A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

19/05/2014 08:30

Nova lei pode reduzir pena de condenados por mortes em rachas

Aline dos Santos
Anderson foi condenado a 18,9 anos por  homicídio no trânsito envolvendo disputa de racha, embriaguez e transposição do sinal vermelho.(Foto: Marlon Ganassin/Arquivo)Anderson foi condenado a 18,9 anos por homicídio no trânsito envolvendo disputa de racha, embriaguez e transposição do sinal vermelho.(Foto: Marlon Ganassin/Arquivo)

Comemorada por ser mais severa e punir com até 10 anos de prisão o condutor que mata em disputa de racha, a Lei 12.971, que altera o Código de Trânsito Brasileiro, pode ter efeito oposto em Campo Grande, reduzindo pena de réus já condenados a quase 20 anos de prisão por homicídio por dolo eventual no trânsito. Ou seja, quando se assume o risco de provocar o resultado morte.

Veja Mais
Nova lei pode prender por 10 anos acusados de matar praticando "racha"
Fábio teme que Dilma vete aumento de pena para homicídio em "racha"

Caso de Anderson de Souza Moreno, condenado a 18,9 anos pela morte de uma jovem em acidente durante disputa de racha, e de Ryan Douglas Wehner Vieira, condenado a 14 anos por disputa de velocidade que resultou em morte.
O novo tipo penal transfere a classificação de crime contra a vida para crime de trânsito.

“Em Campo Grande, Mato Grosso do Sul e outros Estados, estávamos aplicando o dolo eventual para o condutor dirigindo em alta velocidade, disputando racha em avenidas. Certeza que ia matar alguém. A nova lei veio para beneficiar. Os acusados acabam se beneficiando”, afirma o juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Aluízio Pereira dos Santos.

A possibilidade de já condenados e acusados serem enquadrados na nova Lei do Racha é aberta pelo Código Penal. A legislação prevê que a “lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado”. Ou seja, as condenações podem ser revistas porque há uma nova lei que beneficia o réu.

No entanto, o magistrado esclarece que a lei não retroage quando o sentindo é contrário. Desta forma, quem provocou morte em disputa de racha e teve o crime classificado como homicídio culposo, cuja pena é de 2 a 4 anos, não corre o risco de que a punição seja reclassificada para a nova lei, que prevê prisão de cinco a dez anos. No caso de homicídio doloso qualificado, a pena vai de 12 a 30 anos.

“É bom lembrar que as pessoas associam muito aos 10 anos. Mas na nossa cultura jurídica a pena máxima é só no papel. Essa é a realidade”, afirma o juiz. O magistrado vai fazer levantamento de quantos processos que tramitam na 2ª Vara se classificam na nova lei para remetê-los às Varas Criminais.

Possibilidade – “Não é automático. Mas fica muito mais difícil configurar o dolo eventual no caso, com uma nova lei específica”, analisa o promotor Humberto Lapa Ferri, que atua na 2ª Vara do Tribunal do Júri.

No entanto, o promotor salienta que a nova legislação aumenta a multa e punição para quem pratica os rachas. Para ele, outro fator é que a lei ajuda a modular a pena para quem mata por se envolver em racha. “É mais alta do que o homicídio culposo e inferior à pena do homicídio com dolo eventual”, diz.

A lei também aumenta em dez vezes as multas aplicáveis aos motoristas envolvidos em racha, competições não autorizadas e demonstrações de manobras arriscadas. Com isso, o valor chegará a R$ 1.915,40. Se houver reincidência no prazo de 12 meses, a nova multa será aplicada em dobro.

Condenados - No caso de Ryan Douglas Wehner Vieira, a possibilidade é que a defesa peça em recurso ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) a aplicação da nova lei. Ele foi condenado em março deste ano pela morte de Marcos Vinicius Henrique de Abreu, que conduzia um Polo, e por tentativa de homicídio contra a passageira do carro. No julgamento, Ryan, que conduzia um Citroen C3, negou o racha.

Já Anderson de Souza Moreno foi condenado pela morte da jovem Mayana de Almeida Duarte morreu em 2010, dias após acidente no cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua José Antônio.

Em fevereiro de 2012, Anderson, que conduzia o Vectra que bateu no carro da jovem, foi condenado a 18,9 anos de prisão por homicídio no trânsito envolvendo disputa de racha, embriaguez e transposição do sinal vermelho.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions