolina Barros, irmã do engenheiro, ressaltou que a família está abalada, pois foi mais uma vítima do trânsito nas rodovias. “Ele estava viajando a serviço, fazendo o que mais gostava na vida”.

Acidente - Lúcio Murilo Fregonese Barros estava no veículo Meriva Joy, que colidiu ontem, por volta das 12h, com um caminhão furgão, na BR-262. O automóvel do engenheiro ficou totalmente destruído. O motorista do caminhão Gilson Borges dos Santos, 42, contou que o condutor do Meriva perdeu o controle após sofrer uma aquaplanagem na rodovia.

Uma testemunha relatou que um Gol branco tentava ultrapassar o caminhão, quando o condutor do Meriva perdeu o controle do carro e colidiu de frente com o caminhão. A vítima era casado e deixou um filho de 1 ano e dez meses. O velório está sendo realizado no cemitério Parque da Primaveras, na Vila Ipiranga. A previsão é que o enterro acontece por volta das 16h.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions