A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

12/05/2011 20:12

Em uma hora dois acidentes no cruzamento entre as ruas Abrão Júlio Rahe e Ceará

Paula Maciulevicius e Ana Paula Carvalho

Moradores dizem ter se acostumado com barulho de batidas no local

Condutor tentou desviar de carro que freou bruscamente, acerta motocicleta e para em cima de calçada. (Foto: João Garrigó)Condutor tentou desviar de carro que freou bruscamente, acerta motocicleta e para em cima de calçada. (Foto: João Garrigó)

Com uma hora de diferença, dois acidentes aconteceram no final da tarde de hoje, entre as ruas Abrão Júlio Rahe e Ceará. Segundo a vizinhança, batidas já viraram rotina e enquanto não colocarem semáforo, os acidentes vão continuar.

No primeiro deles, Jocemiro Firmino Bispo, 24 anos e Gleidson Tiago Lisboa, 23 anos, pilotavam cada um, uma moto YBR. Eles vinham no sentido centro – bairro, pela rua Ceará, quando no cruzamento com a Abrão Júlio Rahe, foram atingido por uma S10 prata, conduzida por Antonieta Lonardoni.

Antonieta disse aos policiais que esperou para cruzar a Ceará, mas que não viu que as duas motocicletas vinham e o choque aconteceu. As motos colidiram com a caminhonete.

No intervalo de uma hora, um novo acidente entre motocicleta e carro. Hilton Luiz Monteiro Junior, 28 anos e Ennaioly Cardoso Souza, 23 anos, estavam em uma motocicleta Dafra, subindo pela rua Ceará, sentido centro – bairro, na mesma direção, seguia o motorista Eduardo Lara, 18 anos, conduzindo um Tipo.

Acidentes no cruzamento já viraram rotina para moradores. (Foto: João Garrigó)Acidentes no cruzamento já viraram "rotina" para moradores. (Foto: João Garrigó)

Segundo Eduardo, no cruzamento uma caminhonete que vinha pela rua Ceará, parou bruscamente para virar e ele não teve tempo de frear, desviou o carro para a esquerda, acertando a moto até subir na calçada.

Jocemiro Firmino Bispo e Gleidson Tiago Lisboa foram encaminhados para a Santa Casa. Jocemiro foi levado em estado grave na santa casa e durante o atendimento feito pelo Corpo de Bombeiros, estava inconsciente. Gleidson teve escoriações pelo corpo e pode ter fraturado a clavícula.

Os envolvidos no acidente que estavam na motocicleta tiveram escoriações leves.

Rotina – Segundo a vizinhança, os acidentes no local já são característicos do dia-a-dia e enquanto não sinalizarem a região, as batidas serão frequentes. Para o morador Alencar Dario, 66 anos e o filho Alencar Dario Junior, 31 anos, a reivindicação é para que no local, seja colocado semáforo.

De acordo com eles, se não acontecessem acidentes todos os dias, são “sustos”. Eles afirmam ainda que os vizinhos nem saem de casa mais quando escutam o barulho da batida, porque já de acostumaram.

“Esses dias eu estava tomando banho, quando escutei um barulho de batida. Levei o maior susto”, conta Alencar Júnior.

A vizinhança diz que a solução seria além do semáforo, transformar a rua Abrão Júlio Rahe, em mão única. “Precisa colocar muretas centrais, como canteiro, semáforo e transformar a rua em mão única. Porque só o semáforo não vai adiantar”, conta Alex Silva, 32 anos.

O superintendente de uma farmácia próxima ao local conta que chegou a colocar a câmera que faz o circuito interno do comércio virada para a esquina, por conta dos constantes acidentes.

“É uma vergonha isso aqui. Só hoje foram três, um de manhã e os dois agora. Todos já pediram providências e enquanto não forem tomadas, os acidentes vão continuar”, declarou Wilson Singer, 54 anos, proprietário de uma auto-escola na região.

Tanto policiais de trânsito, como bombeiros afirmam que o número de ocorrências no local é grande e sempre na mesma esquina.

O morador Hugo Prado, 19 anos, conta que além da falta de sinalização a imprudência também gera acidentes. “É comum cortarem caminho aqui, virando e passando por cima da calçada da farmácia. Acho que o condutor do carro tentou fazer isso”, finaliza.




Concordo em partes com o Sr. Willlian Salviano, pois o que falta em Campo Grande é educação. As pessoas não sabem andar no trânsito e quando podem dificultar, o fazem sem nenhum constrangimento. Não são orientados e educados para dar passagem, deixar a pista da esquerda livre para os que estão mais acelerados, e respeitar os sinais de trânsito (faróis, sinalizações, etc...
Motos principalmente, atravessama literalmente o codigo de trânsito, pois andam em pistas erradas, fazem conversões a seu bel prazer sem sinalizar com setas e ultrapassam pela direita.
Excesso de carros e essa falta de educação geral é o que causa a maioria de acidentes, mas em alguns lugares falta sinalização, como por exemplo as ruas que atravessam a Mato Grosso no sentido bairro/centro, onde deveria conter a sinalização que impede fechar um cruzamento. Na saida do trabalho do Parque dos Poderes é um Deus nos acuda; para que um pobre coitado atravesse a Mato Grosso, pq alem de impedirem a travessia, fazem questão de atravancar toda a rua para impedir que mais um carro passe a frente.
Isto é Mato Grosso do Sul!!!
 
Lara Cardoso em 13/05/2011 12:11:38
Realmente, acho que falta um pouco de educação e paciencia aos motoristas campograndenses. As pessoas estão estressadas e descontam seus problemas na direção e consequentemente nos outros motoristas. Só se vê motorista querendo levar vantagem, desrespeitando placas e sinalização, ocasionando com essa atitude acidentes quase sempre com feridos, além dos danos materiais. Vamos refletir!
 
ivan abrahão marinho em 13/05/2011 11:09:42
Tem que se proibir é a CONVERSÃO de veículos, que trafegam pela Ceará, para o lado ESQUERDO. Aquela é uma via de transito rápido, e pela comodidade de uns poucos, que insistem em virar á esquerda e paralisar todo o tráfego, vira uma bagunça total e acidentes vão continuar acontecendo.
 
MARCELLO MENDES em 13/05/2011 04:05:23
O transito de Campo Grande é uma verdadeira vergonha....
inves de investirem em uma sinalização adequada, procuram contratar mais agentes que procuram ficar notificando carros estacionados irregulares nas proximidades do shopping em horarios de pico, ou se não colocarem um monte de radar nas vias rapidas, causando mais congestionamento ainda no transito, tumultuando mais acidentes...
e nunca resolvendo o problema até quando vamos pagar por essa falta de planejamento no transito.....?????¿¿¿¿¿¿??????????
 
Marcelo Bagual.. em 12/05/2011 11:15:19
Um motorista que "não viu" DUAS motos e outro que "não teve tempo de frear"? Isso não são fatalidades, mas sim resultado de imprudência, falta de atenção e excesso de velocidade. Ainda mais lamentável são as opiniões de quem não entende nada de engenharia de tráfego, dizendo que é preciso colocar semáforos (isso em uma cidade infestada de semáforos, onde eles são constantemente desrespeitados) ou transformar a rua em mão única. Qual o critério técnico para falar isso?
 
Luiz Pereira em 12/05/2011 10:53:32
Essa rua Ceará está a cada dia mais perigosa. Seja por falta de semáforos ou pelo motivos mais correto em questão se tratando dos condutores de Campo Grande, RESPEITO!!!!
Na rotatória da Ceará com a Joaquim Murtinho, por volta das 17:40hs presenciei um acidente onde dois veículos de passeio se envolveram, e olha, os guardas de trâncito da Agetran estavam na rotatória ajudando a controlar o tráfego de veículos.
Portanto, além de semáforos, Campo Grande precisa urgentemente de fiscalização rígida e educação de trânsito, senão, haja leitos de hospitais para acomodar tantas vítimas de acidentes de trânsito....
 
Willian Salviano em 12/05/2011 08:35:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions