A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

26/06/2014 08:52

Motorista não respeita velocidade e Afonso Pena vira cenário de mortes

Filipe Prado
No entroncamento da Avenida Bandeirantes com a Afonso Pena a Agetran flagrou um condutor a 73 km/h, 13 a mais que o permitido, 60km/h (Foto: Cleber Gellio)No entroncamento da Avenida Bandeirantes com a Afonso Pena a Agetran flagrou um condutor a 73 km/h, 13 a mais que o permitido, 60km/h (Foto: Cleber Gellio)

A principal avenida de Campo Grande, a Afonso Pena, virou cenário para mortes em acidentes de trânsito em 2014, foram mais de cinco somente este ano. Com máxima de 60 km/h, os motoristas campo-grandenses não respeitam a velocidade e chegam a andar a mais de 80 por hora em trechos da via.

Veja Mais
Caminhoneiro por 30 anos e sem um único acidente morreu em colisão
Lojista morto em avenida era ministro da igreja e não andava de carro

Com um radar estático, usado pela Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) para flagrar condutores em alta velocidade, o chefe da divisão de operações de trânsito, José Arruda, conseguiu mostrar ao Campo Grande News o comportamento do motorista da Capital.

No cruzamento da Avenida Bandeirantes com a Afonso Pena, onde no dia 23 deste mês morreu o caminhoneiro aposentado Mario Gonçalves, 63 anos, foi um dos lugares onde o agente mais flagrou condutores acima da velocidade permitida, 60 km/h.

Conforme informações da polícia, Mario não respeitou o sinalização no entroncamento e acabou atingindo um veículo Polo, que trafegava pela Afonso Pena. No carro, também estavam uma mulher e um menino de 7 anos, que ficaram feridos.

“Todo local que tem um asfalto novo e um pontilhado (sinalização horizontal) traz uma sensação de segurança para os motoristas, mas, por algum motivo, essa sensação faz com que eles andem em alta velocidade”, relatou Arruda.

Com o radar estático, a Agetran conseguiu inibir os motoristas, porém o horário onde não acontecem fiscalizações ainda são os mais críticos. “A partir das 22h e durante a madrugada, são onde acontecem mais acidente, pois há menos movimento e não há fiscalização”, constatou.

Outro acidente com morte na Afonso Pena, em maio, foi o que envolveu um motociclista e um pedestre, o empresário Danilo de Paula Eduardo Cabral, 29. A vítima não gostava de andar de carro e ao sair para comprar um remédio, foi atingido pela moto.

“Em geral, o motorista de Campo Grande anda em velocidade alta”, constatou Arruda (Foto: Cleber Gellio)“Em geral, o motorista de Campo Grande anda em velocidade alta”, constatou Arruda (Foto: Cleber Gellio)
A maior velocidade registrada na Afonso Pena foi de 82km/h (Foto: Cleber Gellio)A maior velocidade registrada na Afonso Pena foi de 82km/h (Foto: Cleber Gellio)

Revelando outro ponto onde os condutores abusam da velocidade. Em frente ao Parque das Nações Indígenas o chefe da divisão de operações de trânsito flagrou um veículos trafegando a 82 km/h, em uma pista de 60, 20% a mais do que o permitido.

“Em geral, o motorista de Campo Grande anda em velocidade alta”, constatou Arruda. Ele observou que em locais onde há um trecho mais sem semáforos, lombadas, radares ou redutores de velocidade os condutores tendem a correr mais.

Como no caso de Hebert dos Santos Lima, 38, que estava no banco traseiro da caminhonete, que, ao apostar um racha com um Sonata, acabou atingindo uma árvore. Outro passageiro, Diogo Barbosa Araujo, 29, ficou gravemente ferido e foi encaminhado para a Santa Casa da Capital. O motorista, Tiego Alessandro Guedes, 31 anos, ficou consciente, mas também foi levado para o hospital.

“Desde março nós estamos fazendo várias blitz surpresas, nestes lugares onde mais ocorrem acidentes fatais. Só de estarmos nos locais os condutores já diminuem a velocidade”, relatou Arruda. Ele ainda admitiu que muitos motoristas passam pelas blitzes, mas depois voltam a velocidade acima da permitida.




Eu acho incrível a Agetran mostrar ao jornal o comportamento do motorista campo grandense e nada ser feito para brecar o que estamos vivendo, já perdi as contas de quantas vezes já implorei, aqui no site mesmo, para que a policia e a Agetran façam blitz e parem a mesma quantidade de carros e motos, mas eles insistem na perseguição aos motociclistas e deixam os carros livres, leves e soltos no transito, acho que ninguem ainda percebeu que quem está matando são os carros, quem está morrendo são os motociclistas, mas graças a falta de atenção dos motoristas de carros de Campo Grande que não sabem mais dirigir sem falar ao celular, enquanto a Agetran e a policia não controlarem esta situação, vai continuar morrendo gente, o problema é que eu acho que eles não conseguem controlar nada atualmente
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 26/06/2014 09:23:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions