A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

14/02/2015 08:51

Juiz prevê pena menor para motorista que matou dois em acidente com táxi

Ricardo Campos Jr.
Diogo chegou a ficar preso pelas mortes no trânsito (Foto: Arquivo)Diogo chegou a ficar preso pelas mortes no trânsito (Foto: Arquivo)

Decisão do juiz Carlos Alberto Garcete mudou o tipo de crime ao qual Diogo Machado Teixeira estava sendo acusado por dirigir embriagado, avançar o sinal vermelho, bater em um táxi e matar duas pessoas, em 2011, na avenida Afonso Pena. Denunciado pelo MPE (Ministério Público Estadual) por homicídio qualificado com dolo eventual (quando assume o risco de matar), ele passará a ser réu por homicídio culposo (sem intenção). Ele fica sujeito a pena de quatro anos de prisão, contra até 30 anos no caso de homicídio doloso.

Veja Mais
Taxista que foi atingido por caminhonete morre na Santa Casa
Justiça mantém condutor que matou passageiro de táxi atrás das grades

Se não houver recursos que contestem e alterem a medida, Diogo não irá mais a júri popular e a decisão caberá a um magistrado da esfera criminal. Garcete explicou que antes da sentença, a defesa e a promotoria farão as alegações finais, o que não mudará a desclassificação.

No entendimento do MPE, o réu estava sujeito a causar uma batida grave ao conduzir naquelas condições. Entretanto, o juiz entendeu que “ao que parece, o acusado colidiu seu veículo por não dirigir com a prudência e atenção devidas, e não porque tenha assumido, conscientemente, o risco de matar as vítimas”.

A decisão foi tomada nesta quinta-feira (12), um dia após o aniversário do crime, ocorrido no dia 11 de fevereiro de 2013. Dentro do táxi estavam o motorista Sebastião Mendes da Rocha, 52 anos, e os passageiros José Pedro Alves da Silva Júnior, de 22 anos, morto no local da colisão e Ramon Rudney Tenório Souza e Silva, de 21, ferido sem gravidade.

Sebastião foi internado, chegou a receber alta, mas retornou ao hospital no dia 14 de junho de 2013, onde não resistiu.

Diogo, segundo informações dos autos do processo, permaneceu no local do acidente, chegou a tentar reanimar a vítima e foi preso em flagrante. O teste do bafômetro apontou 0,59 mg/l de álcool no sangue.

O réu teve a prisão convertida em preventiva, mas depois que o caso já estava na Justiça, foi solto sob condição de medidas cautelares e atualmente responde ao processo em liberdade.




NOSSA JUSTIÇA NÃO É MESMO UMA BRINCADEIRA? Como pode haver uma reviravolta depois de anos e mudar a atitude do réu? É mesmo mais um caso de que as regras mudam para réu e cada réu, inexplicavelmente. CABE A FAMÍLIA DAS VITIMAS PROTESTAR, MANIFESTAR E IMPOR SEUS DIREITOS DE CIDADÃOS que serão mais uma vez vitimas. É UM ABSURDO ISSO. DAQUI A POUCO, VÃO CULPAR O TAXISTA DE ESTAR PASSANDO ALI NAQUELE MOMENTO E CONSIDERAR UMA FALTA DE RESPEITO ELE SER O CAUSADOR DA BATIDA.
 
LUCIANO MARQUES em 14/02/2015 09:17:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions