A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

23/12/2012 12:38

Carga e descarga de produtos piora tumulto nas ruas

Carga e descarga

Nadyenka Castro
De um lado caminhões estacionados; de outro, carros e motos. No meio, automóveis esperam para passar enquanto outro caminhão faz descarga. (Foto: Luciano Muta)De um lado caminhões estacionados; de outro, carros e motos. No meio, automóveis esperam para passar enquanto outro caminhão faz descarga. (Foto: Luciano Muta)
Professora fala que situação atrapalha trânsito, mas, se incomodaria se estivesse atrasada para o trabalho. (Foto: Luciano Muta)Professora fala que situação atrapalha trânsito, mas, se incomodaria se estivesse atrasada para o trabalho. (Foto: Luciano Muta)

Passar por ruas onde há ponto de carga e descarga em empresas se transformou em mais um transtorno do trânsito de Campo Grande e piora o tumulto que cresce à medida que a cidade ganha ainda mais carros nas ruas. A situação é mais grave perto de supermercados e concessionárias, onde caminhões parados atravancam o andamento das ruas. 

Veja Mais
Motociclista sofre várias fraturas após colidir moto em poste
Carro capota após colisão no cruzamento da Bahia com a Barão do Rio Branco

“Atrapalha o trânsito sim”, fala o contador Justino Rodrigues, 40 anos, sobre a situação na rua Sergipe, entre a rua Antônio Maria Coelho e avenida Mato Grosso. Ele diz que não é trajeto dele vias onde há carga e descarga, passa apenas ocasionalmente e que não se incomoda.

O analista de tecnologia da informação, Carlos Roberto, 39 anos, também não costuma passar em vias onde caminhões manobram e estacionam para descarregar em mercados e concessionárias de veículos, mas, ao se ver diante da situação no mesmo ponto que Justino, declarou: “Atrapalha o trânsito”.

Para a dona de casa Camila Boer, 32 anos, “bom senso, todos precisam”, disse, referindo-se ao fato de que, apesar de deixar o trânsito lento por alguns minutos, os motoristas precisam entender que é para o abastecimento do mercado. Ela passa no local todos os dias, não se incomoda e afirma que há momentos em que o fluxo é “tranquilo”.

“Se eu tivesse atrasada para o serviço me atrapalharia”, fala a professora Elizangela Cristina, 30 anos, após esperar alguns segundos para seguir o trajeto por conta da manobra de um caminhão frigorífico. Para ela, “o trânsito precisa ser reorganizado”, em locais onde a cena que ela testemunhou é repetida diariamente.

Jucimar Coelho, 38 anos, é motorista de um dos caminhões que ‘parava’ o trânsito na rua Segipe quando a reportagem estava no local. “Acho errado ter que fazer isso, mas não tem outro jeito. Tinha que ter um lugar só para caminhão”, fala sobre a via mão dupla e onde os caminhões só estacionam de um lado e do outro estão veículos de moradores da região e funcionários do mercado.

Mão única- Na rua Antonio Bicudo, Vila Almeida Lima, o trânsito é tranquilo apesar de ser ponto de carga e descarga. A via é mão única, o fluxo não fica lento e não há reclamações. “Os caminhões ali não atrapalham o trânsito”, declara o funcionário público aposentado Luiz Roberto Rosafim, 60 anos.

Motorista de caminhão, Edvaldo Costa da Silva, 25 anos, fala que o local é tranquilo, mas, para ele, os comércios deveriam construir espaços específicos para estacionamento dos veículos que fazem carga e descarga.

 

Na via mão única, caminhões estacionados dos dois lados da rua atrapalham o trânsito.Na via mão única, caminhões estacionados dos dois lados da rua atrapalham o trânsito.

Legislação – A Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) alerta que há horários estabelecidos para o trabalho. De acordo com o chefe da Divisão de Fiscalização de Trânsito, Carlos Guarini, as regras para carga e descarga valem apenas para o perímetro que fica entre as avenidas Mato Grosso, Fernando Correa da Costa e Ernesto Geisel e rua José Antonio. Fora desta área, o que vale são as placas indicativas.

No perímetro citado a regra é de acordo com horário e peso da carga. Até uma tonelada o horário livre; a partir dessa quantidade até 5,1 toneladas é permitido a descarga das 20 horas às 10 horas e mais que 5,1 toneladas, entre 20 horas e 8 horas.

Quem for flagrado desobedecendo estas regras e as placas que indicam a proibição, é multado em R$ 85,12 e tem quatro pontos tirados da CNH (Carteira Nacional de Habilitação). A infração é considerada média.

Motociclista sofre várias fraturas após colidir moto em poste
O motociclista Rolson Ribeiro, 34 anos, sofreu várias fraturas após colidir a motocicleta que pilotava contra um poste, por volta das 4h deste doming...
Motorista escapa de capotamento com ferimentos leves
Acidente aconteceu na rua Fernão Dias. Motorista bateu em carro estacionado....



Cadê a agetran para se manifestar, ao invés de estarem multando no centro.Porquê não vão ver esse absurdo nessa via pública.
 
Luiz Pereira em 24/12/2012 10:30:15
1° Motrista que reclama de caminhoes estacionado um pouco nao sabe dirigir, tem que ter a rua so pra ele. agora as caçamba em construçoes atrapalaham muito em ruas apertadas deveriam por dentro das casas .
 
Andreson Dias em 24/12/2012 10:11:05
É uma vergonha estas areas de descargas destes supermercados de Campo Grande , NÀO existe area para estacionamento dos caminhões que abastecem os mercados, não sei como a PMCG libera habite-se é uma piada prestem atenção . Qualquer burro que prestar atenção nas areas de descargas deste SUPERMERCADOS , vai verificar a falta de estrutura , sem (plataformas , estacionamento p/ caminhões) é um transtorno.
 
Ado Filho em 24/12/2012 09:29:10
Os caminhões nao atrapalham o trânsito na Antônio Bicudo?!?! Esse senhor deve morar bem longe desse Atacadista a que se referiu. Já fiquei esperando os caminhões manobrarem e descarregarem por horas. Sem contar quando estacionam em frente ao condomínio ou fecham a entrada de carros.
 
Janine Gonzalez de Paula em 23/12/2012 22:46:52
Porque também não rever as regras para construção e/ou reformas prediais e calçadas, quando por tempo indeterminado , pedestres ficam sem calçada e tem que as vezes desviar de caçambas para o meio das ruas?
 
José Soares em 23/12/2012 17:41:56
Não adianta de nada esta lei do horário de carga e descarga se não tem polícia para fiscalizar! Tem de ser como no EUA onde todo policial pode atender chamada de trânsito e ocorrências. Já muitas coisas erradas acontecendo no trânsito na frente da PM e eles nem ligarem pois dizem ser de resposabilidade da CIPTRAM, pelo demembramento das ocorrência sim é competência da CIPTRAN, mas onde estão que nunca os vemos nas ruas senão só após os acidentes? Se for só para eles aparecerem depois do ocorrido o melhor é extinguir o departamento e dar autoridade de trânsito tambem a PM e com a ecônomia gerada aumentar a remuneração dos mesmos (que ganham pouco para quem põe a vida em risco) e político com ganhos de mais de R$5mil (e nem calos na mão tem!), é uma VERGONHA nosso país!
 
Alexandre de Souza em 23/12/2012 13:13:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions