A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

12/12/2011 18:45

Em 7 quilômetros, `nova´ Afonso Pena tem apenas 2 faixas de pedestre

Aline dos Santos e Marta Ferreira

O sumiço das faixas ocorre ao mesmo tempo em que a Polícia Militar intensificou as multas para punir o desrespeito ao pedestre

Agora, faixa de pedestre é exclusividade de travessia em frente à Morada dos Baís (foto) e Cidade do Natal. (Foto: João Garrigó)Agora, faixa de pedestre é exclusividade de travessia em frente à Morada dos Baís (foto) e Cidade do Natal. (Foto: João Garrigó)

Com custo de R$ 6,9 milhões e executado em tempo recorde, o recapeamento que fez da avenida Afonso Pena um tapete para os mais de 25 mil veículos que passam por ali diariamente virou dor de cabeça para os pedestres.

Em 7,5 quilômetros, só há duas faixas sinalizando a travessia de pessoas: uma em frente à Cidade do Natal, logo após o Parque dos Poderes, e a segunda em frente à Morada dos Baís, já no fim da avenida. O sumiço das faixas ocorre ao mesmo tempo em que a Polícia Militar intensificou as multas para punir o desrespeito aos pedestres.

O Campo Grande News percorreu a avenida que, em apenas nove dias, foi rota de passagem para 140 mil veículos no sentido Centro/bairro e 99 mil no caminho inverso, conforme dados da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

Sem estatísticas a contabilizá-los, os pedestres contam o desafios diário que enfrentam na avenida mais importante da Capital. Próximo ao Shopping Campo Grande, no cruzamento da Paula Coelho Machado (antiga Furnas), a professora Jane Frascha, de 40 anos, reclama da ausência da faixa de pedestre e de um local adequado para a travessia.

Sem local adequado, Jane caminha pelo gramado, ornamentado por babaçus. “Fiquei indecisa, não sabia se podia pisar na grama”. (Foto: João Garrigó)Sem local adequado, Jane caminha pelo gramado, ornamentado por babaçus. “Fiquei indecisa, não sabia se podia pisar na grama”. (Foto: João Garrigó)

“Fiquei indecisa, não sabia se podia pisar na grama”, conta, depois de passar em meio aos babaçus que ornamentam o trecho recém-inaugurado.

Mais à frente, o risco é dividir espaço com os carros. A calçada do shopping está sendo adequada às leis de acessibilidade, com o piso tátil. Enquanto isso, a solução é passar a poucos centímetros de ônibus e caminhões. “Terminaram a avenida, mas a calçada não acaba nunca”, compara a empregada doméstica Rose Sanches de Oliveira, de 50 anos.

Próximo ao Paço Municipal, uma placa orienta: “Atravesse na faixa”. Mas no local, no cruzamento com a 25 de Dezembro, a faixa de pedestre só existe no aviso e faz falta para a agente de saúde Cláudia Silva de Souza Leandro, de 44 anos, que tentava cruzar a avenida em companhia da mãe de 81 anos. “É difícil, porque quando fecha um semáforo, abre o outro”, afirma Cláudia.

Faixa indicada na placa faz falta para que Cláudia e a mãe, ao fundo, atravessem a avenida. (Foto: João Garrigó)Faixa indicada na placa faz falta para que Cláudia e a mãe, ao fundo, atravessem a avenida. (Foto: João Garrigó)

Ilógico – Para os cadeirantes, a Afonso Pena traz desagradáveis surpresas. No cruzamento com a rua Rio Grande do Sul, um rampa facilita o acesso à avenida, mas do outro lado o deficiente físico de depara com o meio fio sem rebaixamento. O problema persiste ao longo a via.

Nos altos da Afonso Pena, a pista de caminhada do canteiro central, em maior parte de sua extensão, tem aberturas que possibilitam a passagem de cadeira de roda. O que não impede uma pedra no meio do caminho, como um obstáculo de cimento.

Também chamam a atenção os pontos de ônibus, portanto de embarque e desembarque de pessoas, sem nenhuma faixa de pedestre nas proximidades. Já a sinalização indicando velocidade só existe próxima a radar.

No cruzamento com a Rio Grande do Sul, de um lado é rampa; do outro, meio-fio. (Foto: João Garrigó)No cruzamento com a Rio Grande do Sul, de um lado é rampa; do outro, meio-fio. (Foto: João Garrigó)

Inacessível–Inaugurada há três meses, o trecho obra que modernizou e alargou a avenida Duque de Caxias (etapa da Via Morena) traz uma boa impressão para quem sai da Afonso Pena. De cara, há uma faixa de pedestre.

Mas basta olhar para o lado para que a impressão logo mude. O canteiro central tem rampa de acesso, mas o meio-fio espera pelo cadeirante que cruzar a via. A dificuldade de acesso para os deficientes físicos se repete a cada faixa de pedestre.

No mês passado, o Campo Grande News testemunhou como a falta de planejamento limita o direito de ir e vir. A reportagem acompanhou a odisséia do servidor público Nelson Correa Tosta próximo ao Aeroporto Internacional de Campo Grande.

“Para ir ao aeroporto, por exemplo, neste trecho, não tenho outra opção a não ser trafegar na contramão por pelo menos 100 metros até chegar a uma rampa, que não é padrão, é de uma garagem de uma empresa privada no aeroporto”, relatou Nelson na ocasião.

Faixa de pedestre que começa em rampa e esbarra na calçada também é problema na Duque de Caxias. (Foto: João Garrigó)Faixa de pedestre que começa em rampa e esbarra na calçada também é problema na Duque de Caxias. (Foto: João Garrigó)

A obra de revitalização em 4,4 quilômetros custou R$ 13,9 milhões. Logo após a entrega, em setembro deste ano, vieram reclamações como falta de acessibilidade, alagamento na ciclovia e a falta de interligação da faixa exclusiva para bicicletas com bairros da região do aeroporto.

“Para mim, que passo pela avenida de carro e como pedestre, eles entregaram a obra sem terminar. Faço caminhada e tem muitos pontos que alagam”, salienta Valter Jerônimo, de 42 anos. Entre os dias 16 e 25 de novembro, a Duque de Caxias registrou fluxo de 108 mil veículos.

“O ideal era que a três faixas fossem para todos os veículos. No horário de pico, isso aqui trava”, avalia Valter. Na avenida, uma das três faixas é corredor exclusivo para ônibus e ambulância.

Quando será-O diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Rudel Trindade Junior, informou ao Campo Grande News que a sinalização definitiva na Afonso Pena começa no dia 15. Segundo ele, foi necessário fazer licitação para os serviços e, além disso, foi preciso aguardar um tempo após o recapeamento ser feito. "O asfalto não pode receber a tinta logo depois, porque absorve demais e não fica bom".

Rudel disse que primeiro vai ser sinalizado o trecho central da Afonso Pena, entre a Calógeras e a Padre João Crippa. "É onde o movimento é maior, principalmente agora, no fim de ano".

De acordo com ele, a previsão é de que toda a sinalização fique pronta em janeiro.




É estranho olhar o resultado dessa reforma. Porque se era pra melhorar também o trânsito, não deu certo. Ficaram bonitas as plantas no canteiro central, mas ficou terrível para os pedestres. Nota-se claramente que essa reforma foi feita pensando somente nos carros. É uma atitude elitista, infelizmente. Os pedestres sofrem pra ter um lugar pra andar no calor e os outros, tranquilos no carro com ar.
 
Nehemias Lili em 13/12/2011 08:58:44
O que não entendo é a demora pra Agetran fazer a sinalização em todas as vias recém inauguradas, esperam acontecer acidentes pra depois tomar providencia, isso somado a falta de bom senso e preparo dos condutores aqui em Campo Grande.
 
Oswaldo Benites Junior em 13/12/2011 03:01:59
Não foram só as faixas que sumiram, mas as calçadas também, afinal precisamos preservar a grama do canteiro central da afonso pena, por isso o pedestre foi BANIDO do canteiro central da principal avenida da cidade. PARABÉNS AO NOBRE ENGENHEIRO AUTOR DO PROJETO.
 
Maria Auxiliadora em 12/12/2011 10:31:13
Achei desnecessário tirar as pressas os trabalhadores da pedra pra jogarem na rodoviária velha, para plantar grama, plantas e fazer uma recapagem mal feita, tendo a exemplo do desnivél do meio fio que ficou alto, ainda vai causar acidentes aguardem... eu achei que iriam colocar mais duas pistas, não entendi nada dessa maquiagem.
 
Belkiz D. Freire em 12/12/2011 10:30:00
Na Afonso Pena com a Dr. Paulo Machado (muro ao lado do shopping) ao invés de calçada para os pedestres temos grama e coqueiros (?), passo diariamente por ali e vejo dezenas de pessoas andando pela pista, pois não têm por onde passar, parece que aqui em Campo Grande não existem pedestres, somente motoristas. Tomara que não esperem uma tragédia para tomar providências a respeito!!!
 
Marcia Scherer em 12/12/2011 10:05:09
resido ha anos na charmosa afonso pena e me pergundo baseado em que critérios,essa reforma , ficamos sem lugar para estacionar os automóveis de pessoas que desejam nos fazer uma visita,afinal temos varios e varios prédios residenciais, e os nossos comerciantes, onde conseguirão vagas para o seu cliente poder prestigiar seu comércio, e que nos acrescenta um jardim lindo ao centro? quem lucra afinal
 
waldely abrão de barros em 12/12/2011 08:36:57
A prefeitura está esperando o dinheiro das multas aplicadas por desrespeito aos pedestres para poder pintar. O problema é que meses atrás compraram uma máquina que custou R$ 130 mil, e disseram que iria agilizar o serviço de pintura de faixas e sinalização horizontal.
 
Wellington Sampaio em 12/12/2011 08:18:45
Ja que começaram esta obra depois de tantos anos, deveriam ter pensado melhor em investir tanto dinheiro, seria o caso de diminuir o canteiro central como em outras grandes capitais e criarem mais uma faixa para o transporte coletivo...
 
Marcos Roberto em 12/12/2011 08:12:03
Realmente sem dúvidas a av. + importante da Cidade ficou Horrível. Tanto para quem está trafegando de carro, quanto andando a pé. Tive que pagar uma multa por estacionar em um lugar onde havia um parquimatro porem sem aviso algum torno-se um ponto de taxi. É uma total falta de respeito com o cidadão.
 
Ednea Braga em 12/12/2011 08:10:34
TEM QUE TER A FAIXA E O SEMAFORO COM O TEMPO PARA O PEDESTRE ATRAVESSAR, QUANTO A ACESSIBILIDADE ESTA LONGE MUITO LONGE DE MELHORAR UM POUQUINHO..
 
MATEUS COSTA em 12/12/2011 07:55:00
Acontece que as obras de pintura de faixas não está concluído ainda. Mas concordo que ela ficou estreita demais, deveriam ter diminuído o canteiro e aumentado uma faixa...........
 
MARCELO DE SOUZA LOPES em 12/12/2011 07:47:45
A Afonso Pena está uma horrivel para carros e pedreste continua estreita demais.
 
Lucas Prado em 12/12/2011 07:06:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions