A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

27/01/2014 18:07

Agetran vai divulgar posição de radares móveis para frear velocidade

Lidiane Kober
Especialistas em trânsito se reuniram hoje para analisar estatísticas e discutir alternativas para reduzir acidentes (Foto: Lidiane Kober)Especialistas em trânsito se reuniram hoje para analisar estatísticas e discutir alternativas para reduzir acidentes (Foto: Lidiane Kober)

Ciente de que a alta velocidade é o principal causador de mortes no trânsito de Campo Grande, a prefeitura vai focar, em 2014, ações para coibir o excesso e reduzir os acidentes nas ruas da cidade. Uma das armas será o uso de dois radares móveis. Os equipamentos serão espalhados pelas principais vias e, justamente, para frear a velocidade, a localização será divulgada com antecedência.

Veja Mais
Pela 3ª vez, radar portátil vira arma da Agetran para reduzir mortes
Adolescente que colidiu em caminhão estava com moto irregular

“O objetivo não é multar, o objetivo é reduzir a velocidade”, destacou a chefe de divisão educacional da Agetran (Agência Municipal de Trânsito) e coordenadora do projeto “Vida no Trânsito”, Ivanise Rotta. Segundo ela, hoje, a alta velocidade é o principal causador de mortes na Capital. “Nosso relevo, nossas avenidas são um convite à velocidade”, ponderou.

Por um dos radares, a prefeitura pagou R$ 125 mil e o outro, pouco menos moderno, ganhou da Organização Pan-Americana da Saúde. Por meio dos equipamentos, também será possível analisar o comportamento do motorista, como, por exemplo, como age nos metros seguintes ao do radar.

“Em cinco visitas, os pesquisadores do projeto “Vida no Trânsito” vão analisar os resultados e apresentar alternativas”, disse Ivanise. Além de conferir os dados dos radares, a equipe vai mirar outro causador de mortes: o uso de bebida alcoólica ao volante.

“Nossas estatísticas evidenciam claramente que a vida noturna ativa os acidentes, que aumentam consideravelmente das 18h às 6h e de sexta-feira a domingo”, informou a integrante da Agetran. Neste sentido, os pesquisadores vão a shoppings e outro locais para ouvir as pessoas e tentar descobrir meios de coibir os efeitos da vida noturna no trânsito.

Ao mesmo tempo, a prefeitura promete premiar, também este ano, trabalhos, desenvolvidos em 50 escolas, sobre educação no trânsito. “Mas não basta aumentar a fiscalização e debater nas escolas, a família também precisa discutir o tema em casa, alertar sobre o perigo do excesso de velocidade e sobre o uso de álcool no trânsito”, defendeu Ivanise.

Análise – Nesta segunda-feira (27), consultores internacionais de trânsito vieram à Capital para analisar a linha de acidentes na cidade e discutir estratégias para garantir a redução de mortes em 50% até 2020. Segundo Roberto Colombo Limona, em 2011, 1,2 milhão de pessoas perderam vidas no trânsito de todo o mundo.

“Se não fosse feito nada, em 2020, as mortes poderiam chegar a 1,8 milhão, nossa meta é reduzir em 50% este índice”, contou. Neste sentido, consultores do projeto “Vida no Trânsito” percorrem 29 cidades brasileiras para estudar o descobrir alternativas para evitar acidentes.

No ano passado, segundo a Agetran, 113 pessoas morreram vítimas de acidentes de trânsito nas ruas de Campo Grande. Em 2012, o número foi de 126 mortes e, em 2011, 132. Os motociclistas são as principais vítimas, com 67, 81 e 82 óbitos, respectivamente, em 2013, 2012 e 2011.

As mais perigosas – Ainda sobre os radares móveis, Ivanise adiantou que a localização deverá priorizar as 10 vias líderes em acidentes. Na lista, figuram avenidas conhecidas, como a Afonso Pena, Duque de Caxias, Ernesto Geisel e Júlio de Castilho. Os equipamentos ainda não tem data para ir às ruas, só é certo que deverão ser utilizados ainda no primeiro semestre do ano.




Divulgar posição para que? Então a policia tem que avisar o bandido que está indo atras dele.
 
Pedro Joaquim da Silva em 27/01/2014 22:27:31
ridiculo, mais uma forma de roubar a população! Já foi constatado que nao é isso que reduz o numero de acidentes, e sim uma conscientização por parte da população. Já instalaram centenas de radares em campo grande e o numero de acidentes continuou crescendo, ou seja, gostam mesmo é de arrecadar dinheiro com isso, pq é uma maneira fácil.
 
Leonardo Romero em 27/01/2014 22:10:18
muito bom mais acho bom se preocupar com alguns engarrafamento no horário de pico
 
samuel alves em 27/01/2014 21:12:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions