A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

31/05/2013 17:32

Mudança em retorno de via gera conflito entre condomínios

Helton Verão
Reforma começou ser feita hoje, síndico de um dos condomínios lesados tentou conversar, mas diz não ter sido atendido (Foto: Marcos Ermínio)Reforma começou ser feita hoje, síndico de um dos condomínios "lesados" tentou conversar, mas diz não ter sido atendido (Foto: Marcos Ermínio)

Um retorno que está sendo retirado na avenida Marquês de Pombal tem gerado insatisfação dos moradores de dois condomínios no bairro Tiradentes. De acordo com os moradores dos residenciais Nova Noruega e Nova Hungria a obra seria uma regalia para o outro condomínio que está sendo construído, uma nova unidade do Dahma.

Veja Mais
Mototaxistas e taxistas se juntam e percorrem Afonso Pena contra Uber
Homem que morreu atropelado tinha 51 anos e foi identificado pela mãe

Com a construção de meio fio no local, os moradores que antes faziam o retorno em frente o condomínio Nova Noruega, agora são obrigados a fazer o retorno 300 metros à frente.

“Moro há 12 anos aqui, agora eles chegam com o condomínio deles aqui e retiram o retorno que tínhamos em frente nosso condomínio?” questiona o síndico do Nova Noruega, Antonio Vieira Alves, de 60 anos.

Segundo Antonio, quando viu o início da obra hoje pela manhã foi questionar trabalhadores e responsáveis, pediu para conversar e negociar uma outra forma de alterar o trecho, mas que não obteve sucesso na sua solicitação.

 

Síndico considera longe demais o retorno que os moradores são obrigados a fazer   (Foto: Marcos Ermínio)Síndico considera longe demais o retorno que os moradores são obrigados a fazer (Foto: Marcos Ermínio)
Novo retorno foi criado há 300 metros do Nova Noruega  (Foto: Marcos Ermínio)Novo retorno foi criado há 300 metros do Nova Noruega (Foto: Marcos Ermínio)

“Agora temos que passar em frente nossas casas e ir quase até o pontilhão para fazer o retorno e voltar”, reclama o síndico.

Do outro lado da via, abordamos um engenheiro para explicar a situação da “desfeita” do retorno. Sem querer se identificar, ele classificou como exagerada a reclamação dos moradores dos dois condomínios e explicou que a alteração já estava prevista e combinada com a Prefeitura Municipal e a Agetran desde 2009.

Também mostrou o retorno a 300 metros dali que a própria empresa fez também, com uma terceira via de desaceleração e um recuo para ponto de ônibus. Há alguns metros antes, também outro recuo para a parada do transporte coletivo.

Todas as modificações da via foram feitas por trabalhadores que atuam na construção da nova unidade do Dahma.

O Campo Grande News tentou contato com o secretário de obras do Município, Semy Ferraz, com a Agetran e não obtivemos resposta até o fechamento desta matéria. Na Prefeitura Municipal hoje é ponto facultativo.




nesse trecho esta mais é precisando de RADARES;QUEBRA-MOLAS E CLARO TAMPAR ALGUNS BURACOS QUE APARECEM DE VEZ ENQUANDO. Agora esse povo puxa saco dos residenciais damha vem querendo tirar nosso retorno nos desfavorecendo... " é pra acabar mesmo"... OLHA OS CARROS PASSAM A 140 KM POR HORA AQUI EM FRENTE AOS RESIDENCIAIS, A GENTE NAO TEM SEGURANÇA NEM NAS CALÇADAS...

GEEEEEEENTE ISSO NAO ESTA CERTO, NAO É PRIORIDADE NA CIDADE E SIM SEGURANÇA, CONTROLE DE VELOCIDADE
 
Vivia Bezerra Pedroso em 31/05/2013 20:38:01
As pessoas precisam entender que a região citada na matéria jornalística está em constante expansão e a obra atende a segurança de todos. Agora, é preciso entender que para garantir a segurança no trânsito para todos é preciso que alguns tenham que desapegar de certas facilidades que tinham antes.
 
José Nogueira Neto em 31/05/2013 20:29:32
FAÇAM IGUAL AOS INDIOS, OU MELHOR, INTERDITEM A VIA, QUEIMEM PNEUS, MOBILIZEM A SOCIEDADE LOCAL QUE O PROBLEMA SERÁ RESOLVIDO, DO CONTRARIO O CONDOMINIO DAMAS FAZ O QUE QUER E VOCES VÃO FICAR NA MÃO.
 
MATEUS COSTA em 31/05/2013 18:35:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions